O amor na idade madura








O amor tem sido um tema que vem ocupando as mentes e os corações de milhões de pessoas em todos os tempos.

É ele que move a maioria dos romances, dos poemas, das peças teatrais, dos filmes, das músicas e porque não dizer a vida de todos nós.

Vivemos desde a nossa infância sonhando em encontrar o verdadeiro amor, aquela pessoa especial que realizará o nosso sonho de amar e ser amado. É um projeto simples e talvez, um dos mais difíceis de realizarmos.

Não que seja difícil amar ou encontrar o objeto de amor mas, muitas coisas podem acontecer que dificultam, adiam ou até, impedem os nossos desejos se realizarem.

Todos os adultos poderão lembrar das inúmeras paixões que tiveram ao longo de suas vidas e, como tudo que parecia tão perfeito se desfez ou virou um grande pesadelo.


Fica-se muito triste quando um amor é frustrado e precisamos esquecer de alguém. Para isto usamos inúmeros artifícios. Começamos a colocar muitos defeitos no ex-amado(a), procuramos substituí-lo(a), fazemos canções tipo "dor de cotovelo" ou pensamos em nunca mais voltar a amar.


Se a perda ou a conquista de um grande amor acontece durante a nossa juventude tudo parece, pelo menos ao olhar da comunidade em que vivemos como algo muito natural. Se os protagonistas são, no entanto, pessoas idosas as coisas parecem se complicar.

O preconceito em relação ao amor entre os idosos ou entre um idoso(a) e um jovem é ainda uma realidade no Brasil.

É raro sabermos deste tipo de relação amorosa sem fazermos algum comentário maldoso, do tipo "eles estão namorando porque ele é muito rico" ou ela está com ele porque "ele está carente e procura uma figura de mãe".



Amar na maturidade ou depois dos 60 anos, 65 anos em diante é um grande desafio para quem quer ainda namorar ou para aqueles poucos, que conseguiram ou gostariam de manter uma relação estável e mais duradoura.

Afinal, porque as coisa são tão mais difíceis na velhice. Os próprios idosos, na verdade, já não contam mais com esta possibilidade. Sentem - se "fora do mercado" dos namoros.

Acham que dificilmente encontrarão alguém para amar e evitam pensar nisto e, quando pensam ficam tristes.

Procuram relembrar os amores do passado os bons e belos momentos que viveram e acham, na maioria, que nunca mais terão a oportunidade de namorar novamente.



O que é possível para os idosos que gostariam ainda de encontrar alguém para amar? Vale a pena investirem e apostarem em uma nova possibilidade de relacionamento? Devem desistir e cuidarem apenas de viverem a suas rotinas de pessoas que já "se aposentaram para o amor"?


Infelizmente, não existe uma resposta geral que satisfaça a todas as pessoas e, que abranja todas as possibilidades dos relacionamentos amorosos.

O que sabemos é que o amor e uma companhia carinhosa é uma coisa muito boa, também na velhice. Temos a certeza que é muito difícil viver uma nova experiência afetiva na velhice.


No entanto, é impossível não lembrarmos da frase de Fernando Pessoa:


Tudo vale a pena quando a alma não é pequena.





Fonte:riototal