Página 1 de 2 12 ÚltimoÚltimo
Resultados 1 a 15 de 19

Tópico: Cactos

  1. #1
    Moderadora Global Avatar de Satpa
    Data de Ingresso
    Sep 2006
    Localização
    Portugal
    Idade
    50
    Posts
    9.439

    Arrow Cactos

    Cactos

    "Adaptados às condições severas dos meios de origem, estas plantas desenvolveram curiosas peculiaridades e produzem flores maravilhosas."


    Nota: Vou colocar aqui algumas espécies de cactos

    Retirado:Jardineiro.net
    Última edição por Satpa; 26-07-2008 às 10:05.

  2. #2
    Moderadora Global Avatar de Satpa
    Data de Ingresso
    Sep 2006
    Localização
    Portugal
    Idade
    50
    Posts
    9.439

    Arrow Cacto-candelabro

    Cacto-candelabro - Euphorbia ingens


    Cacto-candelabro, Euphorbia ingens, Euphorbia similis,

    * Nome Científico: Euphorbia ingens
    * Sinonímia: Euphorbia similis
    * Nome Popular: Cacto-candelabro
    * Família: Euphorbiaceae
    * Divisão: Angiospermae
    * Origem: África do Sul
    * Ciclo de Vida: Perene

    Parece um cacto, em muitos sentidos, de caule suculento, com espinhos e folhas reduzidas, esta planta é bem interessante. As sudivisões do seu caule, deram origem ao nome, pelo aspecto ramificado de candelabro. Fica muito bem em jardins de pedras, isolado ou com outras suculentas e cactáceas. Deve-se ter cuidado com crianças pequenas e animais de estimação pois além de espinhos esta planta tem a seiva tóxica.

    Devem ser cultivados a pleno sol, em solo fértil e bem drenável. O candelabro é uma planta muito tolerante à estiagem e ao frio.

  3. #3
    Moderadora Global Avatar de Satpa
    Data de Ingresso
    Sep 2006
    Localização
    Portugal
    Idade
    50
    Posts
    9.439

    Padrão

    Cacto-margarida - Lampranthus productus



    Cacto-margarida, Lampranthus productus, Mesembryanthemum productum,

    * Nome Científico: Lampranthus productus
    * Sinonímia: Mesembryanthemum productum
    * Nome Popular: Cacto-margarida
    * Família: Aizoaceae
    * Divisão: Angiospermae
    * Origem: África do Sul
    * Ciclo de Vida: Perene

    Suculenta rasteira e muito florífera, o cacto-margarida apresenta folhagem semelhante a das onze-horas. Suas flores formadas na primavera e verão são róseas e muito visitadas por abelhas. É uma planta versátil, podendo ser utilizada com forração, canteiros, maciços, bordaduras e em vasos, inclusive vasos suspensos, em que ela fica pendente.

    Devem ser cultivadas à pleno sol, em solo fértil, leve e com boa drenagem, regado a longos intervalos. Tolerante ao frio. Multiplica-se por estacas feitas após o florescimento.

  4. #4
    Moderadora Global Avatar de Satpa
    Data de Ingresso
    Sep 2006
    Localização
    Portugal
    Idade
    50
    Posts
    9.439

    Arrow Cadeira-de-sogra

    Cadeira-de-sogra - Echinocactus grusonii



    Cadeira-de-sogra, Echinocactus grusonii, , , cacto-bola, poltrona-de-sogra

    * Nome Científico: Echinocactus grusonii
    * Nome Popular: Cadeira-de-sogra, cacto-bola, poltrona-de-sogra
    * Família: Cactaceae
    * Divisão: Angiospermae
    * Origem: México
    * Ciclo de Vida: Perene

    Grande e redonda, a cadeira-de-sogra é originária do México e chega a medir 60 cm de diâmetro. Nesta planta, assim como em muias cactáceas não há folhas e o tronco é responsável pela fotossíntese. Os espinhos são longos e amarelados e seguem uma orientação radial, demarcando os sulcos profundos do caule da planta. Produz flores isoladas e grande de cor amarela.

    Jardins com inspiração desértica, no estilo mexicano e jardins de pedras são perfeitos para encaixar esta cadeira. Colecionadores de cactos costumam cultivá-la em vasos largos e rasos, com pedriscos. Deve ser cultivada em solo permeável, regado periodicamente, a pleno sol ou a meia-sombra. Não tolera o frio ou geadas. Multiplica-se por sementes.

  5. #5
    Moderadora Global Avatar de Satpa
    Data de Ingresso
    Sep 2006
    Localização
    Portugal
    Idade
    50
    Posts
    9.439

    Arrow Flor-da-fortuna

    Calanchoê / Flor-da-fortuna - Kalanchoe blossfeldiana



    Calanchoê, Kalanchoe blossfeldiana, Kalanchoe globulifera var coccinea, , Calancoê, Flor-da-fortuna, Calandiva, Kalandiva, Kalanchoê

    * Nome Científico: Kalanchoe blossfeldiana
    * Sinonímia: Kalanchoe globulifera var coccinea
    * Nome Popular: Calanchoê, Calancoê, Flor-da-fortuna, Calandiva, Kalandiva, Kalanchoê
    * Família: Crassulaceae
    * Divisão: Angiospermae
    * Origem: Madagascar
    * Ciclo de Vida: Perene

    Planta suculenta, de folhas com margens rendadas. O calanchoê tem um significado especial, considerada a flor-da-fortuna e da felicidade é muito presenteada entre amigos e parentes. Suas flores podem ser simples ou dobradas de muitas cores diferentes, com grande durabilidade. As variedades de flores dobradas são chamadas de Calandivas ou Kalandivas.

    Plantadas em vasos têm sua beleza exaltada, porém podem ser plantadas no jardim formando maciços e bordaduras, acrescentando um colorido original. Apesar de perene, deve ser tratada como anual por perder a beleza, salvo em algumas variedades.

    Devem ser cultivadas a pleno sol, em solo composto de terra de jardim e terra vegetal, bem drenável, com regas regulares. Tolerante ao frio.

  6. #6
    Moderadora Global Avatar de Satpa
    Data de Ingresso
    Sep 2006
    Localização
    Portugal
    Idade
    50
    Posts
    9.439

    Arrow Calanchoê-fantasma

    Calanchoê-fantasma - Kalanchoe fedtschenkoi



    Calanchoê-fantasma, Kalanchoe fedtschenkoi, , , Calanchoê

    * Nome Científico: Kalanchoe fedtschenkoi
    * Nome Popular: Calanchoê-fantasma, Calanchoê
    * Família: Crassulaceae
    * Divisão: Angiospermae
    * Origem: Madagascar
    * Ciclo de Vida: Perene

    Parente próxima do Calanchoê, o Calancoê-fantasma se diferencia principalmente pelas cores, que são naturalmente acinzentadas a acastanhadas. É um planta suculenta, de folhas carnosas com margens rendadas. Suas flores alaranjadas são viradas para baixo, como em um lustre e se formam durante os meses mais frios.

    Devido à sua coloração diferenciada destaca-se no jardim e forma contrastes interessantes com as outras plantas. Sua utilização paisagística é ampla, formando maciços e bordaduras ou compondo com jardins de pedra.

    Devem ser cultivadas a pleno sol, em solo composto de terra de jardim e terra vegetal, bem drenável, com regas regulares. Tolerante ao frio. Multiplica-se por estacas.

  7. #7
    Moderadora Global Avatar de Satpa
    Data de Ingresso
    Sep 2006
    Localização
    Portugal
    Idade
    50
    Posts
    9.439

    Arrow

    Corações-emaranhados - Ceropegia woodii



    Corações-emaranhados, Ceropegia woodii, Ceropegia linearis subsp. linearis, Ceropegia linearis subsp. woodii, Ceropegia barbertonensis, Ceropegia euryacme, Ceropegia schoenlandii,

    * Nome Científico: Ceropegia woodii
    * Sinonímia: Ceropegia linearis subsp. linearis, Ceropegia linearis subsp. woodii, Ceropegia barbertonensis, Ceropegia euryacme, Ceropegia schoenlandii
    * Nome Popular: Corações-emaranhados
    * Família: Asclepiadaceae
    * Divisão: Angiospermae
    * Origem: África do Sul, Zimbábue, Suazilândia
    * Ciclo de Vida: Perene

    É uma trepadeira pendente e muito delicada, de caule longo e arroxeado que pode alcançar de 2 a 4 metros de comprimento. Apresenta folhas suculentas, opostas, em formato de coração, de coloração verde-musgo, com um marmorizado prateado na página superior e arroxeadas na inferior. A floração é distribuída durante os meses quentes e as flores são em forma de um pequeno vaso, com corola rosada, e pétalas roxo-púrpura. Os frutos são pequenas vagens, com sementes achatadas, que caem facilmente quando maduras.

    Os corações emaranhados podem ser utilizados na decoração de ambientes internos ou em varandas. Ganham destaque especial se cultivados em grupos de cinco ou mais mudas, em vasos ou cestas suspensas, assim como jardineiras e floreiras colocadas em locais altos. Por não tolerar o sol quente do meio-dia, deve ser protegida neste horário. Se a planta estiver ao ar livre, pode atrair beija-flores. A manutenção desta suculenta se limita às regas e adubações mensais na primavera e verão.

    Deve ser cultivada sob meia sombra ou luz difusa (sombra), em substrato leve, drenável, enriquecido com matéria orgânica e irrigado a intervalos regulares. Não tolera o encharcamento, mas é capaz de passar por um período seco. As regas devem ser reduzidas no inverno, pois a planta entra em dormência. Aprecia o calor. Multiplica-se por estaquia, por mergulhia dos pequenos tubérculos produzidos na base das folhas e por sementes.

  8. #8
    Moderadora Global Avatar de Satpa
    Data de Ingresso
    Sep 2006
    Localização
    Portugal
    Idade
    50
    Posts
    9.439

    Arrow

    Coroa-de-frade - Melocactus zehntneri



    Coroa-de-frade, Melocactus zehntneri, Cactus zehntneri, , cabeça-de-frade

    * Nome Científico: Melocactus zehntneri
    * Sinonímia: Cactus zehntneri
    * Nome Popular: Coroa-de-frade, cabeça-de-frade
    * Família: Cactaceae
    * Divisão: Angiospermae
    * Origem: Brasil
    * Ciclo de Vida: Perene

    Pequeno e arredondado, este cacto tem um aspecto interessante. Suas flores são formadas no chapéu vermelho e cillíndrico sobre o tronco verde. Possui espinhos pontiagudos nas bordas dos gomos que formam o tronco. Nativo das regiões semi-áridas do nordeste, é pouco exigente quanto ao solo e à umidade.

    Devem ser cultivados em substrato composto de areia e terra de jardim, sempre a pleno sol, sendo intolerante ao frio. As regas ficam por conta das chuvas que, caso estejam em excesso, podemos protegê-lo até o tempo melhorar. Podem ser cultivados em vasos como planta isolada ou em composição com outras cactáceas e suculentas em terrário ou diretamente no jardim. Multiplica-se por sementes.

  9. #9
    Moderadora Global Avatar de Satpa
    Data de Ingresso
    Sep 2006
    Localização
    Portugal
    Idade
    50
    Posts
    9.439

    Arrow Echevéria - Echeveria sp

    Echevéria - Echeveria sp



    Echevéria, Echeveria sp, , , rosa-de-pedra, bola-de-neve-mexicana

    * Nome Científico: Echeveria sp
    * Nome Popular: Echevéria, rosa-de-pedra, bola-de-neve-mexicana
    * Família: Crassulaceae
    * Divisão: Angiospermae
    * Origem: México
    * Ciclo de Vida: Perene

    Um das mais suculentas mais populares, as echevérias ou rosas-de-pedra são nomes utilizados para um grande grupo de espécies do gênero Echeveria. Elas têm folhas de coloração verde, rosada ou acinzentada, espessas em forma de roseta. Produzem florezinhas róseas de feito ornamental secundário. Excelentes para jardins de pedras, compondo com outras suculentas, bromélias e cactáceas, as echevérias também ficam lindas em vasos e bordaduras.

    Devem ser cultivadas sempre a pleno sol, em solo composto de terra de jardim, terra vegetal e areia, bem drenável, com regas periódicas. Tolerantes ao frio subtropical. Multiplicam-se por estaquia das folhas suculentas e por separação das mudas laterais.

  10. #10
    Moderadora Global Avatar de Satpa
    Data de Ingresso
    Sep 2006
    Localização
    Portugal
    Idade
    50
    Posts
    9.439

    Arrow Flor-de-maio

    Flor-de-maio - Schlumbergera truncata



    Flor-de-maio, Schlumbergera truncata, Epiphyllum truncatum, Zygocactus truncatus, , cacto-de-natal, cacto-da-páscoa, flor-de-seda

    * Nome Científico: Schlumbergera truncata
    * Sinonímia: Epiphyllum truncatum, Zygocactus truncatus
    * Nome Popular: Flor-de-maio, cacto-de-natal, cacto-da-páscoa, flor-de-seda
    * Família: Cactaceae
    * Divisão: Angiospermae
    * Origem: Brasil
    * Ciclo de Vida: Perene

    Um dos cactos mais apreciados e difundidos, a flor-de-maio, floresce em pleno outono, o que lhe confere o nome de flor-de-natal no hemisfério norte. Por este motivo é bastante comercializado nestas época para presente. Seu caule é formado de várias partes (artículos) que podem ser destacados para formar novas plantas. A cada ano, após a floração, formam-se novos artículos que serão os responsáveis pela próxima florada. Suas flores delicadas, grandes e brilhantes, podem ser rosas, brancas, laranjas e vermelhas e atraem beija-flores.

    Deve ser cultivado em substrato para epífitas misturado à terra vegetal, regada periodicamente, à meia-sombra. Fica muito bem isolada em vasos ou em combinação com outras epífitas, sobre árvores e paredes preparadas.

  11. #11
    Moderadora Global Avatar de Satpa
    Data de Ingresso
    Sep 2006
    Localização
    Portugal
    Idade
    50
    Posts
    9.439

    Arrow Flor-estrela

    Flor-estrela - Stapelia hirsuta



    Flor-estrela, Stapelia hirsuta, Stapelia hirsuta var affinis, , estapélia

    * Nome Científico: Stapelia hirsuta
    * Sinonímia: Stapelia hirsuta var affinis
    * Nome Popular: Flor-estrela, estapélia
    * Família: Asclepiadaceae
    * Divisão: Angiospermae
    * Origem: África do Sul
    * Ciclo de Vida: Perene

    Apesar do aspecto, a flor-estrela não é uma cactácea. Seus ramos são projecções verdes e suculentas, como dedos, que apresentam quatro faces e uma linha serrilhada nos ângulos formados por estas faces. Os botões florais são de coloração verde-clara e apresentam a forma piramidal. Quando abertos revelam flores magníficas, grandes, vermelhas e em forma de estrela, com o centro e os bordos muito peludos. No entanto estas flores exalam odor desagradável que atrai as moscas, seus polinizadores, e os besouros. A floração se estende do final do verão ao outono.

    A flor-estrela é uma planta ideal para jardins-de-pedra, combinada com outras suculentas e cactos. Pode ser plantada em vasos e jardineiras também. Devem ser cultivadas sob sol pleno, em solo fértil, leve, bem drenável e enriquecido com matéria orgânica, com regas regulares. Tolera a sombra parcial e o frio subtropical. Em países de clima temperado necessita passar o inverno rigoroso em casas de vegetação. O replantio bianual dá novo vigor à planta. Multiplica-se por sementes, divisão da touceira e por estaquia das hastes suculentas.

  12. #12
    Moderadora Global Avatar de Satpa
    Data de Ingresso
    Sep 2006
    Localização
    Portugal
    Idade
    50
    Posts
    9.439

    Arrow Lithops

    Lithops - Lithops sp



    Lithops, Lithops sp, , , litops, pedra-viva, planta-pedra, cacto-pedra

    * Nome Científico: Lithops sp
    * Nome Popular: Lithops, litops, pedra-viva, planta-pedra, cacto-pedra
    * Família: Aizoaceae
    * Divisão: Angiospermae
    * Origem: África do Sul, Namíbia e Botsuana
    * Ciclo de Vida: Perene

    As plantas do gênero Lithops são pequenas e curiosas suculentas com aspecto de pedras, que têm o intuito de se camuflar no meio-ambiente. Por este motivo seu nome botânico é constituído pelas palavras "lithos", que em grego significa pedra, e "opsis" que significa parecido. Originária de regiões desérticas da África, esta plantas chamam a atenção pela sua anatomia botânica. Seu corpo de aspecto cônico e oblongo, é formado por apenas duas folhas unidas e suculentas, com a superfície plana ou arredondada.

    Estas folhas podem apresentar as mais diversas cores, verrugas, manchas, nervuras, estrias e inclusive "janelas" transparentes, para a entrada de luz no interior das folhas, otimizando a fotossíntese. Entre as folhas da Lithops há uma fissura de onde emerge a inflorescência durante o outono. Suas flores são quase sempre perfumadas, abrem-se à tarde e fecham ao pôr do sol, podem ser de cor amarela ou branca, com aspecto de margarida. Florescem a partir do terceiro ano após o plantio e anualmente "trocam de roupa", renovando o par de folhas. Após a floração produzem frutos com numerosas sementes.

    De crescimento lento, estas pequenas suculentas são um exercício a paciência e também muito valorizadas. Consideradas como "jóias raras" da natureza, elas alcançam altos preços e são muito visadas por colecionadores. As Lithops são um pouco exigentes, mas depois de dominar as suas necessidades não é tão complicado o seu cultivo. Pequenos jardins de pedra, em vasos largos, rasos e bem drenáveis, são ideais para o seu desenvolvimento e apreciação. Devem ser cultivadas sob meia sombra ou luz difusa, preferencialmente em ambientes internos, estufas ou em peitoris de janelas.

    É preciso estar atento ao seu comportamento, quando suas folhas ficarem muito projectadas e alongadas significa que estão em locais com pouca luminosidade. No entanto, em locais com sol forte elas queimam com facilidade. Quando estiverem enrugados, os Lithops estão precisando de irrigação com urgência. O substrato ideal para o seu cultivo é arenoso ou pedregoso, de textura leve e granulosa e com pouca capacidade de reter água, como uma mistura de areia, cascalho com um pouco de vermiculita e húmus. As regas devem ser esparsas, na primavera, verão e outono e suspensas durante o inverno. Não aprecia umidade, no solo ou no ar, assim como não temperaturas abaixo de 10°C. Multiplica-se por sementes e mais dificilmente por estaquia.

  13. #13
    Moderadora Global Avatar de Satpa
    Data de Ingresso
    Sep 2006
    Localização
    Portugal
    Idade
    50
    Posts
    9.439

    Arrow Orelha-de-coelho

    Orelha-de-coelho - Opuntia microdasys



    Orelha-de-coelho, Opuntia microdasys, Opuntia microdasys, , palma-brava, opúntia

    * Nome Científico: Opuntia microdasys
    * Sinonímia: Opuntia microdasys
    * Nome Popular: Orelha-de-coelho, palma-brava, opúntia
    * Família: Cactaceae
    * Divisão: Angiospermae
    * Origem: Brasil
    * Ciclo de Vida: Perene

    De aspecto mimoso, devemos ter cuidado com esta palma, seus espinhos amarelos ou brancos são bastante finos, doloridos e difíceis de remover. O tronco verde é dividido em partes (artículos) com muitos pontos equidistantes (espinhos em tufos). Forma flores amarelas, isoladas nos meses mais quentes.

    Pequenino, este cacto fica muito bonito se cultivado em vasos isoladamente ou em composição com outras cactáceas e suculentas. Deve ser plantado em substrato leve, com areia e regado periodicamente, sempre a pleno sol. Tolerante ao frio. Multiplica-se por estaquia dos artículos.

  14. #14
    Moderadora Global Avatar de Satpa
    Data de Ingresso
    Sep 2006
    Localização
    Portugal
    Idade
    50
    Posts
    9.439

    Arrow Rainha-da-noite

    Rainha-da-noite - Hylocereus undatus



    Rainha-da-noite, Hylocereus undatus, Cereus undatus, Cereus triangularis var aphyllus, Cereus triangularis var major, Cereus tricostatus, Cereus trigonus var guatemalensis, , dama-da-noite, pitaia-vermelha, pitaia, pitaia-vermelha-de-polpa-branca, cato-barse, cardo-ananaz, flor-da-lua


    * Nome Científico: Hylocereus undatus
    * Sinonímia: Cereus undatus, Cereus triangularis var aphyllus, Cereus triangularis var major, Cereus tricostatus, Cereus trigonus var guatemalensis
    * Nome Popular: Rainha-da-noite, dama-da-noite, pitaia-vermelha, pitaia, pitaia-vermelha-de-polpa-branca, cato-barse, cardo-ananaz, flor-da-lua
    * Família: Cactaceae
    * Divisão: Angiospermae
    * Origem: América Tropical
    * Ciclo de Vida: Perene

    Como o nome já diz, a rainha-da-noite abre suas belas flores brancas com centro amarelo somente ao escurecer e, apenas no verão. Além disso é um excelente porta-enxero para outras cactáceas. Pode ser plantada em vasos, ou entre fendas de pedras e árvores como epífita, onde se fixa através de suas raízes aéreas. Seus frutos saborosos e exóticos são muito procurados, apresentam polpa branca e casca rosa. Diz-se ainda que tem poderes medicinais.

    As rainhas-da-noite devem ser cultivadas a pleno sol ou meia-sombra, em substrato leve, próprio para epífitas e misturado com terra de jardim e matéria orgânica. Não aprecia o frio e deve ser regada periodicamente. Multiplica-se por sementes e estaquia.


  15. #15
    Moderadora Global Avatar de Satpa
    Data de Ingresso
    Sep 2006
    Localização
    Portugal
    Idade
    50
    Posts
    9.439

    Arrow Ripsális

    Ripsális - Rhipsalis baccifera



    Ripsális, Rhipsalis baccifera, Cassytha baccifera, Cactus parasiticus, Rhipsalis cassytha, , Cacto-macarrão

    * Nome Científico: Rhipsalis baccifera
    * Sinonímia: Cassytha baccifera, Cactus parasiticus, Rhipsalis cassytha
    * Nome Popular: Ripsális, Cacto-macarrão
    * Família: Cactaceae
    * Divisão: Angiospermae
    * Origem: Cosmopolita tropical
    * Ciclo de Vida: Perene

    Habitualmente observado em árvores antigas, inclusive nas grandes cidades, o ripsális é um cacto diferente. Exige cuidados parecidos com os das outras plantas epífitas. Verdinho, ele é uma ótima folhagem para composições com orquídeas, bromélias e samambaias. Seu caule é composto de várias partes (artículos) que se ramificam. Produz frutinhos redondos no verão que atraem os passarinhos.

    Deve ser cultivada em substrato para epífitas, em vasos, árvores e paredes de pedra, sempre à meia-sombra e regado a intervalos regulares. Tolerante ao frio. Multiplica-se por sementes e por estaquia.


    Jardineiro.net

Página 1 de 2 12 ÚltimoÚltimo

Tags para este Tópico

Permissões de Postagem

  • Você não pode iniciar novos tópicos
  • Você não pode enviar respostas
  • Você não pode enviar anexos
  • Você não pode editar suas mensagens
  •