Resultados 1 a 8 de 8

Tópico: Aves da Letra F

  1. #1
    GForum Vip Avatar de migel
    Data de Ingresso
    Sep 2006
    Localização
    Douro "Património Mundial"
    Idade
    53
    Posts
    15.624

    Padrão Aves da Letra F

    Aves da Letra F
    Última edição por migel; 21-05-2008 às 10:36.
    Cump
    Migel

  2. #2
    Gforum Dedicado Avatar de amvf
    Data de Ingresso
    Dec 2007
    Localização
    AGUA LONGA
    Idade
    49
    Posts
    235

    Padrão Falcão Peregrino




    O Falcão Peregrino é provavelmente o animal mais rápido à superfície da Terra, chegando a atingir os 300 Km por hora. Deve o seu nome "Peregrino" aos hábitos nómadas e às suas peregrinações errantes, sobretudo na fase adolescente. Em Portugal, é uma espécie de passagem (Outono-Inverno), sendo muito rara.


    Classificação

    Reino - Animalia
    Filo - Chordata
    SubFilo - Vertebrata
    Classe - Aves
    Ordem - Falconiformes
    Familia - Falconidae
    Género - Falco
    Espécies - Peregrinus



    Tamanho
    O Comprimento oscila entre os 38 a 50 cm e a Envergadura (com as asas abertas) entre os 83 a 113 cm.

    APesa entre 580 a 1000 g.
    fêmea chega a ter mais um terço do tamanho do macho.



    Distribuição
    Europa, Ásia, África, Austrália, América


    Habitat

    As suas capacidades únicas permitiram-lhe colonizar os mais diversos tipos de habitat, desde os desertos quentes até à tundra, revelando todavia preferência pelas zonas abertas. São conhecidos territórios de falcão peregrino em muitas zonas costeiras até aos 4000 m nos Himalaias, estando presente em todos os continentes e latitudes, sendo uma espécie cosmopolita o que revela o seu sucesso adaptativo.

    É encontrado também em grandes cidades.




    Alimentação

    É a única rapina que se alimenta exclusivamente de outras aves (sobretudo Pombos-das-rochas), que alcança facilmente no vôo, enterrando as aguçadas garras no seu dorso.

    Reprodução

    O falcão peregrino faz o ninho numa falésia, nas montanhas à beira de um planalto ou do mar. No norte da Europa, chega a instalar-se em ninhos abandonados por outras aves de rapina nas árvores.

    Sendo extremamente sensível a perturbações no período de nidificação, a presença humana pode levar a ave ao abandono do ninho, inviabilizando consequentemente a sua postura.

    A fêmea põe 3 a 4 ovos (castanhos-claros, com manchas avermelhadas) numa cavidade de uma rocha ou árvore. O período de incubação dura 28 a 29 dias. Os filhotes conservam-se no ninho até ao 35º dia de vida






    Descrição geral
    Apresenta uma coroa e um comprido bigode negros, parte inferior branca com densas garras transversais e o dorso cinzento-escuro. As asas são compridas e a cauda é curta. Tem o bico superior denteado, próprio dos falcões.

    É uma ave de médio porte, corpo compacto, pescoço curto e cabeça arredondada com grandes olhos negros. As penas das asas são rígidas e as restantes estão bem justas ao corpo, pelo que toda a sua fisionomia se encontra bem adaptada às suas performances de voo.

    Voa alto em círculos com batimentos rápidos e pouco profundos, às vezes com intervalos de voo planado. Mergulha em voo picado.

    É uma ave atrevida de voo rápido e firme que persegue sem descanso os patos selvagens, os pombos, as perdizes e toda a espécie de pássaros.

    Autêntica jóia viva da Natureza, o seu voo picado permite-lhe atingir velocidades inacessíveis a todos os outros seres vivos, e o simples vislumbre da sua característica silhueta recortada contra o azul do céu é suficiente para aterrorizar a maior parte das aves.

    Uma das suas estratégias de caça consiste em subir nas correntes de ar quente (térmicas) a grande altura, por vezes a mais de 1500 m em relação ao nível do solo, deixando-se então cair sobre a presa avistada, num ângulo mais ou menos pronunciado e por vezes em queda livre vertical, com as asas aerodinamicamente coladas ao corpo, e controlando magistralmente a sua velocidade quer abrandando ligeiramente com as asas entreabertas, quer acelerando ainda mais com a ajuda de curtos e rápidos batimentos das asas.

    Apesar de ser um caçador destemido, muito valorizado pelos falcoeiros, o falcão-peregrino nunca se defende de outras aves. O milhafre e outras aves de rapina muitas vezes esperam o falcão-peregrino matar uma vítima para tomar-lhe a presa.





    http://br.youtube.com/watch?v=m2nQPuxOZGg

  3. #3
    Gforum Veterano Avatar de Grunge
    Data de Ingresso
    Aug 2007
    Localização
    Brunoy,France
    Idade
    34
    Posts
    5.124

    Padrão Freira do Bugio

    Freira do Bugio



    Descrição geral

    MORFOLOGIA GERAL: Dorso, parte superior da asa e cabeça cinzento-escuro, garganta, faces e ventre brancos e superfície ventral da asa cinzenta escura com uma mancha central esbranquiçada. Mancha cinzenta escura sobre o olho e mancha supraciliar mais clara, pouco conspícuas. Não apresenta diferenças de plumagem relativas à classe etária. Em voo, plumagem difícil de distinguir da congénere madeirense Pterodroma madeira (Freira da Madeira).
    PESO (g) e DIMENSÕES (mm): Adulto Peso: 275-355 Comp. da asa: 258-282 Comp. bico: 27.0-31.0 Comp. tarso: 32.0-41.0
    DIMORFISMO SEXUAL: desconhecido.
    VOCALIZAÇÕES: actividade vocal aérea e nos ninhos, bastante intensa após o anoitecer, nomeadamente durante os períodos de acasalamento e escolha do ninho. As vocalizações têm um som característico, semelhante a um lamento, embora com diversas variações. LONGEVIDADE: desconhecida.

    Habitat

    Apenas vem a terra para nidificar, nos planaltos existentes no topo do Bugio, nas ilhas Desertas. Depende do meio marinho oceânico para se alimentar.

    Utilização do Espaço


    MOVIMENTOS MIGRATÓRIOS: desconhecidos, mas ausente das colónias durante o período não-reprodutor.

    Actividades/Hábitos

    Espécie colonial. Actividade aérea e vocal estritamente nocturna. A presença de aves na colónia durante o dia está associada à incubação e à alimentação dos juvenis, permanecendo as aves sempre dentro dos buracos.

    Alimentação

    Desconhecida com rigor, embora provavelmente associada a peixe, cefalópodes e crustáceos.

    Reprodução

    Maturação: desconhecida Nº de ovos/postura: 1 Época reprodutora: chegada à colónia - final Maio/Junho postura - Julho/Agosto eclosão - Setembro/Outubro partida dos juvenis - Dezembro/Janeiro

    Predadores/Competidores

    Desconhecidos, embora a predação pela população crescente de Gaivota-de-patas-amarelas, nidificante nas ilhas Desertas, seja considerada uma ameaça.

  4. #4
    Gforum Veterano Avatar de Grunge
    Data de Ingresso
    Aug 2007
    Localização
    Brunoy,France
    Idade
    34
    Posts
    5.124

    Padrão Freira-da-Madeira

    Freira-da-Madeira




    Descrição geral

    MORFOLOGIA EXTERNA: Dorso, parte superior da asa e cabeça cinzento escuros, "garganta", "faces" e ventre brancos e superfície ventral da asa cinzenta escura com uma mancha central esbranquiçada. Mancha cinzenta escura sobre o olho e mancha supraciliar mais clara pouco conspícuas. Em voo, é facilmente confundida com a Freira-do-Bugio (Pterodroma feae). DIMORFISMO SEXUAL: inexistente.
    PESO E DIMENSÕES: Peso - 175-231 g; Comp. da asa - 241-254 mm; Comp. do tarso - 29.5-38.0 mm; Comp. do bico - 22.0-26.0 mm.
    VOCALIZAÇÕES: actividade vocal aérea particularmente intensa após o anoitecer, nomeadamente durante os períodos de acasalamento e de escolha do ninho. Vocalizações nos ninhos também comuns. As vocalizações têm um som característico semelhante a um lamento, embora com diversas variações. LONGEVIDADE: desconhecida.

    Habitat

    Apenas vem a terra para nidificar nas escarpas inacessíveis das montanhas interiores da Ilha da Madeira. Nidifica em buracos que escava no solo. Depende do meio marinho oceânico para se alimentar.

    Utilização do Espaço

    Movimentos migratórios desconhecidos mas ausente das colónias durante o período não reprodutor.

    Actividades/Hábitos

    Espécie colonial. Actividade vocal e aérea estritamente. A presença de aves nas colónias durante o dia está associada à incubação e à alimentação dos juvenis, permanecendo as aves sempre dentro dos buracos.

    Alimentação

    Desconhecida com rigor, embora provavelmente associada a peixes, cefalópodes e crustáceos.

    Reprodução

    MATURAÇÃO: desconhecida.
    Nº OVOS/POSTURA: 1.
    ÉPOCA REPRODUTORA: chegada à colónia - Fevereiro/Março; postura - final de Maio; eclosão - Julho; partida dos juvenis - Setembro/Outubro.

    Predadores/Competidores

    Ratos e gatos selvagens predam intensamente os juvenis, durante o longo período de desenvolvimento no ninho e constituem actualmente uma forte ameaça à viabilidade da espécie.

  5. #5
    Gforum Iniciado
    Data de Ingresso
    Nov 2007
    Idade
    31
    Posts
    2

    Padrão

    boas... gostaria de saber se em portugal é permitido ter o falcão peregrino. já tentei pesquisar e não encontro nada especifico.

  6. #6
    AAJ
    AAJ está offline
    Sub-Administrador Avatar de AAJ
    Data de Ingresso
    Sep 2006
    Idade
    54
    Posts
    18.481

    Padrão

    Falaropo


    Falaropo é o nome comum dado às três espécies de aves caradriformes scolopacídeas classificadas no género Phalaropus.

    Os falaropos são aves de pequeno-médio porte, 15 a 25 cm de comprimento, com patas longas e dedos lobados. A cor da plumagem varia consoante a estação, sendo monótona em tons de cinza, preto e branco durante a maioria do ano, mas adquirindo cores mais vivas (castanho e avermelhado) durante a época de reprodução.



    Todos os falaropos são migratórios que se reproduzem a latitudes elevadas, migrando para Sul nos meses de Inverno, embora a sua distribuição geográfica varie consoante a espécie. Estas aves preferem habitats aquáticos, em zonas costeiras ou perto de lagos interiores, no caso do falaropo-de-wilson que se reproduz nos lagos salgados da América do Norte.

    Os falaropos alimentam-se de pequenos invertebrados aquáticos, incluindo plancton, moluscos e vermes. O grupo apresenta uma técnica única de alimentação: enquanto está à procura de comida em águas de pouca profundidade, o falaropo nada depressa em círculos fechados, de forma a provocar um pequeno remoinho na água. Pensa-se que a táctica tenha a vantagem de provocar a subida de potencial alimentos do fundo.

    Os hábitos de reprodução são uma característica distintiva deste grupo. Ao contrário da maioria das aves, são as fêmeas quem representa o papel activo na época de reprodução, lutando entre si pela posse dos machos e defendendo o território de nidificação das rivais. Após a postura, as fêmeas iniciam de imediato a migração para sul, deixando os machos para trás para tratar da incubação e cuidar das crias sozinhos. Também ao contrário da maioria das aves, o dimorfismo sexual dos falaropos é notório pelo facto de serem as fêmeas a apresentar maiores dimensões e plumagem mais colorida.

  7. #7
    AAJ
    AAJ está offline
    Sub-Administrador Avatar de AAJ
    Data de Ingresso
    Sep 2006
    Idade
    54
    Posts
    18.481

    Padrão

    Flamingo


    Origem
    O flamingo é uma ave pernalta e corpulenta de bico poderoso e beleza inconfundível, que pode ser observada em vários locais do território do Centro e Sul de Portugal. Pode ainda ser encontrado em todos os países do Sul da Europa e do Norte de África, bem com em alguns territórios mais a Oriente.

    As suas grandes patas são de cor rosácea, e as suas penas podem ser brancas ou cor de rosa, podendo por vezes atingir uma coloração quase laranja.

    Esta ave pode ser observada nos estuários dos rios Tejo, Sado, Arade e Guadiana, existindo também grandes bandos na Ria Formosa.

    Para poder observar estes animais, nunca deve aproximar-se muito, já que ao mínimo ruído começarão a correr, para ganhar velocidade, voando depois para zonas onde se sintam seguras.

    Os flamingos são aves migradoras, voam até ao norte de África, quando os dias arrefecem no sul da Europa, para voltarem na Primavera seguinte.

    Alimentação
    O flamingo alimenta-se de pequenos crustáceos, peixes e bivalves, razão pela qual procura as zonas onde a água tem pouca profundidade e as zonas de lama ou sapais.

    Reprodução
    As fêmeas fazem ninhos altos onde depositam dois ovos, que vão demorar cerca de 30 dias a eclodir.

    Tamanho e peso
    Os flamingos podem atingir os 1,3 m de altura e pesar cerca de


  8. #8
    Banido
    Data de Ingresso
    Jun 2010
    Posts
    5.090

    Padrão Fringilla e suas Sub- Espécies

    O tentilhão mesmo em território nacional tem aspectos de cõr diferentes ,já pra não falar das fantásticas cores nupciais mesmo até na cõr do bico que por essa altura passa de branco a azul ,começando pelas laminas e gradualmente vai subindo de forma a ficar com uma cõr fantástica e em cativeirio ficam tb com ests particularidade do bico ,dos fringilidios pra mim é a mais bonita na altura do cio .
    Desde verde ,azul pombo,branco ,pretos ,azul simples,castanho ,creme e amarelo torrado, cor de rosa ,é de facto um autentico festival de cores ,quanto ao seu canto ,isso é infindável e varia de zona pra zona


    Uma Estampa mesmo !!


    Fringilla coelebs ombriosa-Tentilhão comun

    Esta côr no peitaço ,nossa senhora!!


    Fringilla coelebs tintillon ou canariensis- Tentilhão das Canárias


    Este muito bonito ,pena é os cantares serem desfeitos .
    Fringilla coelebs africana-Tentilhão Africano

    Cores mais baças e não tão vivas ,mas os traços dizem tudo .
    Fringilla Coelebs Madeirensis-Tentilhão da Ilha da Madeira

    Muito bonito tambem
    Fringilla Alpino -Tentilhão Italiano

    [/left]
    Não sei se existe em mais alguma parte de Globo ,mas em Italia existe de certeza .
    Fringilla coelebs palmae-Tentilhão de Palma

    Fringilla Teydea-Tentilhão Azul Das ilhas Canárias ou Tentilhão de Teide

    Uma côr praticamente uniforme,espectaculo mesmo .
    Fringilla Montifringilla-Tentilhão Montês ou o tradicional tentilhão da Barbaria

    O único por meu conhecimento que não corre cantiga ,pimpilha e dá de boca
    E o mais facil de acasalar em cativeiro ,vale mesmo só pela boniteza .
    Junta-se aos bandos com os comuns ,são toleráveis fora do acasalamento .
    Existe ainda o Tentilhão da Neve e ,mais alguns que foram extintos pelo homem ,pela desflorestação e resultante destruição de Habitats
    A ver se encontro algumas fotos
    Bem ,nomes em latim e de vários paises é que não falta ;) :D
    Científico ;
    Fringilla
    Fringilla coelebs
    Fringilla coelebs
    Fringilla coelebs coelebs
    Fringilla coelebs africana
    Fringilla coelebs maderensis
    Fringilla coelebs spodiogenys
    Fringilla coelebs balearica
    Fringilla coelebs tintillon
    Fringilla coelebs tyrrhenica
    Fringilla coelebs solomkoi
    Fringilla coelebs caucasica
    Fringilla coelebs alexandrovi
    Fringilla coelebs transcaspia
    Fringilla coelebs syriaca
    Fringilla coelebs gengleri
    Fringilla coelebs sarda
    Fringilla coelebs canariensis
    Fringilla coelebs palmae
    Fringilla coelebs ombriosa
    Fringilla coelebs moreletti
    Fringilla coelebs schiebeli
    Fringilla teydea
    Fringilla teydea teydea
    Fringilla teydea polatzeki


    Outros sinónimos

    alemão: Buchfink
    inglês: Chaffinch, Hierro's chaffinch
    espanhol: Pinzón
    francês: Pinson des arbres
    Latim: Fringilla coelebs ombriosa
    Holandês: Vink
    Polonia: Zięba
    Italia: Fringuello
    Filandia: Peippo
    Hungria: Erdei pinty
    Suecia: Bofink
    Noruega: Bokfink
    Turquia: ispinoz
    Eslovaquia: pinka lesná
    LV: Žubite
    EE: Metsvint
    Isto agora tá mais moderno ,conhecia alguns ,mas assim tantos ... ... ...


















    ´Selos de todo o Mundo é que não falta ,só Tugas é que nestess hehehe!!

Permissões de Postagem

  • Você não pode iniciar novos tópicos
  • Você não pode enviar respostas
  • Você não pode enviar anexos
  • Você não pode editar suas mensagens
  •  

Já fez "Like" na nossa página do facebook?

Acompanhe todas as novidades.