Produtora de concerto de Madonna admite que 'bilhetes são caros'

A produtora Ritmos & Blues, responsável pelo concerto de Madonna, que se realiza, no domingo, em Coimbra, reconheceu hoje que os bilhetes são «caros» mas alegou que a responsabilidade da fixação dos preços é da produtora associada norte-americana.
«Nós, Ritmos & Blues, damos a mão à palmatória que, de facto, os preços eram caros para o nosso país.
Mas eles [a produtora Live Nation] é que mandam», disse aos jornalistas Nuno Braancamp, responsável da produtora portuguesa.
Na quinta-feira, em conferência de imprensa, a Ritmos & Blues disse esperar no domingo cerca de 40 mil espetadores no estádio Cidade de Coimbra, cuja lotação para o concerto - 45 mil lugares, a preços entre os 45 e 170 euros - não deverá esgotar.
Nuno Braancamp frisou que a responsabilidade da fixação dos preços dos bilhetes é do presidente da Live Nation, Arthur Fogel, e que a empresa norte-americana «manda» nos produtores locais.
«Ele é que decide, ele é que decide os preços que quer pôr e nós não temos voto na matéria», frisou.
Nuno Braancamp admitiu ainda que «é muito difícil» e «arriscado» fazer o concerto de Madonna, na altura de crise que o país atravessa, num ano em que há «tanta oferta» de concertos em vários pontos do país e o Rock in Rio, realizado em Lisboa.
«Mas já tínhamos feito todos os grandes artistas, só nos faltava fazer Madonna», afirmou.
O concerto da digressão de apresentação do novo álbum de Madonna, M.D.N.A, tem início marcado para as 20h00 de domingo, com uma duração prevista de cerca de duas horas.
Na primeira parte, atua o DJ francês Martin Solveig.
Este será o terceiro concerto de Madonna em Portugal, depois da passagem em 2004 pelo Pavilhão Atlântico e em 2008 pelo Parque da Bela Vista, ambos em Lisboa.

Fonte: Lusa/SOL