O Iraque executou 257 pessoas condenadas à morte, das quais seis eram mulheres, desde Agosto de 2005, disse, hoje, quinta-feira, o vice-ministro da Justiça, Buchu Ibrahim.


"As execuções iniciaram-se em Agosto de 2005 e existem actualmente 37 condenados que podem ser executados dado a sua sentença ter sido aprovada pelo Conselho Presidencial", afirmou Buchu Ibrahim à agência noticiosa francesa AFP.

O vice-ministro da Justiça indicou, ainda, que os 251 homens e seis mulheres foram executados desde que o Iraque suspendeu a moratória sobre a pena de morte, imposta pelos norte-americanos, após a invasão em 2003, que originou a queda do regime de Saddam Hussein.

Segundo o responsável, em 2010 foram executadas 17 pessoas, menos 107 relativamente a 2009.

A pena de morte é aplicada em casos de assassínio, terrorismo, raptos, tráfico de droga e crimes contra a humanidade. As execuções são, geralmente, por enforcamento.

Segundo o ministro do Interior, Jawad al-Bolani, as prisões iraquianas contam com 835 condenados à morte que esperam a sua execução.

De acordo com o processo penal, um condenado à morte em primeira instância pode recorrer, sendo a sentença ratificada pela presidência iraquiana antes de ser realizada.

Na sequência do Dia Internacional dos Direitos Humanos, na sexta-feira passada, o chefe da missão da ONU no Iraque, Ad Melkert, apelou a Bagdade para abolir a pena capital.

Jornal de Notícias