As sinusites são a infecção dos seios paranasais, os espaços ocos situados nos ossos da face.
Na criança os sintomas são essencialmente nasais e tudo se pode resumir a uma “constipação” com corrimento e entupimento nasal, febre ligeira, que dura 10 dias ou mais ou então febre alta e corrimento nasal descolorido, com prostração acentuada.






Sinais e sintomas


Os seios paranasais são espaços ocos situados nos ossos da face, no interior das “maçãs do rosto” ( seios maxilares), na testa por cima dos olhos (seios frontais), na parte superior do nariz ( seios etmoidais) e na profundidade do nariz (seio esfenoidal). Contêm ar húmido. Os seios paranasais não aparecem todos na mesma idade. Os seios frontais só estão completamente formados pelos oito anos, e os seios maxilares, na 1ª infância, estão cheios com os dentes definitivos, só ficando completamente arejados com a descida destes, na idade da muda dos dentes. As sinusites são a infecção de um ou mais desses espaços. Podem ser agudas (infecções de instalação rápida, por vezes muito dolorosas e que se resolvem em menos de um mês), subagudas (cujos sintomas se arrastam até 4 meses) e crónicas ( que duram mais de 4 meses). A sintomatologia varia com a idade. Na criança os sintomas são essencialmente nasais e menos específicos que na criança mais velha ou adulto. Tudo se pode resumir a uma “constipação” com corrimento e entupimento nasal, febre ligeira, que dura 10 dias ou mais ou então febre alta e corrimento nasal descolorido, com prostração acentuada. Em caso de alergia concomitante, pode parecer um episódio de alergia nasal que não se resolve com a medicação habitual.
Na criança pequena, com sinusite subaguda ou crónica os sintomas arrastam-se mais de um mês e são: corrimento nasal, nariz entupido, tosse nocturna, ressonar e sono agitado.

Na criança grande (e adulto) os sintomas incluem dor à volta dos olhos (em borboleta), corrimento nasal amarelado ou esverdeado, dor de cabeça matinal e que aumenta quando a criança inclina a cabeça para a frente, vómitos de muco, etc.


Descrição


A sinusite pode ser causada por bactérias, vírus ou ambos. As bactérias mais frequentes são a Moraxela catarrhalis e estreptococus. De entre os vírus, temos os rinovírus, e os parainfluenza
A acção destes microorganismos é favorecida pela irritação da mucosa do nariz pela acção do fumo do tabaco, do cloro da água de piscinas, por má alimentação e por doença alérgica concomitante.


Duração

Sem tratamento ou com ele, se indicado, a maioria das crianças com um surto de sinusite curam em 2-3 semanas.


Contagiosidade


A sinusite não é contagiosa por si mesma. Contudo, a “constipação” que a precede, pode sê-lo.


Prevenção


Resume-se à modificação do ambiente em que vive a criança, para prevenir a disseminação dos agentes microbianos. Assim, se o ar ambiente da casa estiver muito seco, humidificá-lo. No inverno evitar o contacto com pessoas com infecção das vias respiratórias, especialmente na época de surtos gripais. Evitar o fumo do tabaco em casa. Evitar piscinas poluídas ou com muito cloro na água. Nas crianças alérgicas evitar quartos com paredes húmidas ou bolorentas.


Quando consultar o médico



Quando a criança sofrer de resfriado (constipação) há mais de 10 dias ou quando uma crise “alérgica” nasal não obedecer ao tratamento habitual. Consultar sempre que exista um ou mais destes sintomas :
Corrimento nasal amarelado ou esverdeado com sangue ou malcheiroso, dor à volta dos olhos ou nas bochechas, dor de cabeça de manhã que piora quando a criança se inclina para a frente.


Tratamento médico

O médico receitará antibióticos por um período que pode ir até 3 semanas. Se a criança é alérgica podem ser prescritos antihistamínicos e descongestionantes.


Tratamento em casa


Para alívio da dor facial devem aplicar-se compressas quentes ou saco de água quente sobre a zona dolorosa. Humidificar o ambiente do quarto. Cumprir a medicação prescrita pelo médico até ao fim, afim de evitar as recidivas.


Notas importantes


Há duas formas de sinusite que, pela sua gravidade, exigem internamento hospitalar imediato. Uma é a chamada “osteomielite maxilar aguda do lactente” e a outra a “etmoidite aguda da segunda infância”.
Se num lactente, para além de sintomas de “constipação” e febre alta, aparecer corrimento nasal unilateral, inchaço de uma região malar (vulgo bochecha) e inchaço da pálpebra inferior, contactar imediatamente o seu médico que promoverá a hospitalização do bebé.
Da mesma maneira se numa criança mais velha (2 a 8 anos) aparecerem corrimento nasal, febre, inchaço do angulo interno do olho e da pálpebra superior.
São situações raras, mas de prógnostico grave quanto à vida e quanto às sequelas tardias






In:clix.canalbebes