Resultados 1 a 1 de 1

Tópico: LENDA DO MENINO DA GRALHA- Ilha do Pessegueiro

  1. #1
    Gforum Dedicado Avatar de xatux
    Data de Ingresso
    Sep 2007
    Localização
    Braga
    Idade
    52
    Posts
    1.923

    Padrão LENDA DO MENINO DA GRALHA- Ilha do Pessegueiro

    LENDA DO MENINO DA GRALHA - Ilha do Pessegueiro Sines



    Do tempo em que o Forte da Ilha do Pessegueiro, era ocupado pelos Mouros se conta esta lenda. Um capitão mouro...

    vivia no referido forte com um grupo de soldados, sua mulher e filhos. Tinha a seu cargo a defesa da fortaleza e o treino dos seus soldados. Sonhava, ele, fazer do seu filho (criança de 8 anos), um grande guerreiro, corajoso e forte, destemido e sanguinário.
    Porém o menino detestava as armas e fugia aos treinos a que o pai o submetia. Gostava muito de brincar e tinha um coração bondoso, tanto para com a gente como para todos os animais. Afeiçoou-se de tal maneira a uma gralha, que era ela o seu passatempo favorito. Onde estava o menino lá estava o pássaro, o pai enfurecido do seu desinteresse pelas artes da guerra, ameaçou-o de matar a gralha se ele não deixasse de brincar com ela. Então, uma noite quando todos dormiam o menino pegando na sua companheira gralha resolveu fugir para que seu pai não matasse a sua amiguinha.

    Muitos dias se passaram. Todas as buscas foram em vão pois não encontravam o pobre menino. Chorava a mãe, arrependia-se o pai. Quando voltaram a ver o seu filho, já ele estava morto junto a uma fonte num vale, com a sua amiga gralha pousada no seu corpo, morta também. Desde ai, aquela fonte ficou conhecida como a "Fonte da Gralha".

    Nota: Esta fonte encontra-se debaixo da água da nova barragem, construída na herdade da Cabeça da Cabra, e muita gente ali residente se lembra perfeitamente dela


    fonte: Instituto de Estudos de Literatura Tradicional

    Ilha do Pessegueiro


    Parece existirem evidências de que os Cartagineses se estabeleceram na ilha ainda antes da II Guerra Púnica (218-202 a. C.).
    Na época Romana (entre meados do século I d. C. e o século V d. C.) a ilha foi um centro produtor de preparados de peixe. Deste período, para lá dos vestígios dos tanques de salga (recentemente postos a descoberto), terá subsistido o nome Pessegueiro.

    Durante séculos foi refúgio de piratas. Conta uma tradição que um dia chegaram à ilha uns piratas norte-africanos que aí só encontraram um eremitão, decidido a defender a capela à sua guarda e impedir a todo o custo o seu próprio cativeiro. Os piratas mataram-no, saquearam o que existia na capela e atiraram para um silvado a arder a imagem da Virgem e depois partiram. Vieram então as gentes de Porto Covo dar um pouco de arranjo aos destroços e enterraram o eremitão.

    Não vendo a imagem procuraram-na por toda a ilha, indo descobri-la intacta sem qualquer dano. O povo de Porto Covo colocou-a então numa outra ermida que passou a ser conhecida por Capela de Nossa Senhora da Queimada.

    A necessidade de defesa da ilha dos piratas terá contribuido para que, em 1603, Filipe III encarregue Alexandre Massay do projecto da construção de um forte na "Ilha do Pixiguero". É possível que este forte não tivesse resistido às investidas de piratas ou de um ataque espanhol nas guerras de restauração.

    Em finais do século XVII, D. Pedro II ordenou a construção de novo forte. Nesta época, teria uma guarnição de 30 homens e cinco peças de artilharia comandados por João Rodrigues Mouro.

    Para evitar um ataque a partir do continente é construído o forte da "ilha de dentro", hoje abandonado. Neste forte ainda é possível ver

    "o seu fosso e as bem aparelhadas muralhas quase intactas. Para o lado sul eleva-se em dois pavimentos, protegidos por meios-baluartes nos ângulos sudeste e sudoeste, e entre eles a porta e eixo da cortina. Para o túnel de entrada comunicam dependências de aquartelamento, cozinha, depósitos ­ sobre estas, outras, mais iluminadas e arejadas. Do átrio uma escada larga conduz ao amplo terraço, mirante directo da ilha do Pessegueiro, da praia, dos rochedos que protegem Porto Covo, da continuidade da orla marítima até Sines. Sobre as salas do segundo pavimento de nível com vasto terraço, um outro eirado desfruta obviamente de melhor domínio visual. Evidencia todo o forte a preocupação do melhor aproveitamento para plataformas de tiro e da mobilidade que permitisse fazer fogo com rapidez para qualquer ângulo. Em ruínas está a guarita cujos vestígios são visíveis no fosso do lado poente".


    (Júlio Gil em "Os Mais Belos Castelos de Portugal")

    A ilha do Pessegueiro localiza-se na costa do Alentejo Litoral, ao largo da freguesia de Porto Covo (da qual depende administrativamente), no concelho de Sines, Distrito de Setúbal, em Portugal. A ilha, assim como a costa adjacente, faz parte do Parque Natural do Sudoeste Alentejano e Costa Vicentina.

    Fonte: Wikipédia
    Miniaturas de Anexos Miniaturas de Anexos Image1.jpg   Image2.jpg   Image3.jpg   Image4.jpg   Image6.jpg   Image5.jpg  

    Última edição por xatux; 23-07-2008 às 20:05.

    ''O verdadeiro paraiso não está no céu, mas sim nos lábios da mulher amada''

Tópicos Similares

  1. Menino esperto....
    Por vms@ no fórum Arquivos
    Respostas: 6
    Último Post: 07-06-2008, 22:11

Tags para este Tópico

Permissões de Postagem

  • Você não pode iniciar novos tópicos
  • Você não pode enviar respostas
  • Você não pode enviar anexos
  • Você não pode editar suas mensagens
  •  

Já fez "Like" na nossa página do facebook?

Acompanhe todas as novidades.