Paleomastozoologia

A paleomastozoologia é a divisão da paleontologia dedicada ao estudo dos mamíferos.

Eles apareceram pela primeira vez no registro fóssil no Triássico, mas são o produto de uma linhagem evolutiva que se estende para o passado até a divisão entre os répteis SAUROPSIDA e os SYNAPSIDA, no Carbonífero.

As estruturas anatômicas que caracterizam os mamíferos evoluíram num padrão em mosaico ao longo do Permiano e Triássico. Já durante o período Triássico, os Cynodontia avançados (répteis Synapsida-Therapsida) apresentavam um mosaico de características reptilianas e mamaliformes. No cenozóico, também conhecido como a idade dos mamíferos, ocorre uma notável irradiação com a ocupação dos nichos deixados disponíveis pelos répteis.

Os mamíferos são definidos, entre outras características, pela presença de:

-Articulação craniomandibular formada pelos ossos dentários e esquamosal;
-Glândulas mamárias, sebáceas e sudoríparas;
-Pêlos em alguma fase da vida.

Os mamíferos são endotérmicos, capazes de regular a temperatura corporal através do metabolismo, o que os torna independentes da temperatura ambiental. Isso explica em parte o sucesso adaptativo do grupo.

A maioria dos mamíferos atuais (EUTHERIA-PLACENTARIA) apresenta condição vivípara, ou seja, o desenvolvimento do embrião se dá no interior do útero materno, sendo o intercâmbio entre a mãe e o feto realizado através da placenta.

Nos METATHERIA (marsupiais) o desenvolvimento se completa numa bolsa externa formada por uma dobra de pele chamada marsúpio ou bolsa marsupial. Correpondendo a um estágio mais primitivo estão os PROTOTHERIA (monotremados - ornitorrincos e eqüidnas), que são ovíparos, isto é, botam ovos.