Em seis meses foram eliminadas 450 sucatas ilegais, das 780 existentes no país, revelou o secretário de Estado do Ambiente, Humberto Rosa, afirmando que, até ao final de 2009, serão erradicados os restantes depósitos de carros velhos.

Humberto Rosa considera que os números denotam «um caso de sucesso» que foi possível graças às medidas tomadas no sentido de intimar a retirada da sucata.

Nos casos em que não é cumprida a intimação, o governante explicou que é tomada a posse administrativa da sucata e, com a entidade gestora de resíduos em fim de vida – Valorcar - «conseguimos remover a sucata e fazê-la tratar devidamente».

Em declarações à TSF, o secretário de Estado falou ainda do programa de incentivo ao abate de carros, referindo que foi um sucesso, uma vez que se registou um aumento do número de carros reciclados, que passou de 6 600 em 2005 para a actual média de 80 mil.

Humberto Rosa mencionou as medidas que tornaram possível estes avanços, fazendo referência à «reforma do Imposto Único de Circulação, que passou a obrigar ao cancelamento da matrícula, a prova de que se entregou o veículo em fim de vida em destino adequado».

O governante fez alusão também às reformas no incentivo ao abate dos veículos em fim de vida.

Os números são para o Governo sinal de sucesso, todavia, a Quercus, na voz de Pedro Carteiro, lembra que ainda existem muitos operadores ilegais a trabalhar, sobretudo, os que laboram junto a estradas, o que significa «impostos que fogem ao Estado».

Pedro Carteiro reconheceu o esforço do Estado na eliminação das sucatas ilegais, mas pede ao Ministério do Ambiente uma maior abrangência territorial da Valorcar, nomeadamente na região do Alentejo, onde existe apenas um operador.



FC