Alerta dado pela EMEA após morte de três pessoas


A Autoridade Nacional do Medicamento (Infarmed) decidiu retirar do mercado português o Raptiva, um fármaco utilizado no tratamento da psoríase, depois da Agência Europeia de Medicamentos (EMEA) ter anunciado que o fármaco foi responsável pela morte de duas pessoas.

O fármaco apresentava problemas de segurança tendo sido associado à incidência de leucoencefalotapia multifocal progressiva (LMP), uma doença cerebral rara.

Os dados da EMEA revelam que, entre Setembro de 2008 e Janeiro de 2009, foram detectados três casos de LMP em doentes medicados com o fármaco há mais de três anos.

O Infarmed garante que não há motivo para preocupações para os pacientes, no sentido em que existem outras alternativas no mercado. Por este motivo, a autoridade sublinha a importância de ser discutido com o médico especislista as terapêuticas mais indicadas a cada caso.




FC