Resultados 1 a 2 de 2

Tópico: COMO PREPARAR E ESTAR NUMA PROVA DE “Carp Fishing”

  1. #1
    Administrador Avatar de Fonsec@
    Data de Ingresso
    Sep 2006
    Localização
    always here
    Idade
    48
    Posts
    28.332
    Blog: Go Pro apresentou três novos modelos. Hero4 filma 4K a 30 fps

    Padrão COMO PREPARAR E ESTAR NUMA PROVA DE “Carp Fishing”

    Primeira abordagem da equipa:
    • Sabendo antecipadamente qual a barragem escolhida para a prova, é necessário que a equipa tenha alguma noção da forma como o peixe lá se movimenta, como come e do que gosta. Para isso, é necessário fazer antecipadamente 2 a 3 treinos de pesca no local e não ir para a prova, como se costuma dizer…“às escuras”.
    • Com essa experiência já se pode decidir preliminarmente como se irá pescar. Assim, faremos as perguntas:
    Ø Vamos pescar perto, a média ou longa distância?
    Ø Vamos usar engodagem ligeira ou engodagem massiva?
    Ø Vamos fazer engodagem precisa ou engodagem aleatória?
    Ø Vamos usar engodagem de sementes e bolas ou só bolas?
    Ø Vamos usar iscos isolados ou iscos concentrados?
    Ø Vamos usar iscos de bolas (densas, pop-ups) ou sementes?
    Ø Vamos usar bolas escuras ou bolas claras?
    Ø São adequadas as canas, os carretos, as linhas e IMPORTANTÍSSIMO, os anzóis?
    • Já se fez o “check-list” de tudo o que é necessário levar?
    Ø Material de pesca e acessórios;
    Ø Material de conforto e higiene pessoal;
    Ø Iscos e engodos suficientes;
    Ø Alimentação (comidas leves e bebidas s/álcool).
    (O uso do álcool em competição turva o raciocínio, desmotiva e indispõe para a vigília.)

    NOTA: - Os comentários que ouvimos dos outros carpistas relativamente à prova que se vai realizar merecem a importância que lhe quisermos dar porque nem todos serão com certeza bem intencionados. Por isso mesmo é importante termos as nossas próprias convicções e ideias sobre o “Carp Fishing” e naturalmente sobre a prova em si, baseadas em experiência feita.

    2. Depois de ultrapassadas estas preocupações, a equipa já pode concentrar-se nas técnicas centrais que irá usar na prova e deve fazê-lo com alguma antecedência.
    Após a chegada ao pesqueiro que calhou à equipa em sorteio, os concorrentes têm necessariamente de saber controlar a excitação para poderem analisar serenamente as possibilidades que o pesqueiro oferece. Assim, para além de uma boa e correcta disposição de todo o material no espaço da “box”, é necessário:

    · Fazer sondagem cuidada do plano de água à frente da “box” para melhor poder determinar a natureza e profundidade dos fundos – Nesta tarefa o concorrente deve estar concentrado e não deve distrair-se a olhar os outros concorrentes para ver o que estão a fazer. Marcar com uma baliza o local escolhido para a engodagem é fundamental. (Não esquecer que de noite a fisga só leva o engodo a 50 mt.).
    ·Não se importem de começar a pescar mais tarde que os outros concorrentes, porque com uma sondagem de fundos bem feita, mais tarde serão recompensados. (Notar que um pequeno espaço de fundo limpo apresenta muito melhor os iscos do que um espaço adjacente com lodo ou ervas, sendo este pormenor suficiente para o sucesso da pescaria).
    ·O Plano de engodagem (trabalho de casa) com os tipos, quantidades, horários e a forma de lançar os engodos feito como previamente estabelecido, deve ser cumprido na íntegra. Naturalmente reconheço que a pesca tem muito de intuitivo e caso seja necessário devem fazer-se alguns acertos ao plano.
    ·É importante gastar algum tempo a conferir as linhas dos carretos, a colocar “fio de arranque”, a fazer as montagens e a colocar os iscos no “cabelo”. Uma boa apresentação dos iscos é fundamental para uma boa pescaria.
    ·A precisão do lançamento é fundamental também para a colocação do isco no local previamente estipulado. Se o lançamento saiu mal deve repetir-se tantas vezes quantas o concorrente sinta que pode ficar descansado e seguro de que o isco fica no local preciso que determinou.

    NOTA: - É importante que os concorrentes estejam seguros de que têm na “box” todo o material que vão necessitar porque durante as provas de “Carp Fishing” não há lugar a reabastecimentos, excepção feita à alimentação.

    3.A Estratégia a adoptar será a previamente estabelecida com as variações próprias no decorrer da prova. Devem no entanto ser observados alguns princípios que passo a enumerar:
    ·Não se deixem influenciar pelos adversários mais próximos mas devem estar atentos aos seus comportamentos, os gestos, etc, para depois fazer … o contrário. Por exemplo:
    oSe todos os outros concorrentes pescarem longe, nunca hesitem em optar por pescar perto;
    oSe os outros usarem engodagem massiva optem por uma engodagem ligeira. É sempre bom começar com uma engodagem “ultra-ligeira” e ir observando o evoluir da pesca ou seja, fazer a pergunta a nós próprios; que tamanho de peixe é que eu estou a “chamar” com os meus engodos para o meu pesqueiro? - Note-se que depois de colocar muita quantidade de engodo no pesqueiro já não se pode tirar e assim ficamos reféns de uma má decisão.
    · Apostar no início da prova, sobretudo, nos sacos e fios solúveis para lançar os engodos.
    · Quando se engoda com bolas, usar dois tamanhos e sempre bolas frescas. No “cabelo” estará uma bola com aroma igual “aditivada” mas de tamanho inferior.
    ·Um isco isolado desfaz mais facilmente a desconfiança das carpas do que um isco colocado em cima de uma engodagem artificial;
    ·Não multiplicar os engodos nem os aromas, senão não saberão qual o aroma que as carpas preferem;
    · Lançar uma dezena de bolas à volta de cada montagem e preferir pequenos “rapples” em caso de toque ou captura;
    ·As bolas a iscar devem estar submersas em água para manter o nível de atracção das que estão no pesqueiro, excepto se usarem as aditivadas.
    ·Se pescarem com sementes devem engodar com sementes pequenas ( cânhamo, comida de pássaro, milho esmagado, etc.) e iscar com os iscos grossos ( nostrigrade, amendoim, tremoço, milho doce, fava, grão salgado, etc.)
    ·Para propulsar os engodos antes da colocação das linhas, devem usar o “bait-rocket” e o tubo “cobra”. Depois da colocação das linhas usar preferencialmente a fisga, o tubo “cobra”, os fios e sacos solúveis.
    NOTA: - Quanto mais a montagem está longe da berma da água, mais os peixes desconfiados se deixarão seduzir. Pescar longe em competição não é sucesso garantido, mas é uma grande ajuda.

    4.Depois da gizada a estratégia devem pescar o mais simples possível, assim:

    ·Optem por uma montagem dissimulada e simples. O uso do fluorocabono dá uma grande ajuda por ser pouco visível na água mas tem o inconveniente de ser muito rígido. É importante que as chumbadas fiquem dissimuladas com a cor semelhante ao fundo e as linhas devem estar “coladas” ao fundo com o uso dos “back leads”.
    · Guardem a calma necessária para o momento crucial – “a cana a apitar”. Não se esqueçam que a ferragem, o “trabalhar do peixe” até à borda de água e a sua captura é a razão pela qual ali estão. Tudo tem de estar em sintonia; Atleta, cana e carreto.
    ·As “desferragens” são sempre motivo de preocupação, sobretudo em competição, por isso mesmo, devemos rever todo o nosso trabalho. Mais de 10% de “desferragens” não é alarmante mas é sinal de que estamos a pescar mal.
    ·Devem ter sempre à mão o esquema de disposição dos engodos e dos iscos, assim como as anotações das horas das capturas, dos pesos, iscos e montagens usadas. O atleta fica mais descansado para qualquer falha de memória que surja.

    NOTAS FINAIS:
    - As provas de competição de “Carp Fishing” são muito exigentes (72 horas). Os atletas têm de estar bem preparados ao nível físico e emocional para poderem aceitar bem os resultados que o concurso ditou.
    - Se os resultados não forem positivos não desanimem continuem a treinar e a estudar a “mecânica” desta pesca.
    - A verdade de hoje não é a verdade de ontem, nem será forçosamente a de amanhã. – isto é o aliciante da pesca desportiva e que conta com tantos praticantes em todo o mundo.

    Original:Jorge Maia


  2. #2
    Gforum Veterano Avatar de C.S.I.
    Data de Ingresso
    Sep 2006
    Localização
    Algures no centro do País
    Posts
    6.029

    Padrão

    Citação Postado originalmente por Fonsec@ Ver Post
    Primeira abordagem da equipa:
    • Sabendo antecipadamente qual a barragem escolhida para a prova, é necessário que a equipa tenha alguma noção da forma como o peixe lá se movimenta, como come e do que gosta. Para isso, é necessário fazer antecipadamente 2 a 3 treinos de pesca no local e não ir para a prova, como se costuma dizer…“às escuras”.
    • Com essa experiência já se pode decidir preliminarmente como se irá pescar. Assim, faremos as perguntas:
    Ø Vamos pescar perto, a média ou longa distância?
    Ø Vamos usar engodagem ligeira ou engodagem massiva?
    Ø Vamos fazer engodagem precisa ou engodagem aleatória?
    Ø Vamos usar engodagem de sementes e bolas ou só bolas?
    Ø Vamos usar iscos isolados ou iscos concentrados?
    Ø Vamos usar iscos de bolas (densas, pop-ups) ou sementes?
    Ø Vamos usar bolas escuras ou bolas claras?
    Ø São adequadas as canas, os carretos, as linhas e IMPORTANTÍSSIMO, os anzóis?
    • Já se fez o “check-list” de tudo o que é necessário levar?
    Ø Material de pesca e acessórios;
    Ø Material de conforto e higiene pessoal;
    Ø Iscos e engodos suficientes;
    Ø Alimentação (comidas leves e bebidas s/álcool).
    (O uso do álcool em competição turva o raciocínio, desmotiva e indispõe para a vigília.)

    NOTA: - Os comentários que ouvimos dos outros carpistas relativamente à prova que se vai realizar merecem a importância que lhe quisermos dar porque nem todos serão com certeza bem intencionados. Por isso mesmo é importante termos as nossas próprias convicções e ideias sobre o “Carp Fishing” e naturalmente sobre a prova em si, baseadas em experiência feita.

    2. Depois de ultrapassadas estas preocupações, a equipa já pode concentrar-se nas técnicas centrais que irá usar na prova e deve fazê-lo com alguma antecedência.
    Após a chegada ao pesqueiro que calhou à equipa em sorteio, os concorrentes têm necessariamente de saber controlar a excitação para poderem analisar serenamente as possibilidades que o pesqueiro oferece. Assim, para além de uma boa e correcta disposição de todo o material no espaço da “box”, é necessário:

    · Fazer sondagem cuidada do plano de água à frente da “box” para melhor poder determinar a natureza e profundidade dos fundos – Nesta tarefa o concorrente deve estar concentrado e não deve distrair-se a olhar os outros concorrentes para ver o que estão a fazer. Marcar com uma baliza o local escolhido para a engodagem é fundamental. (Não esquecer que de noite a fisga só leva o engodo a 50 mt.).
    ·Não se importem de começar a pescar mais tarde que os outros concorrentes, porque com uma sondagem de fundos bem feita, mais tarde serão recompensados. (Notar que um pequeno espaço de fundo limpo apresenta muito melhor os iscos do que um espaço adjacente com lodo ou ervas, sendo este pormenor suficiente para o sucesso da pescaria).
    ·O Plano de engodagem (trabalho de casa) com os tipos, quantidades, horários e a forma de lançar os engodos feito como previamente estabelecido, deve ser cumprido na íntegra. Naturalmente reconheço que a pesca tem muito de intuitivo e caso seja necessário devem fazer-se alguns acertos ao plano.
    ·É importante gastar algum tempo a conferir as linhas dos carretos, a colocar “fio de arranque”, a fazer as montagens e a colocar os iscos no “cabelo”. Uma boa apresentação dos iscos é fundamental para uma boa pescaria.
    ·A precisão do lançamento é fundamental também para a colocação do isco no local previamente estipulado. Se o lançamento saiu mal deve repetir-se tantas vezes quantas o concorrente sinta que pode ficar descansado e seguro de que o isco fica no local preciso que determinou.

    NOTA: - É importante que os concorrentes estejam seguros de que têm na “box” todo o material que vão necessitar porque durante as provas de “Carp Fishing” não há lugar a reabastecimentos, excepção feita à alimentação.

    3.A Estratégia a adoptar será a previamente estabelecida com as variações próprias no decorrer da prova. Devem no entanto ser observados alguns princípios que passo a enumerar:
    ·Não se deixem influenciar pelos adversários mais próximos mas devem estar atentos aos seus comportamentos, os gestos, etc, para depois fazer … o contrário. Por exemplo:
    oSe todos os outros concorrentes pescarem longe, nunca hesitem em optar por pescar perto;
    oSe os outros usarem engodagem massiva optem por uma engodagem ligeira. É sempre bom começar com uma engodagem “ultra-ligeira” e ir observando o evoluir da pesca ou seja, fazer a pergunta a nós próprios; que tamanho de peixe é que eu estou a “chamar” com os meus engodos para o meu pesqueiro? - Note-se que depois de colocar muita quantidade de engodo no pesqueiro já não se pode tirar e assim ficamos reféns de uma má decisão.
    · Apostar no início da prova, sobretudo, nos sacos e fios solúveis para lançar os engodos.
    · Quando se engoda com bolas, usar dois tamanhos e sempre bolas frescas. No “cabelo” estará uma bola com aroma igual “aditivada” mas de tamanho inferior.
    ·Um isco isolado desfaz mais facilmente a desconfiança das carpas do que um isco colocado em cima de uma engodagem artificial;
    ·Não multiplicar os engodos nem os aromas, senão não saberão qual o aroma que as carpas preferem;
    · Lançar uma dezena de bolas à volta de cada montagem e preferir pequenos “rapples” em caso de toque ou captura;
    ·As bolas a iscar devem estar submersas em água para manter o nível de atracção das que estão no pesqueiro, excepto se usarem as aditivadas.
    ·Se pescarem com sementes devem engodar com sementes pequenas ( cânhamo, comida de pássaro, milho esmagado, etc.) e iscar com os iscos grossos ( nostrigrade, amendoim, tremoço, milho doce, fava, grão salgado, etc.)
    ·Para propulsar os engodos antes da colocação das linhas, devem usar o “bait-rocket” e o tubo “cobra”. Depois da colocação das linhas usar preferencialmente a fisga, o tubo “cobra”, os fios e sacos solúveis.
    NOTA: - Quanto mais a montagem está longe da berma da água, mais os peixes desconfiados se deixarão seduzir. Pescar longe em competição não é sucesso garantido, mas é uma grande ajuda.

    4.Depois da gizada a estratégia devem pescar o mais simples possível, assim:

    ·Optem por uma montagem dissimulada e simples. O uso do fluorocabono dá uma grande ajuda por ser pouco visível na água mas tem o inconveniente de ser muito rígido. É importante que as chumbadas fiquem dissimuladas com a cor semelhante ao fundo e as linhas devem estar “coladas” ao fundo com o uso dos “back leads”.
    · Guardem a calma necessária para o momento crucial – “a cana a apitar”. Não se esqueçam que a ferragem, o “trabalhar do peixe” até à borda de água e a sua captura é a razão pela qual ali estão. Tudo tem de estar em sintonia; Atleta, cana e carreto.
    ·As “desferragens” são sempre motivo de preocupação, sobretudo em competição, por isso mesmo, devemos rever todo o nosso trabalho. Mais de 10% de “desferragens” não é alarmante mas é sinal de que estamos a pescar mal.
    ·Devem ter sempre à mão o esquema de disposição dos engodos e dos iscos, assim como as anotações das horas das capturas, dos pesos, iscos e montagens usadas. O atleta fica mais descansado para qualquer falha de memória que surja.

    NOTAS FINAIS:
    - As provas de competição de “Carp Fishing” são muito exigentes (72 horas). Os atletas têm de estar bem preparados ao nível físico e emocional para poderem aceitar bem os resultados que o concurso ditou.
    - Se os resultados não forem positivos não desanimem continuem a treinar e a estudar a “mecânica” desta pesca.
    - A verdade de hoje não é a verdade de ontem, nem será forçosamente a de amanhã. – isto é o aliciante da pesca desportiva e que conta com tantos praticantes em todo o mundo.

    Original:Jorge Maia

    Depois desta lição que vai sobrar pra mim? parece-me que já disseste tudo, ou quase tudo. Esta pesca pra mim é muito cansativa, são muitas horas.
    Ainda a propósito daquela parte em que afirmavas que devemos fazer o contrário do parceiro do lado. Lembra-me uma vez, quando estava a pescar em Coruche (Sorraia) disputando a subida à 1ª. Divisão Nacional, o que não se verificou. Um colega ao lado, no meu sector, pescava junto à margem do outro lado, com bolas grandes de bichos colados. Eu optei por pescar a cerca de 15 metros, fisgando cânhamo e bichos, resultado, apesar dele verificar que eu estava a apanhar mais peixe, ele continuou lá no mesmo sitio, talvez pensando que mais tarde tiraria resultado superior ao meu. Infelizmente para ele a prova acabou e ele ficou muito aquém daquilo a que se propôs. Muitas vezes, a nossa opção pode não ser a melhor e devemos mudar antes de ficarmos irremediávelmente arredados dos primeiros lugares. Eu, na posição dele, ao aperceber-me que o meu parceiro estava a tirar melhor resultado que eu, mudaria logo para o tipo de pesca que ele estava a praticar. No entanto, continuava a engodar lá na frente, pois mais tarde poderia lá ir tirar dividendos.
    bom ano pra vocês.










    Marinheiro Radiotelegrafista de 13/04/1970 a 24/01/1975
    AZBox s700usb

Permissões de Postagem

  • Você não pode iniciar novos tópicos
  • Você não pode enviar respostas
  • Você não pode enviar anexos
  • Você não pode editar suas mensagens
  •  

Já fez "Like" na nossa página do facebook?

Acompanhe todas as novidades.