Dificuldades com os pneus dificultaram a tarefa de Álvaro Parente durante a qualificação para a primeira corrida de Navarra da Superleague Formula by Sonangol, conseguindo ainda assim um bom sétimo lugar da grelha de partida.

O jovem do Porto chegou à qualificação apostado em lutar pelas posições cimeiras, depois de ter estado entre os mais rápidos durante as sessões de treinos livres, e no seu grupo de apuramento frisou esse desejo, revelando-se confortavelmente o piloto mais rápido do Grupo B, ao superiorizar-se a Craig Dolby por uns expressivos quase três décimos de segundo.

Porém, durante os quartos-de-final, onde teve como oponente Yelmer Buurman do AC Milan, o piloto do Futebol Clube do Porto sentiu problemas com os pneus do seu carro, o que o acabaram por atirar para um, ainda positivo, sétimo lugar da grelha de partida.

“Realizei com facilidade um bom tempo na fase de grupos, o que me deixava bastante confiante para a restante qualificação. Quando iniciei a minha volta dos quartos-de-final comecei a sentir um comportamento pouco consistente por parte dos pneus que provocou muita sobreviragem. Acabei por não poder atacar da forma como desejava, o que foi decisivo para que perdesse para o Buurman”, apontou Álvaro Parente.

Muito embora a qualificação não tenha corrida da forma como tinha planeado, o piloto do carro azul e branco sente que poderá ter uma palavra a dizer nas provas de amanhã, muito embora saiba que necessita de perceber, juntamente com a sua equipa, o que motivou o estranho comportamento dos pneumáticos.

“Vamos ter que analisar cuidadosamente a telemetria para entender o que se passa com os pneus que se degradaram desmesuradamente. Caso consigamos resolver este problema, penso que poderemos imiscuir-nos na luta pelas posições cimeiras, caso contrário, teremos uma prova muito complicada”, afirmou Álvaro Parente.

O Jogo