Carlos Queirós, antigo seleccionador nacional, tece duras críticas à suspensão de um ano imposta a Ricardo Carvalho pela Federação Portuguesa de Futebol.

«É absolutamente inaceitável que os responsáveis da Federação castiguem o Ricardo Carvalho, perderam a autoridade moral para o fazer. Mais grave do que isso é perceber que o critério de castigo vise apenas pessoas de origem portuguesa, com uma folha de serviços ímpar ao serviço da Selecção Nacional», acusa Queirós, em declarações à RTP.

«Mas não se preocupam em tentar saber, até hoje, como é que um jogador de origem estrangeira como o Deco não foi castigado por aquilo que fez, apesar de o presidente [Gilberto Madail] ter dito que o ia castigar severamente», prossegue, em tom inflamado.

«Como até hoje continuo sem saber qual foi a lesão que esse jogador teve, que o impediu de jogar contra o Brasil», acrescenta.

Para Carlos Queirós, os actuais responsáveis da FPF «não têm autoridade moral para castigar Ricardo Carvalho», sobretudo, diz, «depois aquilo que se passou no Mundial, com jogadores que não são de origem portuguesa».

«Não ouvi, agora, a solidariedade de um determinado jogador que saltou logo a defender o Deco, não apareceu. Estou a referir-me a Pepe, naturalmente».

" A Bola "