O gerente do Millenium BCP de Gandarela de Basto envolveu-se em confrontos físicos com o dono de um café vizinho, individuo que trava com ele uma batalha jurídica por alegados desvios de dinheiro e cliente daquele banco. GNR apreendeu um taco de basebol.



Domingos Sousa tem batalha jurídica com gerente do BCP


Os dois indivíduos deverão ser, hoje, observados no Gabinete Médico-Legal de Guimarães mas a história não está de todo esclarecida. Ontem, cerca das 8.30 horas, o gerente da agência do Millienium BCP de Gandarela, envolveu-se com Domingos Sousa, 65 anos, conhecido por "Espanhol", dono do café com o mesmo nome que fica paredes meias com o banco.

Entre os dois há um diferendo que foi julgado em tribunal e em que o comerciante acusa o bancário de extorquir dinheiro durante vários anos. Conta Domingos que, fruto do bom relacionamento, e pelo facto de ser um bom cliente do banco, o gerente lhe terá pedido dinheiro.

"Pediu-me 6 mil euros para emprestar a uma senhora que ele conhecia. Assinei papéis de acções e de seguros e ele, sem que eu me apercebesse, começou a tirar-me dinheiro da conta", diz Domingos.

Houve um processo em tribunal mas tanto na primeira instância como no recurso para a Relação de Guimarães, a Domingos Sousa não foi dada razão. O ambiente entre ambos está tão extremado ao ponto de o comerciante acusar o gerente de "se rir" quando passa pelo café. "Enerva porque está a gozar comigo", acusa.

Há dias recebeu o acórdão e leu, a certa altura, que o gerente se teria aproveitado da sua debilidade devido à morte de um dos filhos num acidente. Essa situação terá pesado no seu sentimento e, ontem, abeirou-se do gerente, que chegava à agência. "Eu disse-lhe: ó ladrão, aproveitaste-te do meu falecido filho para me roubar?". Nessa altura, e quando já estavam muito próximos, o gerente terá ripostado e perguntado se ele tinha provas.

Domingos diz que ele lhe deu um murro na cara que lhe partiu os óculos. "Eu dei-lhe um estalo e amarrei-lhe a gravata. Ele foi ao banco do carro pegar num pau castanho e depois surgiu a minha mulher e o meu filho para separar".

O bancário, que não quis falar ao JN, apresentou queixa na GNR de Celorico de Basto com uma versão diferente. Diz que foi agredido pelo comerciante com um taco de basebol. A GNR apreendeu esse objecto que lhe foi entregue pelo gerente.

Jornal de Notícias