Lendas Sobre o Castelo do Deputado Edmar Moreira


Há alguns dias atrás estourou mais um escândalo nacional : descobriram que o deputado Edmar Moreira construiu um castelo com o dinheiro do povo . A obra encontra- se numa área rural de São João Nepocumeno , em Minas Gerais . O principal problema é que a construção não foi declarada no imposto de renda e nem para a Justiça Eleitoral . Sem falar que o deputado era Corregedor da Câmara mas acabou de ser afastado , pelo seu partido , por causa desta descoberta .
Porém curiosos mesmos são os causos e lendas que rolam sobre este palácio . Veremos algumas destas histórias abaixo :

A Idéia do Castelo Foi da Esposa

Diz a lenda que Júlia Moreira , esposa do deputado , ficou com inveja quando Elmar , irmão de seu marido , comprou a fazenda mais bonita da região . Então Júlia disse ao deputado :
- Se eles tem a melhor fazenda , eu quero um castelo .

O Castelo é do Demônio

O pastor Pedro , de uma igreja evangélica , analisou as fotos do castelo do deputado e concluiu :
- Este castelo é coisa do diabo !
Segundo este religioso , o palácio possui símbolos satânicos e foi inspirado no castelo do Conde Drácula que existe na Romênia .
O pastor ainda afirmou :
- Uma obra feita com o dinheiro do povo , realmente , não pode ser coisa de Deus !

Pedreiros Que Morreram Durante a Obra

Há alguns dias atrás surgiu na imprensa o boato de que vários pedreiros morreram , em acidentes , durante a construção desta obra nas décadas de oitenta e noventa e seus corpos , misteriosamente , sumiram . Alguns esotéricos afirmam que as almas destas pessoas estão presas no palácio .

Tesouro Escondido Em Passagens Secretas do Castelo

Também surgiram boatos que falam sobre a existência de tesouros que estão escondidos nas passagens secretas deste palácio .

Não sabemos se estas lendas são verdadeiras mas de algo temos certeza : este castelo deveria virar ponto turístico , sendo livre a entrada de pessoas , e no seu portão deveria ter um cartaz dizendo :
- Obra Feita Com o Dinheiro do Povo Brasileiro




Escrito por Luciana do Rocio, em 15-02-2009