Um quadro de René Magritte é a estrela do leilão de arte surrealista que a Christie's de Londres prepara para a noite de quarta-feira, com obras de Salvador Dalí também em destaque.

A tela L aimant (O Íman) foi pintada em 1941 e é uma obra icónica de Magritte. A leiloeira espera conseguir pelo menos seis milhões de euros por esta obra proveniente de uma colecção privada suíça.

O quadro, com 130,5 por 89,5 centímetros, tem uma figura de mulher nua em pé, apoiada numa grande pedra, sobre um fundo azul de mar e céu parcialmente tapado por uma cortina vermelha.

A noite surrealista da Christie s propõe, entre outras, obras de Dalí, Miró, De Chirico, Max Ernst, Viktor Brauner, Francis Picabia, Yves Tanguy, Hans Arp, Paul Delvaux, André Masson, Óscar Domínguez e Roberto Matta.

Três obras de Dalí figuram neste leilão, entre as quais um estudo para o quadro O Mel é Mais Doce que o Sangue e uma grande tela intitulada Las Llamas, Llaman, de 1942.

O quadro desaparecido O Mel é Mais Doce do que o Sangue, de 1927, é supostamente inspirado na relação de Dalí com o poeta Federico García Lorca e dele só se conhece hoje o estudo que vai a leilão em Londres com um preço de 3,4 milhões de euros.

Las Llamas, Llaman, que vai à praça por 4,5 milhões de euros, foi pintado nos Estados Unidos, onde Dalí vivia então com a mulher.

Algum tempo antes de pintar este quadro, Dalí tinha sido objecto, com Joan Miró, de uma exposição no Museu de Arte Moderna de Nova Iorque (MOMA), a qual foi apresentada também noutras cidades norte-americanas. A fama que esta exposição lhe deu proporcionou-lhe convites para trabalhar em produções de bailado e cinema, nomeadamente de Alfred Hitchcock e Walt Disney.

O terceiro quadro de Dali é Port Lligat al Atardecer, e mostra o pequeno porto piscatório na Catalunha onde o pintor viveu nos anos 1930.

Lusa/SOL