Descendente turco recebe prémio máximo do cinema alemão

Um filme do realizador turco-alemão Fatih Akin recebeu o prémio máximo do cinema nacional (cerca de 3 milhões de euros) com "Do Outro Lado" conquistando o troféu de melhor filme em três categorias

O drama Do Outro Lado, de Akin, uma história de perda, luto e perdão ambientada na Alemanha e na Turquia , recebeu três prémios «Lola» adicionais de Melhor Realizador, Melhor Argumento Original e Melhor Edição.

«Obrigado, obrigado, obrigado», disse Akin, realizador residente em Hamburgo, de ascendência turca, cujos filmes sobre as dificuldades enfrentadas pelos imigrantes na Alemanha também já lhe valeram reconhecimento nos festivais de cinema de Berlim e Cannes.

«É muito difícil medir a arte de qualquer maneira», disse Akin, 34 anos, cujo filme Contra a Parede, de 2003, também teve reconhecimento internacional.

«Por isso, estou felicíssimo. Não fazemos filmes pelos prémios que podem ganhar, mas para a vida», afirmou o realizador na cerimónia de entrega dos prémios, que teve a presença de 1.500 espectadores e foi transmitida na televisão nacional.

O seu trabalho mais recente acompanha as vidas frágeis de quatro turcos e dois alemães que se conectam em jornadas emotivas rumo à reconciliação, na Alemanha e na Turquia. Suas vidas se entremeiam pelo amor e a tragédia nos dois países.

Kirschblueten (Flores de Cerejeira), de Doris Doerrie, uma história de amor comovente sobre um funcionário público bávaro, recebeu seis indicações ao Lola, mas ganhou apenas dois: de melhor actor (Elmar Wepper) e figurinos.

O inesperado sucesso de bilheteria Die Welle (A Onda), de Dennis Gansel, drama ambientado na Alemanha moderna sobre um colégio no qual um professor carismático impõe um regime autoritário, levou o Lola de bronze na categoria melhor filme.

Reuters/SOL