Página 5 de 19 PrimeiroPrimeiro ... 45615 ... ÚltimoÚltimo
Resultados 81 a 100 de 378
Like Tree1Likes

Tópico: Bolsa de Lisboa

  1. #81
    Sub-Administrador Avatar de florindo
    Data de Ingresso
    Oct 2006
    Localização
    Sempre por aqui
    Posts
    36.680

    Padrão BCP cai 3,5% e leva PSI-20 a perder mais de 1%

    06 Janeiro 2011


    Bolsa nacional acentuou a tendência de perdas e fechou a desvalorizar mais de 1%. O BCP caiu 3,5%, num dia em que os juros da dívida portuguesa superaram os 7%.
    O PSI-20 recuou 1,21% para 7.634,82 pontos, com 18 acções em queda, uma em alta e uma inalterada. Um dos factores que pressionou a bolsa foi a subida de quase 40 pontos base dos juros da dívida portuguesa, elevando para 7% a taxa das obrigações a 10 anos.
    Os juros da dívida acentuaram a subida momentos depois de o IGCP anunciar que vai emitir Obrigações do Tesouro na próxima quarta-feira.

    O BCP foi o título que mais penalizou o índice, ao perder 3,54% para 0,572%. Já o BES e o BPI caíram 1,75% para 2,80 euros e 1,66% para 1,36 euros, respectivamente.

    A banca tem sido um dos sectores mais penalizados devido à crise de dívida soberana, uma vez que o seu próprio acesso a financiamento tem sido condicionado. Os mercados fecharam-se para países como Portugal devido aos receios que os países entrassem em incumprimento. E a banca foi, e continua a ser, uma das mais afectadas.

    A tendência foi de quedas generalizadas, com a Portugal Telecom a recuar 1,38% para 8,294 euros, a Zon a descer 1,95% para 3,362 euros e a Sonaecom a recuar 1,99% para 1,33 euros.

    A única cotada que conseguiu valorizar foi a Portucel, ao avançar 1,37% para 2,372 euros. E a Inapa conseguiu escapar às quedas, fechando inalterada nos 0,377 euros.

    De resto, todos os títulos fecharam a desvalorizar.

    Entre os que mais pressionaram esteve também a Jerónimo Martins, que perdeu 1,17% para 11,85 euros.

    Jornal de Negócios

  2. #82
    Sub-Administrador Avatar de florindo
    Data de Ingresso
    Oct 2006
    Localização
    Sempre por aqui
    Posts
    36.680

    Padrão Banca em mínimos leva bolsa a cair mais de 3%

    07 Janeiro 2011

    A banca foi o sector que mais penalizou hoje a praça lisboeta, que registou a maior queda entre as congéneres do resto da Europa. BCP fixou mínimo histórico.
    A bolsa nacional encerrou em forte queda, pressionada pela banca, PT e Jerónimo Martins. Apenas uma cotada, a Semapa, conseguiu encerrar no verde. As restantes 19 caíram mais de 1%

    A banca é dos sectores que mais perde no Velho Continente, a recuar perto de 1%. Por cá, foi dos que mais penalizou, num dia de máximos históricos – acima dos 7% - dos juros da dívida portuguesa a 10 anos.

    A percepção sobre a dívida soberana de Portugal agravou-se, com os investidores a recearem os resultados do leilão de obrigações que Portugal vai realizar na próxima quarta-feira.

    O PSI-20 encerrou a ceder 3,02% para 7.404,21 pontos, com 19 cotadas em baixa. Mudaram de mãos 69,2 milhões de acções.

    Na banca, destaque para os mínimos históricos do BCP. A entidade financeira liderada por Carlos Santos Ferreira afundou 5,59% para 54 cêntimos.

    Os restantes bancos que integram o índice de referência nacional acompanharam a tendência de baixa, tendo negociado em mínimos de mais de 12 meses. O BES resvalou 5,25% para 2,653 euros e o BPI desvalorizou 3,31% para 1,315 euros.

    A cotada que mais pressionou a bolsa nacional foi a Portugal Telecom. A operadora liderada por Zeinal Bava cedeu 3,35% para 8,016 euros.

    Entre os títulos que mais penalizaram a praça lisboeta esteve também a Jerónimo Martins, a corrigir dos fortes ganhos recentes. A dona do Pingo Doce caiu 2,83% para 11,515 euros.

    Além das duas quedas superiores a 5%, na banca, houve quatro cotadas a recuar mais de 4%: Zon Multimédia, Sonaecom, Mota-Engil e Sonae Indústria. A desvalorizar mais de 3%, além da PT e BPI estiveram a Sonae e EDP Renováveis. Todas as restantes caíram entre 1,33% e 2,94%.

    Excepção para a Semapa, que conseguiu fechar a ganhar 0,12% para 8,453 euros.

    As restantes bolsas do Velho Continente seguem mistas, com as praças irlandesa e grega em alta e as restantes a ceder terreno.

    Jornal de Negócios

  3. #83
    Sub-Administrador Avatar de florindo
    Data de Ingresso
    Oct 2006
    Localização
    Sempre por aqui
    Posts
    36.680

    Padrão Receios com intervenção externa levam bolsa para mínimos de Julho

    10 Janeiro 2011

    A bolsa portuguesa fechou em queda pela quarta sessão consecutiva, com os investidores a descontarem a possibilidade de Portugal ter que recorrer a ajuda externa. Acções do sector bancário foram as mais castigadas.
    A bolsa portuguesa fechou em queda acentuada, penalizada pela quase totalidade das cotadas, com especial incidência do sector bancário.

    No quarto dia consecutivo em queda, o PSI-20 fechou a descer 1,6% para 7.285,87 pontos, o valor de fecho mais baixo desde 25 de Agosto. Ao longo da sessão o índice português chegou a cair mais de 2% até aos 7.202,59 pontos um mínimo intra-diário desde 22 de Julho. No acumulado do ano o PSI-20 está agora a recuar 4,06%.

    Nas restantes praças europeias o dia também foi de quedas superiores a 1%, com os investidores a temerem o agravar da crise de dívida soberana na Europa, depois da imprensa internacional ter noticiado no fim-de-semana que França e Alemanha querem que Portugal recorra ao fundo de emergência para travar o contágio a outros países do euro.

    As notícias, que não citavam fontes, foram já negadas pelas partes envolvidas, o que não impediu os juros da dívida portuguesa de atingirem novos recordes esta manhã. Contudo, depois do BCE ter comprado obrigações portuguesas no mercado, a “yield” dos títulos a 10 anos corrigiram e estão agora abaixo da barreira dos 7%.

    A queda na bolsa portuguesa foi quase generalizada – entre as 20 acções do PSI-20, 18 fecharam a cair – mas teve maior incidência no sector financeiro, que na sexta-feira já tinha descido para mínimos de mais de uma década.

    O Banco Espírito Santo foi o mais castigado da sessão, com uma queda de 5,88% para 2,497 euros, tendo fixado um mínimo de 15 anos nos 2,475 euros. O BPI desceu 4,41% para 1,257 euros e atingiu um mínimo de 14 anos nos 1,246 euros, enquanto o BCP desvalorizou 3,15% para 0,523 euros, tendo fixado um novo mínimo histórico nos 0,505 euros.

    "A banca portuguesa está a ser prejudicada pelo ambiente macroeconómico, marcado pelas dúvidas sobre a capacidade, ou falta dela, para o Estado se financiar", disse hoje à agência Lusa um analista que pediu para não ser identificado, frisando que "os juros da dívida pública acima dos 7% reforçam a possibilidade de ter de haver um pedido de ajuda externa".

    Os três maiores bancos privados portugueses perderam mais de um quinto do valor de mercado face aos máximos históricos a que chegaram no Verão de 2007. Mais de 30 mil milhões de euros fugiram ao capital de BES, BPI e BCP.

    Também a pressionar a praça portuguesa, a EDP recuou 1,55% para 2,473 euros e a Jerónimo Martins desceu 1,87% para 11,30 euros, apesar do HSBC ter elevado o preço-alvo da empresa de 12,50 para 14,50 euros.

    A Altri registou a queda de maior dimensão, com uma desvalorização de 7% para 3,163 euros. Seguiu-se a Zon Multimédia, que cedeu 5,65% para 3,0125 euros.

    A PT escapou à razia que atingiu as restantes cotadas e atenuou a queda do índice. As acções subiram 2,27% para 8,198 euros, depois do Berenberg ter revisto em alta a recomendação da operadora de "vender" para "manter", com um preço-alvo de 8,90 euros.

    Jornal de Negócios

  4. #84
    Sub-Administrador Avatar de florindo
    Data de Ingresso
    Oct 2006
    Localização
    Sempre por aqui
    Posts
    36.680

    Padrão BCP e Zon disparam em dia de fortes ganhos na Bolsa portuguesa

    11 Janeiro 2011

    O PSI-20 apreciou pela primeira vez em cinco sessões impulsionado essencialmente pelo BCP que disparou mais de 5%. O dia foi, aliás, de ganhos generalizados - a Zon subiu mais de 9% - perante a expectativa de que o Governo vai registar um défice abaixo dos 7,3% este ano.
    O índice PSI-20 valorizou 2,40% para 7.460,62 pontos, com as 20 cotadas que o constituem a negociarem em alta. Entre as principais praças europeias a tendência também é positiva, com o índice de referência para a Europa, Stoxx 600, a progredir 1,27% para 282 pontos.

    A animar a sessão europeia esteve a notícia de que o Japão vai utilizar as reservas que detém em euros para comprar dívida soberana europeia.

    Por cá, a perspectiva de que o Governo vai apresentar um défice orçamental inferior a 7,3% do PIB e a acalmia nos juros da dívida pública, depois da compra de compras pelo Banco Central Europeu, animaram a bolsa.

    O BCP foi o título que mais impulsionou, ao subir 5,16% para 0,55 euros, uma tendência partilhada pelo restante sector, ainda que com ganhos menos acentuados. O BES somou 1,96% para 2,546 euros e o BPI ganhou 3,34% para 1,299 euros.

    O sector bancário tem sido dos mais afectados com a crise de dívida soberana, já que tem tido dificuldades em se financiar nos mercados internacionais. O BCP acumulou uma perda superior a 12% nas quatro sessões que terminaram ontem.


    A Portugal Telecom também foi determinante para a tendência do PSI-20. A operadora somou 1,13% para os 8,41 euros, no dia em que saiu uma nota de recomendação do Goldman Sachs, que manteve as suas estimativas inalteradas para cotada e reduziu o preço-alvo de 10,80 euros para 9,80 euros, de forma a reflectir a distribuição do dividendo extraordinário. A recomendação é “neutral”.

    No restante sector das telecomunicações, a Sonaecom valorizou 4,01% para 1,278 euros e a Zon Multimédia disparou 9,75% para 3,32 euros.

    Destacou-se ainda a petrolífera Galp Energia, que valorizou 1,13% para 14,30 euros. A notícia de que o acordo para a venda da participação da Eni à Petrobras estará a ser terminado é considerada “positiva” a potencialmente positiva” pelos analistas. Os especialistas do Banif dizem que se esta operação estiver terminada antes da próxima Assembleia-Geral de accionistas, a reunião poderá focar-se mais sobre a estratégia da petrolífera.

    No sector energético, a Energias de Portugal avançou 1,25% para os 2,504 euros e a EDP Renováveis apreciou 1,69% para os 4,27 euros.

    Jornal de Negócios

  5. #85
    Sub-Administrador Avatar de florindo
    Data de Ingresso
    Oct 2006
    Localização
    Sempre por aqui
    Posts
    36.680

    Padrão BCP e BES sobem mais de 5% e impulsionam bolsa nacional

    12 Janeiro 2011

    O sector bancário foi um dos mais beneficiados com a emissão de dívida portuguesa realizada esta manhã. Mas o optimismo atingiu todas as cotadas do PSI-20, à excepção da PT, e mesmo o mercado da vizinha Espanha, que fechou a subir mais de 5%.
    A emissão de dívida soberana com maturidade a quatro e 10 anos realizada esta manhã foi considerada um "sucesso" pelo Governo português. Foram colocados 599 milhões de euros na emissão de prazo mais longo, que registou um aumento da procura e descida dos juros face à emissão de Novembro.

    Após a emissão, os mercados bolsistas europeus, em especial Portugal, Espanha e Grécia, puderam respirar de alívio e acentuaram os ganhos que registaram no início da sessão.

    Espanha e Grécia subiram mais de 5%, enquanto o mercado nacional subiu 2,59% para os 7,653,96 pontos, e já regista um balanço positivo desde o início do ano.

    Das 20 cotadas, 19 fecharam em terreno positivo e destas cinco subiram mais de 1%, seis mais de 3%, duas mais de 4% e duas mais 5%.

    As cotadas que mais subiram foram o Banco Espírito Santo (BES) e o Banco Comercial Português, com valorizações de 5,81% e 5,45%, respectivamente. O BCP fechou o dia a valer 58 cêntimos e transaccionou perto de 39 milhões de acções.

    Ainda no sector bancário, o Banco BPI avançou 4,62% para os 1,359 euros. Além do BPI, também a EDP Renováveis fechou o dia a valorizar mais de 4% e a negociar nos 4,48 euros.

    No sector energético, a EDP avançou 3,83% para os 2,60 euros e a REN avançou 0,60% para os 2,51 euros.

    A subir mais de 3%, fecharam ainda os títulos da Brisa e da Mota-Engil, que fecharam a sessão a valer 5,30 e 1,762 euros.

    A única cotada que fechou a sessão em terreno negativo foi a Portugal Telecom. A operadora caiu 0,38% para os 8,378 euros e contrariou o sentimento do sector.

    A Zon Multimédia avançou 0,90% para os 3,35 euros e a Sonaecom valorizou 1,62% para os 1,318 euros.

    Jornal de Negócios

  6. #86
    Sub-Administrador Avatar de florindo
    Data de Ingresso
    Oct 2006
    Localização
    Sempre por aqui
    Posts
    36.680

    Padrão Portugal Telecom e Galp Energia impulsionam bolsa nacional

    13 Janeiro 2011

    O PSI-20 voltou a encerrar em terreno positivo impulsionado pelos títulos da Portugal Telecom e da Galp Energia.
    O principal índice da bolsa nacional avançou 0,37% para os 7.682,02 pontos, após ter fechado a sessão de ontem a valorizar mais de 2%, a beneficiar da emissão de dívida portuguesa. Esta é assim a terceira sessão consecutiva de ganhos e o PSI-20 acumula uma valorização de 1,2% desde o início do ano.

    Esta emissão de dívida foi considerada um "sucesso" pelo Governo português e os mercados bolsistas europeus, em especial Portugal, Espanha e Grécia, respiraram de alívio e fecharam o dia em forte alta.

    Hoje foi a vez do Tesouro espanhol ter vendido a totalidade dos três mil milhões de euros em dívida a cinco anos, com a procura a ser superior ao dobro do montante oferecido. O juro médio subiu para 4,542%.

    A subida do juro não afectou, no entanto, o optimismo na bolsa espanhola, que fechou em alta pela terceira sessão consecutiva, a subir 2,75%, e acumula já uma valorização muito próxima dos 10% desde terça-feira.

    PT e Galp impulsionam PSI-20

    Na bolsa nacional foram os títulos Portugal Telecom e da Galp Energia que mais impulsionaram o PSI-20. A operadora subiu 1,43% para os 8,498 euros.

    O Santander reduziu o preço-alvo da Portugal Telecom de 11,80 euros para 10,30 euros, de forma a reflectir a distribuição de um dividendo extraordinário de um euro por acção.

    O banco de investimento considera que o mercado está a incorporar um destruição de valor de 2,9 mil milhões de euros na Portugal Telecom e recomenda "comprar" os seus títulos.

    Já a Galp Energia avançou 0,83% para os 14,56 euros, numa altura em que o preço do petróleo negoceia muito próximo dos 100 dólares por barril.

    O sector bancário, um dos mais beneficiados pela emissão de dívida realizada ontem pelo Estado português, voltou a fechar em terreno positivo mas ganhos bem mais modestos. O BCP avançou 0,52% para os 0,583 euros, com mais de 31 milhões de títulos negociados, o BES subiu 0,59% para os 2,71 euros e o BPI valorizou 0,96% para os 1,372 euros.

    A Brisa e a Mota-Engil foram os títulos do PSI-20 que mais subiram, ao valorizarem 1,74% e 1,59%, respectivamente.

    A impedir maiores ganhos estiveram as acções da Jerónimo Martins e da Zon Multmédia. A retalhista perdeu 1,06% para os 11,65 euros e a dona da TV Cabo caiu 1,22% para os 3,309 euros.

    No sector da energia, a tendência foi mista. A EDP avançou 0,38% para os 2,61 euros, enquanto a EDP Renováveis perdeu 1,34% para os 4,42 euros.

    Jornal de Negócios

  7. #87
    Sub-Administrador Avatar de florindo
    Data de Ingresso
    Oct 2006
    Localização
    Sempre por aqui
    Posts
    36.680

    Padrão Fortes quedas da JM e da PT pressionam bolsa nacional

    14 Janeiro 2011

    O PSI-20 fechou última sessão da semana em terreno negativo pressionado pela Jerónimo Martins e pela Portugal Telecom, que perderam mais de 2%. O balanço da semana é, ainda assim, positivo, com a Mota-Engil a destacar-se das restantes cotadas.
    O principal índice da bolsa nacional caiu 1,31% para os 7.581,40 pontos, com 18 títulos em queda e dois em alta, Mota-Engil e EDP.

    Ainda assim, o balanço da semana é positivo para o mercado português. O PSI-20 subiu em três das cinco sessões impulsionado pela emissão de dívida portuguesa realizada na terça-feira. No conjunto dos cinco dias, a bolsa nacional valorizou 2,39%.

    Na sessão de hoje, o PSI-20 foi pressionado pelos títulos da Portugal Telecom, que foi a cotada que mais caiu. A operadora perdeu 3,38% e fechou a valer 8,211 euros.

    A PT registou uma valorização semanal de 2,43%, devido aos fortes ganhos registados nas primeiras duas sessões da semana.

    Numa nota de análise emitida hoje o Bank of America Merrill Lynch acredita que as acções da PT vão continuar voláteis nos próximos meses, devido à situação macroeconómica do país, que deverá ter que recorrer a ajuda externa para se financiar.

    O Bank of América Merrill Lynch reviu ainda em baixa o preço-alvo da operadora de 11,60 para 10,60 euros, de forma a ajustar ao pagamento do dividendo extraordinário de 1 euro efectuado no final do ano passado, e manteve-se a recomendação de “comprar”.

    Além da PT, também a Brisa fechou o dia perder mais de 3% e a negociar nos 5,22 euros, tendo sido uma das cotadas que mais penalizou o PSI-20.

    Já a Jerónimo Martins caiu 2,32% para os 11,38 euros, tendo sido uma das poucas cotadas com saldo semanal negativo. A retalhista registou uma queda semanal de 1,17%.

    No sector bancário, a tendência da sessão foi negativa mas o saldo da semana foi positivo devido aos fortes ganhos registados durante a semana após a emissão de dívida portuguesa.

    A emissão de dívida soberana com maturidade a quatro e 10 anos realizada quarta-feira foi considerada um “sucesso” pelo Governo português. Foram colocados 599 milhões de euros na emissão de prazo mais longo, que registou um aumento da procura e descida dos juros face à emissão de Novembro.

    O BCP fechou a semana com um ganho de 5,37% mas na sessão de hoje caiu 2,40% para os 0,569 euros e mais de 18 milhões de títulos negociados.

    O BES recuou 1,03% para os 2,682 euros, enquanto o BPI desvalorizou 1,38% para os 1,353 euros.

    EDP e Mota-Engil em alta

    A EDP e a Mota-Engil foram as únicas cotadas em alta na sessão de hoje. A eléctrica subiu 1,69% para os 2,654 euros e a construtora subiu 3,58% para os 1,854 euros.

    A empresa liderada por Jorge Coelho liderou os ganhos semanais, ao valorizar 10,36%.

    Jornal de Negócios

  8. #88
    Sub-Administrador Avatar de florindo
    Data de Ingresso
    Oct 2006
    Localização
    Sempre por aqui
    Posts
    36.680

    Padrão Galp Energia perde mais de 1% e dita nova queda da bolsa de Lisboa

    17 Janeiro 2011

    O PSI-20 seguiu a tendência dos pares da Europa, num dia marcado pela forte queda do sector financeiro da região perante a oposição da Alemanha para o reforço do fundo de estabilização financeira da Zona Euro.
    A bolsa de Lisboa começou a semana em queda. Recuou 0,23%, e acompanhou a tendência das pares da Europa, sendo penalizada pelo desempenho negativo da Galp Energia. Fora do PSI-20, e em contra ciclo, o Banif disparou. Chegou a subir mais de 9%.

    O PSI-20, que cumpriu desta forma a segunda queda consecutiva, recuou para os 7.564,12 pontos, com 9 das 20 empresas em queda, 10 em alta e apenas uma inalterada. A liquidez na bolsa ficou-se pelos 73 milhões de euros.

    Na Europa, o cenário foi idêntico. A generalidade dos mercados do Velho Continente desvalorizou, num dia marcado pela reunião do Eurogrupo. No encontro em Bruxelas, os responsáveis tentam encontrar uma solução para a crise da dívida soberana.

    A rejeição da Alemanha em aumentar o valor do fundo de estabilização financeira ditou a queda das bolsas, penalizadas pela banca. O Stoxx Banks cedeu 0,57%. A impedir uma queda menos acentuado do índice sectorial esteve o BCP. O banco liderado por Carlos Santos Ferreira somou 0,35%, para 0,571 euros, e o BES ganhou 0,15%. O BPI caiu 0,96%.

    Ainda no sector financeiro, mas fora do índice principal, destaque para o Banif que disparou 7,06% para 0,91 euros. Chegou a subir mais de 9% durante a sessão, perante a possibilidade de ascender ao PSI-20 na revisão anual do índice, em Março.

    O destaque, pela negativa, na bolsa de Lisboa foi para o sector energético, nomeadamente para a Galp Energia. A petrolífera foi a cotada que mais pressionou ao recuar 1,1% para 14,325 euros.

    A EDP desceu 0,87% e a EDP Renováveis cedeu 0,11%, depois de ambas terem sido alvo de um corte de “target” por parte do UniCredit. A recomendação atribuída às duas cotadas é de “manter”.

    A impedir uma queda mais acentuada esteve a Jerónimo Martins, que subiu 0,79% para 11,47 euros, e também a PT, apesar de ter sido colocada no lote das preteridas do Deutsche Bank. A operadora subiu 0,34% para 8,239 euros, enquanto a Zon, que está “a negociar a desconto”, segundo o Barclays Capital, somou 0,09%.

    Jornal de Negócios

  9. #89
    Sub-Administrador Avatar de florindo
    Data de Ingresso
    Oct 2006
    Localização
    Sempre por aqui
    Posts
    36.680

    Padrão Bolsa fecha em alta com 12 acções a subir mais de 1%

    18 Janeiro 201

    O PSI-20 apreciou 1,38% com 19 acções a valorizar e apenas a Inapa a cair. O índice acompanhou a tendência dos congéneres europeus com os investidores a acreditarem que os esforços dos responsáveis europeus para travar a crise de dívida soberana vão ser bem sucedidos.
    O principal índice da bolsa nacional subiu 1,38% para 7.668,44 pontos, com 19 acções em alta e apenas uma a desvalorizar. Entre os congéneres europeus a tendência também é de subida, com os investidores a beneficiarem o compromisso deixado ontem pelos ministros das Finanças de reforçarem o apoio aos países mais endividados da Europa.

    Por cá, a EDP foi o título que mais impulsionou com um ganho de 1,86% para os 2,68 euros. No restante sector da energia, a Galp Energia avançou 0,98% para os 14,465 euros no dia em que foi noticiado pelo “Diário Económico” que Ferreira de Oliveira disse que estão a ser negociados contratos de gás natural no Qatar, uma notícia que os analistas do Espírito Santo Equity Research (ESER) considera “potencialmente positiva”, embora com impacto “limitado”.

    Já a EDP Renováveis somou 1,82% para os 4,48 euros.

    O sector da banca também se destacou com o BCP a subir 2,63% para os 0,586 euros, com o BES a ganhar 1,79% para os 2,734 euros e com o Banco BPI a apreciar 2,46% para os 1,373 euros.

    A contribuir para a tendência esteve ainda a Brisa com uma valorização de 2,70% para os 5,286 euros.

    Outro título em destaque pela positiva foi a Semapa que tocou mesmo máximos de Outubro de 2009 depois de ontem o Espírito Santo Investement Bank ter iniciado a cobertura das acções da cimenteira com um "target" de 13,9 euros e uma recomendação de "compra", o que confere às acções um potencial de valorização de 61%.

    O Banif continuou a destacar-se, ao valorizar 3,30% para 0,94 euros, a beneficiar da possibilidade de entrar no PSI-20 na próxima revisão do índice. Já ontem, as acções do banco fecharam a subir mais de 7%. Em causa está a notícia publicada pelo Negócios sobre a possível ascensão do Banif ao PSI-20. Segundo os cálculos feitos com base nas regras usadas pela NYSE Euronext Lisbon para rever a composição do índice principal, o PSI-20 poderá voltar a sofrer alterações já em Março.

    A única cotada que desvalorizar foi Inapa, ao perder 0,76% para 0,39 euros. Caso se confirme a entrada do Banif no PSI-20, a empresa que poderá descer de “divisão” é a Inapa, que entrou no principal índice da bolsa nacional na última revisão, em substituição da Teixeira Duarte.

    Jornal de negócios

  10. #90
    Sub-Administrador Avatar de florindo
    Data de Ingresso
    Oct 2006
    Localização
    Sempre por aqui
    Posts
    36.680

    Padrão BCP e EDP sobem mais de 1% e impulsionam bolsa nacional

    19 Janeiro 2011

    Os ganhos da banca e da EDP conseguiram anular as quedas da Jerónimo Martins e da Portugal Telecom e a bolsa nacional contrariou, assim, as perdas registadas nos principais mercados europeus.
    A Europa foi penalizada por dados negativos para a economia dos Estados Unidos e que continuam a evidenciar a fragilidade do sector imobiliário do país.

    Na bolsa nacional, o PSI-20 subiu 0,22% para os 7.685,38 pontos, com 12 títulos em alta oito em queda.

    O BCP e a EDP foram os títulos que mais impulsionaram o principal índice do mercado português, ao ganharem, respectivamente 1,02% e 1,34%.

    O dia foi de ganhos no sector bancário, com o BPI a subir 1,53% para os 1,394euros, e a ser a cotada com maior valorização, e o BES a avançar 1,46% para os 2,774 euros.

    Estas subidas ocorreram depois do IGCP ter colocado a totalidade dos 750 milhões de euros previstos no leilão de bilhetes do Tesouro a 12 meses. Os juros baixaram face à emissão anterior, para 4,029%, com a procura a superar a oferta em 3,1 vezes.

    No sector energético, a EDP fechou a negociação a valer 2,716 euros e a EDP Renováveis avançou 0,27% para os 4,492 euros.

    Já no sector das telecomunicações, o dia foi de quedas. A Zon Multimédia foi a cotada que mais caiu, ao perder 1,70% para os 3,287 euros. A Sonaecom desvalorizou 0,53% para os 1,315 euros e a PT caiu 0,35% para os 8,287 euros.

    Já a Jerónimo Martins recuou 1,61% para os 11,32 euros e foi o título que mais penalizou a bolsa.

    Jornal de Negócios

  11. #91
    Sub-Administrador Avatar de florindo
    Data de Ingresso
    Oct 2006
    Localização
    Sempre por aqui
    Posts
    36.680

    Padrão BES e BCP sobem mais de 3% e animam bolsa

    20 Janeiro 2011

    Bolsa nacional fechou a subir mais de 1%, contrariando a tendência de perdas da maioria dos congéneres europeias. A contribuir para esta evolução estiveram os ganhos acentuados da banca.
    O PSI-20 avançou 1,04% para 7.765,42 pontos, com 15 acções em alta, quatro em queda e uma inalterada. Entre a maioria dos principais congéneres europeus a tendência foi de queda, bem como do outro lado do Atlântico. A penalizar está a especulação de que a China comece a subir os juros para controlar a inflação, e que isso tenha implicações no crescimento económico.

    O BES subiu hoje 3,50% para 2,871 euros, o BCP ganhou 3,21% para 0,611 euros e o BPI avançou 2,22% para 1,425 euros.

    O sector bancário está a beneficiar do alívio da pressão sobre a dívida portuguesa. Os juros das obrigações portuguesas estão a descer mais de 20 pontos base, no prazo de 10 anos para 6,839%, numa altura em que se espera que a Europa tome medidas para conseguir controlar a crise de dívida soberana.

    A contribuir para os ganhos da bolsa esteve também a Portugal Telecom ao subir 1,60% para 8,42 euros, uma tendência que foi partilhada pela Zon, ao subir 1,40% para 3,333 euros, bem como pela Sonaecom, que avançou 0,99% para 1,328 euros.

    Já a Galp Energia fechou a cair 0,86% para 14,355 euros, travando a subida do índice, num dia em que os preços do petróleo também estão em queda. Em Londres, o barril do Brent desce quase 2% para 96,40 dólares, influenciado pelos receios de abrandamento do crescimento económico na China e pelo aumento das reservas de petróleo e derivados nos EUA.

    Ainda no sector da energia, a EDP subiu 1,58% para 2,759 euros e a EDP Renováveis apreciou 1,25% para 4,548 euros.

    Jornal de negócios

  12. #92
    Sub-Administrador Avatar de florindo
    Data de Ingresso
    Oct 2006
    Localização
    Sempre por aqui
    Posts
    36.680

    Padrão BES e Jerónimo limitam ganhos da bolsa

    21 Janeiro 2011

    Bolsa nacional fechou a valorizar menos de 0,5%, tendo chegado a subir quase 2%. As quedas do BES e da Jerónimo Martins, aliadas a ganhos menos acentuados da maioria das cotadas justificam a travagem da variação.
    O PSI-20 subiu 0,27% para 7.786,14 pontos, com 13 acções a subir e sete a cair, num dia de ganhos generalizados entre os principais congéneres europeus. As bolsas europeias beneficiaram da melhoria da confiança dos empresários alemães, em Janeiro, para níveis historicamente altos.

    A queda de 1,43% do BES, que fechou nos 2,83 euros, foi determinante para a variação da bolsa nacional. Mas não foi o único responsável. O BCP, que chegou a subir cerca de 3%, fechou a valorizar 0,33% para 0,613 euros, e o BPI, que subiu cerca de 2%, terminou a sessão a perder 0,70% para 1,415 euros.


    A penalizar o índice esteve também a Jerónimo Martins ao perder 0,67% para 11,125 euros.

    Já a EDP subiu 1,49% para 2,80 euros, tenso conseguido manter o PSI-20 em terreno positivo. Já a sua subsidiária, EDP Renováveis, perdeu 1,25% para 4,491 euros.

    Ainda no sector energético, a Galp Energia subiu 0,31% para 14,40 euros e a REN avançou 1,54% para 2,568 euros.

    A contribuir para a subida do índice esteve também a Portugal Telecom, ao ganhar 0,45% para 8,458 euros. A Sonaecom, que também esteve a subir perto de 5%, fechou a ganhar 2,41% para 1,36 euros. A dona da Optimus beneficiou da divulgação de uma nota de investimento do JPMorgan, que aumentou a recomendação da operadora de “underweight” para “neutral”.

    Jornal de Negócios

  13. #93
    Sub-Administrador Avatar de florindo
    Data de Ingresso
    Oct 2006
    Localização
    Sempre por aqui
    Posts
    36.680

    Padrão Subidas superiores a 1% da Galp e EDP impulsionam bolsa

    21 Janeiro 2011

    A bolsa nacional fechou a valorizar pela quinta sessão consecutiva. O PSI-20 inverteu assim da tendência de queda registada na maior parte da sessão, animado pelas subidas superiores a 1% da Galp e da EDP.
    O PSI-20 subiu 0,53% para os 7.827,76 pontos, com 11 acções em alta, oito em queda e uma inalterada. Entre as principais praças europeias a tendência também foi invertida, na maior parte dos casos, com a maioria dos índices a subir, ainda que com ganhos pouco acentuados.


    A Galp Energia foi a cotada que mais impulsionou o índice, com um ganho de 1,70% para 14,645 euros. A petrolífera tem oscilado entre perdas e ganhos, numa altura em que o futuro da estrutura accionista está ainda por definir. Ainda no final da semana passada, a Lusa noticiou que a Sonangol e a equipa de Américo Amorim vão reunir-se até ao final do mês para tentarem chegar a acordo no que diz respeito à estratégia a seguir na estrutura accionista da petrolífera, disse fonte próxima do processo.

    A EDP também subiu 1,04% para 2,829 euros, uma evolução acompanhada pela EDP Renováveis, que avançou 0,29% para 4,504 euros.

    A EDP também subiu 1,04% para 2,829 euros, uma evolução acompanhada pela EDP Renováveis, que avançou 0,29% para 4,504 euros.

    A contribuir para os ganhos esteve também o sector de telecomunicações. A Portugal Telecom apreciou 0,53% para 8,503 euros, a Zon cresceu 0,15% para 3,385 euros e a Sonaecom avançou 0,44% para 1,366 euros.

    Ja a travar a subida do índice esteve o BCP, que cedeu 0,65% para 0,609 euros. O BES fechou estável nos 2,83 euros.

    Já o BPI conseguiu contrariar a tendência de perdas e fechou com um ganho de 1,06% para 1,43 euros. O banco liderado por Fernando Ulrich vai ditar o início da apresentação de resultados por parte das cotadas nacionais. O BPI vai apresentar os números de 2010 a 26 de Janeiro, a próxima quarta-feira, e o CaixaBI prevê que os lucros tenham aumentado 8,4%, para 189,8 milhões de euros.

    As acções da Altri fecharam a ceder 1,39% para 3,345 euros, depois do Santander ter reiniciado a cobertura das acções com um preço-alvo de 3,23 euros e uma recomendação de “underweight”.

    Jornal de Negócios

  14. #94
    Sub-Administrador Avatar de florindo
    Data de Ingresso
    Oct 2006
    Localização
    Sempre por aqui
    Posts
    36.680

    Padrão Bolsa nacional cai mais de 1% com pressão da banca

    25 Janeiro 2011

    A banca e a energia foram os sectores que mais penalizaram hoje a praça lisboeta, depois de cinco sessões consecutivas a valorizar.
    A bolsa nacional encerrou a cair mais de 1%, em linha com o resto da Europa, pressionada sobretudo pela banca e energia.

    Nas restantes congéneres do Velho Continente, cuja maioria encerra a negociação pelas 17h de Lisboa, a tendência é igualmente de queda, numa sessão em que a banca é dos sectores mais castigados. O anúncio de uma contracção do PIB britânico no último trimestre de 2010 está a contribuir para o movimento de descida.

    O PSI-20 encerrou a ceder 1,33% para 7.724,03 pontos, com 17 cotadas em baixa e 3 em alta. Mudaram de mãos 49,5 milhões de acções.

    Na banca, destaque pela negativa para o BCP. A entidade financeira liderada por Carlos Santos Ferreira foi a que mais pressionou o índice de referência nacional, ao cair 3,94% para 58 cêntimos.

    A restante banca acompanhou a tendência de baixa. O BES resvalou 2,76% para 2,752 euros e o BPI desvalorizou 3,43% para 1,381 euros.

    O lucro líquido do BPI, que será divulgado amanhã, terá aumentado 4% em 2010, sustentado pelas operações em Angola, segundo a média das estimativas dos analistas consultados pela Reuters. Ontem os analistas do CaixaBI projectaram uma subida de 8,4% dos lucros do banco liderado por Fernando Ulrich.

    A EDP foi a segunda cotada que mais pressionou a bolsa nacional. No dia em que a Bloomberg referiu que a empresa liderada por António Mexia está a colocar no mercado uma emissão de 750 milhões de euros - o juro deverá ficar 330 pontos base acima da taxa de referência -, a eléctrica fechou a perder 2,01% para 2,772 euros.

    No mesmo sector, a Galp Energia esteve também entre os títulos que mais penalizaram a praça lisboeta. Numa sessão em que os preços do crude caem mais de 1%, a petrolífera portuguesa recuou 0,79% para 14,53 euros.

    Quanto à EDP Renováveis, a empresa comandada por Ana Maria Fernandes registou uma depreciação de 2,66% para 4,384 euros, apesar do anúncio de que a eólica nacional foi a segunda que mais capacidade instalou em Espanha, aumentando a sua quota de mercado de 8,4% para 9%.

    Ainda na energia, a REN caiu 0,47% para 2,542 euros.

    A travar maiores perdas da bolsa nacional esteve a Portugal Telecom. A operadora liderada por Zeinal Bava avançou 0,08% para 8,51 euros.

    Nas restantes telecomunicações, a Sonaecom registou um decréscimo de 1,68% para 1,343 euros. A Zon Multimédia, em contrapartida, subiu 0,38% para 3,398 euros.

    Recorde-se que, no seu Iberian Small & MidCaps de Janeiro de 2011, o BPI cortou os “targets” de 23 cotadas da bolsa de Lisboa, com excepção da Jerónimo Martins, Sonaecom e Zon Multimédia.

    Jornal de Negócios

  15. #95
    Sub-Administrador Avatar de florindo
    Data de Ingresso
    Oct 2006
    Localização
    Sempre por aqui
    Posts
    36.680

    Padrão EDP cai quase 2% e trava maiores ganhos do PSI-20

    26 Janeiro 2011

    A bolsa nacional chegou a valorizar quase 1% durante a sessão, mas acabou por encerrar com ganhos ligeiros, devido essencialmente à Energias de Portugal que caiu quase 2%. O PSI-20 apreciou 0,09% impulsionado pela Portugal Telecom.
    O principal índice da bolsa nacional (PSI-20) fechou nos 7.730,65 pontos com 13 acções em alta e sete a cair. Entre as principais praças europeias, a tendência é de ganhos com o índice de referência para a Europa, Stoxx 600, a valorizar 1% para 283,01 pontos.

    A animar a negociação na Europa está especulação dos investidores de que Reserva Federal norte-americana vai fazer declarações mais optimistas em relação à economai no final de uma reunião de política monetária que termina hoje. Mesmo com a melhoria da economia, os investidores acreditam que a autoridade vai manter as medidas de apoio à economia.

    Por cá, a Portugal Telecom foi o título que mais impulsionou com uma valorização de 0,93% para os 8,589 euros, no dia em que divulgou que chegou a acordo para comprar uma participação de 25% na operadora brasileira Oi. Uma operação que decorre da venda da participação na Vivo à Telefónica e que vai ter um custo de 3,6 mil milhões de euros à operadora portuguesa.

    No restante sector de telecomunicações, a Sonaecom apreciou 0,67% para os 1,352 euros enquanto a Zon Multimédia somou 1,53% para os 3,45 euros.

    A contribuir para a tendência fechou também a Brisa, que ganhou 1,73% para os 5,341 euros e a Galp Energia, que subiu 0,28% para os 14,57 euros.

    No restante sector energético, a Energias de Portugal foi a grande responsável pela subida ligeira do PSI-20 com uma queda de 1,84% para os 2,721 euros.

    Na banca, a tendência foi mista com o BCP e BES a caírem 0,17% para os 0,584 euros e 0,18% para os 2,747 euros, respectivamente e com o Banco BPI a ganhar 1,67% para os 1,404 euros no dia em que apresenta resultados.

    Já o banco presidido por Ricardo Salgado vai apresentar os resultados relativos a 2010, no dia 31 de Janeiro, sendo que o Caixa Bi antecipa que os lucros do banco decresçam para 513 milhões de euros no final de 2010, reflectindo o esforço de redução do endividamento e do financiamento junto do Banco Central Europeu, que penaliza a margem financeira.

    Jornal de Negócios

  16. #96
    Sub-Administrador Avatar de florindo
    Data de Ingresso
    Oct 2006
    Localização
    Sempre por aqui
    Posts
    36.680

    Padrão EDP e Zon Multimédia impulsionam bolsa nacional

    27 Janeiro 2011

    A bolsa nacional encerrou em terreno positivo pela segunda sessão consecutiva impulsionada pelos títulos da EDP e da Zon Multimédia. A dona da TV Cabo foi a cotada que mais subiu, ao valorizar 3,45%.
    O principal índice da bolsa nacional, PSI-20, avançou 0,16% para os 7.742,98 pontos, com 13 títulos em alta e sete em queda.

    As acções da eléctrica nacional recuperaram hoje das perdas registadas nas últimas duas sessões e fecharam a ganhar 2,02% para os 2,776 euros. Na sessão de ontem, dia em que a EDP emitiu 750 milhões de euros de obrigações a cinco anos, as acções caíram 1,84%.

    A emissão de ontem marca o regresso de uma empresa portuguesa aos mercados internacionais, através de uma operação sindicada. A eléctrica colocou a dívida com um cupão de 5,875% que, de acordo com a empresa, é cerca de 30 pontos base abaixo do exigido para a República no mesmo prazo.

    O juro pago resultou da forte procura. A operação recebeu ordens de 9.000 milhões euros, mais 12 vezes que o montante oferecido. Participaram 500 investidores, quase todos estrangeiros. Dos 750 milhões colocados, 27% foram para a Alemanha e 22% para o Reino Unido.

    A Zon Multimédia foi a cotada que mais subiu, ao valorizar 3,45% para os 3,569 euros, um dia após o Espírito Santo Research ter reiterado a recomendação de "compra" e elevado o "target" de 4,80 para 5,00 euros.

    Entre as empresas que mais impulsionaram a bolsa nacional, estiveram também a Cimpor e o Banco Espírito Santo (BES).

    O banco liderado por Ricardo Salgado avançou 0,51% para os 2,761 euros, após ter garantido que, este ano, vai pagar dividendos aos accionistas.

    Já o BPI foi a cotada que mais desvalorizou, ao perder 1,57% para os 1,382 euros, um dia depois de Fernando Ulrich ter anunciado que a instituição que lidera não vai pagar dividendos este ano.

    Ainda no sector bancário, o BCP avançou 0,17% para os 0,585 euros, com 18,59 milhões de títulos negociados.

    A impedir maiores ganhos na bolsa nacional estiveram os títulos da Portugal Telecom. A operadora emitiu obrigações em euros no valor de 600 milhões, com uma maturidade de cinco anos. Após a EDP, esta é a segunda emissão de uma empresa portuguesa esta semana, sendo que operadora vai pagar um "spread" inferior ao suportado pela eléctrica.

    Jornal de Negócios

  17. #97
    GForum Vip
    Data de Ingresso
    Sep 2006
    Localização
    Gforum...Sempre
    Posts
    13.095

    Padrão

    Citação Postado originalmente por florindo Ver Post
    27 Janeiro 2011

    A bolsa nacional encerrou em terreno positivo pela segunda sessão consecutiva impulsionada pelos títulos da EDP e da Zon Multimédia. A dona da TV Cabo foi a cotada que mais subiu, ao valorizar 3,45%.
    O principal índice da bolsa nacional, PSI-20, avançou 0,16% para os 7.742,98 pontos, com 13 títulos em alta e sete em queda.

    As acções da eléctrica nacional recuperaram hoje das perdas registadas nas últimas duas sessões e fecharam a ganhar 2,02% para os 2,776 euros. Na sessão de ontem, dia em que a EDP emitiu 750 milhões de euros de obrigações a cinco anos, as acções caíram 1,84%.

    A emissão de ontem marca o regresso de uma empresa portuguesa aos mercados internacionais, através de uma operação sindicada. A eléctrica colocou a dívida com um cupão de 5,875% que, de acordo com a empresa, é cerca de 30 pontos base abaixo do exigido para a República no mesmo prazo.

    O juro pago resultou da forte procura. A operação recebeu ordens de 9.000 milhões euros, mais 12 vezes que o montante oferecido. Participaram 500 investidores, quase todos estrangeiros. Dos 750 milhões colocados, 27% foram para a Alemanha e 22% para o Reino Unido.

    A Zon Multimédia foi a cotada que mais subiu, ao valorizar 3,45% para os 3,569 euros, um dia após o Espírito Santo Research ter reiterado a recomendação de "compra" e elevado o "target" de 4,80 para 5,00 euros.

    Entre as empresas que mais impulsionaram a bolsa nacional, estiveram também a Cimpor e o Banco Espírito Santo (BES).

    O banco liderado por Ricardo Salgado avançou 0,51% para os 2,761 euros, após ter garantido que, este ano, vai pagar dividendos aos accionistas.

    Já o BPI foi a cotada que mais desvalorizou, ao perder 1,57% para os 1,382 euros, um dia depois de Fernando Ulrich ter anunciado que a instituição que lidera não vai pagar dividendos este ano.

    Ainda no sector bancário, o BCP avançou 0,17% para os 0,585 euros, com 18,59 milhões de títulos negociados.

    A impedir maiores ganhos na bolsa nacional estiveram os títulos da Portugal Telecom. A operadora emitiu obrigações em euros no valor de 600 milhões, com uma maturidade de cinco anos. Após a EDP, esta é a segunda emissão de uma empresa portuguesa esta semana, sendo que operadora vai pagar um "spread" inferior ao suportado pela eléctrica.

    Jornal de Negócios
    Isto não está nada bom, pois anda muito inconstante
    Cumps
    Matapitosboss


    __________________________________________
    "Se eu podia viver sem o Gforum? Podia, mas não era a mesma coisa."



    [Desaparecidos]

    www.ruipedro.net (Menino de Lousada, raptado dia 4 de Março de 1998)
    www.findmadeleine.com (Menina desaparecida na praia da Luz, no Algarve)

  18. #98
    Sub-Administrador Avatar de florindo
    Data de Ingresso
    Oct 2006
    Localização
    Sempre por aqui
    Posts
    36.680

    Padrão Ganhos da Galp e do BES conseguem manter bolsa em terreno positivo

    28 Janeiro 2011

    A bolsa nacional encerrou a semana em alta ligeira, devido à forte subida da Galp Energia. Grande parte do ganho da petrolífera foi anulado pela queda da Portugal Telecom. O PSI-20 encerra em terreno positivo pela terceira sessão consecutiva mas fecha a semana com um balanço negativo de 0,5%.
    O principal índice da bolsa nacional subiu 0,06% para os 7747,93 pontos, com sete títulos em alta e 13 em queda, e conseguiu contrariar as quedas registadas nas principais praças europeias.

    A Galp Energia foi o título em destaque na sessão de hoje, ao subir 1,93% para os 14,78 euros. A petrolífera encerra a semana com um ganho de 2,64% a beneficiar de um nota positiva por parte do Barclays Capital, que aumentou o preço-alvo da empresa para 18,50 euros.

    Este ganho foi, em grande parte, anulado pela queda da Portugal Telecom. A operadora perdeu 1,35% para os 8,351 euros e fechou a semana com uma queda 1,27%.

    Ainda no sector energético, a Zon Multimédia foi a cotada que registou a maior subida semanal, ao valorizar 5,33%. Na sessão de hoje, a dona da TV Cabo perdeu 0,25% para os 3,56 euros.

    A mesma tendência foi seguida pela Sonaecom, que recuou 1,40% para os 1,341 euros.

    BES regista maior ganho diário

    O Banco Espírito Santo (BES) foi a cotada que mais subiu na sessão de hoje, ao valorizar 3,30% para os 2,852 euros. O fundo de pensões do banco liderado por Ricardo Salgado encaixou 152 milhões com venda de posição na Bradespar.

    A Bradespar anunciou ontem à noite que o fundo de pensões do Banco Espírito Santo alienou a posição que detinha no capital da empresa, tendo efectuado com a operação um encaixe de 350,9 milhões de reais (152 milhões de euros).

    Ainda no sector bancário, o BPI avançou 1,01% para os 1,396 euros, apesar do UBS ter reduzido a avaliação do banco para reflectir efeito do risco soberano.

    Já o BCP avançou 0,68% para os 0,589 euros, com mais de 15 milhões de títulos negociados.

    Jornal de Negócios

  19. #99
    Sub-Administrador Avatar de florindo
    Data de Ingresso
    Oct 2006
    Localização
    Sempre por aqui
    Posts
    36.680

    Padrão Bolsa sobe quase 1% e eleva ganhos de Janeiro para mais de 3%

    31 Janeiro 2011

    A praça nacional voltou a valorizar. Subiu pela quarta sessão consecutiva, animada pelos ganhos da EDP, PT e também do BES, que hoje revelou os resultados de 2010. Com este desempenho, o PSI-20 fechou o primeiro mês do ano com uma subida de mais de 3%.
    O PSI-20 somou 0,92%. Avançou para os 7819,12 pontos, com 14 das 20 cotadas em alta, 3 inalteradas e 3 com saldo negativo, e acompanhou assim a tendência positiva da maioria das praças da Europa.

    A bolsa de Lisboa, que chegou a cair durante a parte inicial da sessão, acabou por recuperar e cumprir a quarta sessão consecutiva de ganhos, elevando para 3,042% a subida no primeiro mês de 2011. Este foi o segundo mês de subida do PSI-20.

    Para o bom desempenho do índice em Janeiro contribuíram empresas como a Mota-Engil, que brilhou ao disparar 14%, mas também a EDP (que avançou 12,65%). A eléctrica foi também determinante para a subida da bolsa nesta última sessão.

    As acções da empresa liderada por António Mexia avançaram 1,37%, para 2,806 euros, enquanto a EDP Renováveis somou 0,93% e a Galp Energia subiu 0,88%, no dia em que o petróleo superou a fasquia dos 100 dólares.

    Este comportamento seguido por outro “peso pesado” da praça nacional, a Portugal Telecom. A operadora foi mesmo a cotada que mais contribuiu para a subida da bolsa ao somar 1,31% para 8,46 euros, apesar de ter sido alvo de uma revisão em baixa da avaliação por parte do BBVA. O banco reduziu o “target” de 9,80 para 9,00 euros.

    O sector da banca foi, no entanto, aquele que centrou as atenções dos investidores, isto num dia marcado pela apresentação dos resultados dos BES. O banco aumentou os lucros para 510 milhões de euros, superando assim as estimativas dos analistas.

    As acções do banco liderado por Ricardo Salgado subiram 3,79%, para 2,96 euros, isto apesar de ter sido anunciado um corte no valor do dividendo para 12,6 cêntimos por acção. Ainda no sector, o BPI, que não vai pagar dividendos, subiu 0,86%. O BCP caiu 0,34%.

    O Banif, que deverá entrar no PSI-20 na revisão de Março, de acordo como o Millennium IB, fechou estável nos 0,93 euros, já a Inapa, a principal candidata à saída do índice principal, terminou o dia inalterada, a cotar nos 0,386 euros. Chegou a perder mais de 1%.

    Nas quedas, destaque ainda para a Brisa, que recuou 0,09% e impediu o índice de apresentar uma maior valorização, e para a Sonae Indústria. A empresa liderada por Bianchi de Aguiar terminou a sessão a perder 0,55%. Em Janeiro, liderou as descidas ao ceder mais de 5%.

    Jornal de Negócios

  20. #100
    Sub-Administrador Avatar de florindo
    Data de Ingresso
    Oct 2006
    Localização
    Sempre por aqui
    Posts
    36.680

    Padrão Bolsa ganha mais de 1% e sobe pela quinta sessão

    01 Fevereiro 2011

    O PSI-20 acompanhou a tendência positiva dos congéneres europeus que sobem mais de 1% depois ter sido noticiado que o Fundo Europeu de Estabilização Financeira (FEEF) poderá vir a comprar dívida soberana de países que estão sob pressão.
    O principal índice da bolsa nacional apreciou 1,14% para os 7.908,36 pontos com 17 acções em alta e três a cair. Na Europa, a tendência também é de fortes ganhos depois da Bloomberg ter avançado que o fundo de 440 mil milhões de euros criado para ajudar os países da Zona Euro que não se conseguem financiar junto do mercado de dívida poderá vir a ser autorizado a comprar obrigações nos leilões de dívida soberana.

    Por cá, esta foi a quinta sessão de ganhos consecutivos no PSI-20. A EDP foi o título que mais impulsiona a bolsa nacional com uma valorização de 2,25% para os 2,869 euros, depois de ontem ter revelado que fixou o preço da emissão de obrigações no valor de 200 milhões de francos suíços (155,9 milhões de euros) com uma maturidade de três anos, com um cupão de 3,5%.

    A EDP Renováveis acompanha com um ganho de 1,43% para os 4,39 euros enquanto a Galp Energia subiu 0,57% para os 14,995 euros.

    A contribuir para a tendência esteve também o sector da banca. O BCP somou 2,04% para os 0,599 euros, depois de ter reportado que a sua unidade na Polónia teve um resultado líquido equivalente a 81 milhões de euros, que ultrapassou as estimativas dos analistas enquanto BES e Banco BPI avançaram 1,99% para os 3,019 euros e 2,06% para os 1,437 euros, respectivamente.

    Ainda a impulsionar esteve a Portugal Telecom com uma valorização de 0,47% para os 8,50 euros e a Zon que avançou 3,245 para os 3,727 euros.

    Em destaque estiveram ainda as acções da Portucel, ao subirem 1,25% para 2,51 euros. A empresa tocou inclusivamente no valor mais elevado desde 12 de Dezembro de 2007 ao transaccionar nos 2,515 euros. As acções da empresa beneficiam da apresentação dos resultados feita ainda ontem, e que revelou que os lucros de 2010 duplicaram face a 2009, muito devido à nova fábrica de papel.

    A travar maiores ganhos esteve a REN, que caiu 0,20% para os 2,545 euros.

    Jornal de Negócios

Página 5 de 19 PrimeiroPrimeiro ... 45615 ... ÚltimoÚltimo

Tópicos Similares

  1. Europac sai da Bolsa de Lisboa
    Por Amorte no fórum Arquivos
    Respostas: 0
    Último Post: 06-08-2009, 18:01
  2. Bolsa de Lisboa
    Por Amorte no fórum Arquivos
    Respostas: 0
    Último Post: 24-06-2009, 10:24
  3. Bolsa de Lisboa - 28 de Julho
    Por Hdi no fórum Arquivos
    Respostas: 3
    Último Post: 28-07-2008, 17:07
  4. Bolsa de Lisboa - 24 Julho
    Por Hdi no fórum Arquivos
    Respostas: 2
    Último Post: 24-07-2008, 17:09
  5. bolsa de Lisboa
    Por joaortnt no fórum Arquivos
    Respostas: 0
    Último Post: 31-05-2008, 00:33

Tags para este Tópico

Permissões de Postagem

  • Você não pode iniciar novos tópicos
  • Você não pode enviar respostas
  • Você não pode enviar anexos
  • Você não pode editar suas mensagens
  •  

Já fez "Like" na nossa página do facebook?

Acompanhe todas as novidades.