Apesar de, no nosso mercado, as posições dominantes na recepção satélite doméstica incluirem também os 30° Oeste (posição onde estão colocados os satélites Hispasat, “sede” do cobiçado “bouquet” nacional da TV Cabo, único pacote digital especificamente destinado a Portugal), os entusiastas continuam a apostar também na recepção dos dois grupos de satélites com mais interesse mediático na transmissão de canais de TV para o continente europeu: Astra/19,2° Este e Hot Bird/13° Este.

E para concretizar esse desejo existem diversas maneiras:

* montar duas antenas, estando cada uma apontada para uma constelação;
* utilizar um sistema motorizado;
* ou então montar dois LNBs no local destinado ao alojamento do LNB...

O primeiro ponto é capaz de não ser o mais correcto, na medida em que utilizar duas antenas para a recepção de dois satélites cuja distância azimutal é de cerca de 6 graus pode ser, além de um exagero, acima de tudo um desperdício de espaço e de dinheiro.
A segunda hipótese é bastante viável, principalmente se o utilizador, além de pretender receber os dois satélites em questão, utilizar o seu sistema de posicionamento para a recepção dos restantes que se poderão encontrar distribuídos em todo o arco azimutal visível a partir do lugar onde se encontra, justificando deste modo o capital investido.
Resta ainda a terceira opção. Esta será possivelmente a mais correcta se o entusiasta pretender receber somente aquelas duas posições orbitais. Neste caso, se já tiver um sistema de recepção montado, será somente necessário adquirir um kit para a implementação de um segundo LNB, o qual normalmente consta da ferragem necessária para a montagem do segundo LBN, um LNB e um comutador DiSEqC 2.1, para poder comutar electronicamente de um satélite para outro a partir dos canais previamente memorizados relativos às duas locações orbitais no seu receptor.

Equipamento auxiliar

Este é um trabalho com uma classificação atribuída de pequena dificuldade. Esta montagem pode tornar-se ainda menos complicada se para a operação em causa se puder dispor de algum equipamento auxiliar de modo a facilitar a pesquisa e a orientação aos satélites para onde se irá apontar a antena. O equipamento de ajuda referenciado poderá ser, além de uma bússola, a qual embora não seja estritamente necessária poderá ser um preciosa ajuda no caso da situação “descambar”, um pequeno aparelho indicador da intensidade do sinal do satélite, o Satfinder ou preferencialmente, embora este tipo de aparelho seja usado maioritariamente por profissionais, um medidor de campo.
No entanto, se quem vai montar este sistema de recepção bi-satélite não puder socorrer-se de algum dos artefactos descritos, também não será por esse motivo que irá desistir, na medida em que em último caso poderá utilizar as indicações fornecidas pelo seu receptor, embora neste caso a tarefa se possa complicar um pouco, tornando-se um pouco mais trabalhosa e por conseguinte morosa.

Como proceder

Para uma solução deste tipo existem duas hipóteses: ou já se dispõe de um sistema de recepção apontado para um dos satélites referidos, ou então vai-se proceder a uma instalação de raiz...

1. Instalação já existente
Se a antena já está alinhada a um satélite, a colocação do segundo LNB será mais fácil. Um cuidado a ter é conservar a antena imóvel, isto é, se for possível, efectuar a colocação do kit para a instalação do 2º LNB sem alterar a posição da antena e por conseguinte o seu alinhamento ao satélite. Se for esse o caso, basta então remover o LNB com o respectivo suporte e montar novamente o conjunto acrescido do apoio para o segundo LNB, o qual será o apropriado para a recepção dos Astra+Hot Bird.
Como para o alinhamento não interessa qual o satélite para onde primeiramente a antena foi apontada, na medida em que se o apontamento inicial foi feito - por exemplo - para os Hot Bird o suporte para o segundo LNB e por conseguinte para a recepção dos Astra será colocado do lado esquerdo (olhando de frente para antena), com o declive da peça para cima; o caso contrário é verdadeiro se o alinhamento inicial foi para a constelação dos Astra.
Depois, será fazer correr o LNB montado no respectivo suporte na respectiva corrediça da peça que se acrescentou até se obter o sinal pretendido, maximizando-o, e depois fixar tudo de modo a que os ventos ou a chuva forte não influenciem nos respectivos ajustes.
Depois de tudo fixado, resta ligar os cabos provenientes de ambos os LNBs, assim como o cabo de transporte de sinal para o receptor ao comutador DiSEqC e, como ponto final, configurar o receptor para esta nova montagem e proceder à pesquisa de canais em ambos os satélites.

2. Nova instalação

Neste caso é uma instalação nova. O que requer uma actuação diferente da anterior.
Primeiro que tudo, deve procurar instalar-se o conjunto da antena e dos dois LNBs num local onde o acesso à frente da antena seja de certo modo fácil, com o intuito de quando se for ajustar o segundo LNB não seja necessário retirar a antena da sua posição. Se for o caso, então o primeiro passo será montar completamente a antena já com os dois LNBs nos respectivos suportes e com o LNB que se encontra colocado no suporte principal fazer o apontamento a um dos satélites, maximizar o sinal e de seguida prender bem a antena. De seguida procede-se ao alinhamento do segundo LNB, dentro dos moldes já descritos no capítulo anterior.
O caso mais aborrecido, e por esse motivo mais moroso e trabalhoso, é aquele em que para o ajuste do segundo LNB é necessário mover a antena do seu alinhamento inicial. Para este caso, pode haver duas soluções que implementadas poderão deste modo facilitar o trabalho: uma delas será utilizar dois cabos, cada um ligado ao seu LNB, de modo a poder seguir-se a pontaria do LNB principal ao satélite e com o segundo ligado ao segundo LNB para se poder seguir os ajustes efectuados; a outra será ligar ambos os LNBs ao comutador DiSEqC e, desde que esteja um receptor por perto, para efectuar as verificações atrás mencionadas, fazer a comutação electrónica entre um e o outro.
Embora seja uma tarefa um pouco mais difícil e trabalhosa, não é impossível de ser efectuada, pelo que, depois de finalizados os ajustes, deve-se proceder para a sua finalização como foi indicado no primeiro exemplo.

Na prática...

Depois da “conversa” teórica, e de modo a tentar reproduzir na prática o que foi dito acima para facilitar a tarefa aos nossos leitores interessados nesta temática, pusemos mãos à obra...
Para o nosso teste, dado o carácter experimental atendendo à facilidade de manuseamento que se pretendia necessária e como era para uma finalidade puramente didáctica, foi utilizada uma antena com diâmetro na ordem dos 60 centímetros. Foram ainda utilizados dois LNBs de figura de ruído de 0,6 dB, um comutador DiSEqC 2.1 e um adaptador para segundo LNB adquirido no mercado local. A escolha daqueles tipos de LNB foi feita de propósito, na tentativa de dificultar um pouco as condições de recepção de modo a poder aferir-se numa óptica diferente as diversas condições de recepção relativas a ambos os satélites.
Na recepção dos Astra, o C/N máximo que se obteve a partir da portadora com a frequência de 11568 V com boa iluminação para a zona onde residimos (Lisboa) foi de 10,5 dB com uma taxa de erros de 0. Nos Hot Bird os valores medidos a partir da portadora com a frequência de 10723 H, foi de 9,8 dB, igualmente com uma taxa de erros de 0.
Embora os apetrechos para a implementação de um segundo LNB tenham carácter universal, o certo é que se constatou que consoante o tipo e o modelo de antena as coisas não se passam de forma tão linear, tendo em alguns dos casos que se proceder a certos arranjos de momento.
A acompanhar este texto publicam-se algumas imagens da montagem, onde se pode verificar neste caso particular o que foi escrito acerca da “universalidade” dos adaptadores para segundo LNB.
Em futuras edições da Tele Satélite voltaremos a este tema tão do interesse de muitos leitores, com novos exemplos de recepção conjunta de outros satélites a partir de uma antena fixa, incluindo, se possível (desde que a elas possamos ter acesso), a análise a diversos tipos de antenas preparadas para a recepção de dois ou três satélites em simultâneo.