Este artigo serve para desmistificar os vários tipos de ensaios que se fazem, as respectivas normas de potência e as diferenças entre elas. Com efeito, pela acção do travão dinamométrico utilizado em bancos de ensaio para a medição das potências, há uma série de factores que podem influenciar os resultados finais destas provas: desde o motor poder estar totalmente desimpedido de acessórios que provoquem, no percurso da transmissão, perdas de potência; até a potência ser medida e declarada à saída da cambota. De resto, e como é sabido, há que contar ainda com o factor altitude, onde as perdas de potência são da ordem dos 12 a 15% por cada 1000 metros que subirmos.

Descrições de cada norma de ensaios:

SAE J1995 :
N orma de ensaio na qual a potência ("bruta") se mede num motor praticamente sem acessórios (sem filtro de ar, silenciador de escape, alternador, ventilador...), pelo que o valor de potência obtido é mais alto do que no caso de um motor montado no veículo. O ensaio é efectuado a uma pressão atmosférica de 1 bar, a uma temperatura ambiente de 25ºC e a uma temperatura de combustivel de 40ºC. Obtém-se relativamente à DIN70020 um factor de 111% de potência.

ISO TR14396 :
Classificação destinada a avaliar as emissões poluentes dos motores, que todavia não tem a categoria de Norma ISO, mas sim de Informação Técnica (TR). É, contudo, aceite em homologações tipo CE. Ao motor, durante os ensaios, são retirados o radiador e o ventilador, pelo que os valores são considerados como de potência bruta. O ensaio é efectuado a uma pressão atmosférica de 0,99 bar, a uma Temperatura ambiente de 25ºC e a uma temperatura de combustivel de 37-43ºC. Obtém-se relativamente à DIN70020 um factor de 107% de potência.

SAE J1349 :
Norma americana praticamente equivalente à ECE R24 em termos de potências net. Pouco utilizada na Europa, pela designação SAE estar ligada a normas de avaliação de potências brutas, e assim poder suscitar confusões. O ensaio é efectuado a uma pressão atmosférica de 1 bar, a uma Temperatura ambiente de 25ºC e a uma temperatura de combustivel de 40ºC. Obtém-se relativamente à DIN70020 um factor de 104% de potência.

ECE R24 :
Regulamento de Genebra adoptado pela maioria dos países da União, dirigido ao controlo de emissões de fumos de escape, com um procedimento de medida para a potência líquida totalmente válido e, de resto, até tradicionalmente indicada como potência DIN. O ensaio é efectuado a uma pressão atmosférica de 0,99 bar, a uma Temperatura ambiente de 25ºC e a uma temperatura de combustivel de 40,5ºC. Obtém-se relativamente à DIN70020 um factor de 101% de potência.

DIN 70020 :
De todos os processos de avaliação de potência, este é o mais conhecido, divulgado e o que oferece maior credibilidade. Difere fundamentalmente do regulamento ECE R24 apenas por o ventilador ficar ligado e em funcionamento, o que se traduz por uma potência final obtida ainda mais "verdadeira", isto é, com um valor algo menor... O ensaio é efectuado a uma pressão atmosférica de 1 bar, a uma Temperatura ambiente de 25ºC e a uma temperatura de combustivel de 40ºC. Obtém-se relativamente à DIN70020 um factor de 100% de potência.

80/1269/CEE :
É uma Directiva Comunitária equivalente à norma DIN 70020 em tudo o que se relaciona com a medida de potência do motor. Os valores que se obtêm são inclusivamente ligeiramente mais baixos (aproximadamente 1%). O ensaio é efectuado a uma pressão atmosférica de 0,99 bar, a uma Temperatura ambiente de 25ºC e a uma temperatura de combustivel de 40,5ºC. Obtém-se relativamente à DIN70020 um factor de 99% de potência.


Afinal, os valores da norma DIN 70020 são os mais verdadeiros em relação à potência efectiva do motor.


Autor: Goldem_Graham
fonte:tol