1. #1

    Registo
    Apr 2008
    Idade
    33
    Posts
    3.080

    Padrão A importância das Dunas: espécies dunares



    Importância das Dunas
    As dunas são importantes pois fazem a transição entre o ambiente marinho e o meio terrestre, servindo de protecção às transgressões do nível do mar, evitando a contaminação dos aquíferos continentais pela água salgada. a salinização dos solos, a destruição de infra-estruturas humanas e a abrasão marítima nas falésias.

    Os ecossistemas dunares são sistemas naturais muito simples e sensíveis, cujo equilíbrio tem vindo a ser colocado em causa por via do impacte das actividades humanas. A sua destruição terá consequências negativas na orla costeira, concretamente no aumento da erosão marinha e na degradação de algumas actividades económicas.


    Espécies Dunares e as Dunas

    A fixação de espécies vegetais é um processo dinâmico e contínuo que necessita de plantas adaptadas - espécies pioneiras, colonizadoras. Estas fixam as areias através de um sistema de raízes bem desenvolvido e disperso, que extraem do solo (arenoso e siltoso) água e nutrientes.

    As espécies pioneiras ao fixarem-se iniciam um processo de mudança das condições geoambientais do sistema dunar, dando início à formação de uma sucessão ecológica - acontecimento dinâmico que leva à substituição de uma associação de organismos por outros mais evoluídos, perante a mudança de condições edafoclimáticas (solo e clima).

    Pode-se caracterizar o sistema dunar da seguinte forma:


    1) Duna Primária ou Duna de Areia Branca
    Caracterizada pela escassez de nutrientes e água e presença de plantas com rizoma (caule subterrâneo), que suportam grandes quantidades de sal no solo (halófitas).

    Espécies - Elymus farctus (feno das areias), Cakile marítima (eruca marítima), Euphorbia paralias (morganheira das praias), Eryngium maritimum (cardo marítimo), Ammophila arenária (estorno), Otanthus maritimus (cordeirinho da praia);


    Morganheira das praias



    Cardo marítimo



    Estorno



    2) Duna Secundária ou Duna de Areia Cinzenta
    Caracterizada por um solo enriquecido em matéria orgânica e água permitindo a presença de plantas arbustivas.

    Espécies - Crucianella marítima (granza marítima), Helichrysum italicum (perpétua das areias), Silene líttorea (aIfinete-das-areias), Artemisa campestris marítima (madorneira), Medicago marina (Iuzerna das praias), Pancratium maritimum (lírio/narciso das areias).



    Granza marítima



    Madorneira



    Narciso das areias



    3) Duna Terciária ou Duna Castanha
    Caracterizada por solos ricos em húmus e pela associação de plantas arbustivas e arbóreas.

    Espécies - Pinus pinus (pinheiro manso), Pinus pinaster (pinheiro bravo), Corema album (camarinha), Juniperus phoenícea (sabina das praias).



    Pinheiro manso



    Camarinha



    Sabina das praias





    Dunas no Litoral
    Helder Marta da Silva & João Paulo Santos
    (imagens recolhidas de vários sites)
    Última edição por xicca; 24-08-2008 às 19:42.

  2. #2

    Registo
    Apr 2008
    Idade
    33
    Posts
    3.080

    Padrão

    Factores de degradação

    Pisoteio: a construção de parques de estacionamento na zona posterior à duna, o campismo selvagem, a prática de actividades motorizadas e a falta de estruturas aéreas de acesso às praias são factores que levam à destruição da vegetação dunar e consequentemente aumenta por falta de protecção a vulnerabilidade da duna à acção dos agentes erosivos.

    Construções: as edificações sobre as dunas constituem factor de grande erosão, porque sendo um obstáculo à movimentação constante das areias interrompe assim o seu ciclo natural de deposição e transporte.




    Captação de água: A abertura de poços pode provocar o abaixamento do nível do lençol freático a um nível tal que não permita a vida da vegetação dunar que assim devido à sua escassez oferece menor protecção ao sistema.




    Vegetação infestante: espécies alógenas aos sistemas dunares como, por exemplo, o chorão e as acácias, contribuem para a redução das espécies endógenas das dunas, que devida às suas características fisiográficas protegem-nas da acção dos ventos.




    Obras de engenharia costeira: esporões e molhes, por exemplo, são estruturas que alteram completamente as correntes costeiras, constituem obstáculos ao transporte litoral de areias (deriva litoral), que em Portugal se faz preferencialmente, de Norte para Sul, no litoral Ocidental e de, Oeste para Leste, no litoral meridional. Assim, há retenção de areias a Norte ou a Oeste, respectivamente, daquelas estruturas e com erosão acrescida a Sul e a Este. As consequências são erosão das praias e das frentes dunares.





    Que comportamentos para proteger as dunas?

    O facto de os sistemas dunares serem formações FITOGEODINÂMICAS em permanente equilíbrio dinâmico, intimamente dependente do coberto vegetal vivo, implica que qualquer factor externo ao sistema terá consequências desequilibrantes e dificilmente compensáveis (pisoteio, vegetação infestante, obras de engenharia costeira, etc.).

    Caso a vegetação fixadora das dunas seja degradada e destruída, todo o sistema dunar será afectado negativamente.
    A areia nua facilmente será arrastada para o interior do território, quer pela acção do mar quer, essencialmente pela acção eólica, podendo invadir e mesmo cobrir terrenos agrícolas, explorações, habitações e caminhos. Em épocas de tempestade podem mesmo ocorrer catástrofes em que o mar não encontrando obstáculos ao seu avanço, destrói culturas e construções que antes estavam protegidas das dunas.


    Estes são fenómenos que todos os invernos acontecem e que acabamos por ser com eles confrontados pelo menos através dos media. Como forma de contrariar esses fenómenos indesejáveis todos nós, enquanto utentes das praias, deveremos ter comportamentos adequados no sentido de evitar a degradação das dunas:

    - utilizar as passadeiras aéreas quando existam, caso contrário utilizar os trilhos já existentes sobre a duna (nunca traçar novos trilhos);
    - não passear ou apanhar banhos de sol nas dunas, não andar a cavalo e de veículos motorizados;
    - não colher a vegetação das dunas;
    - chamar a atenção de amigos e familiares para a correcta utilização das dunas;
    - tomar conhecimento e respeitar a legislação que existe para efeitos de protecção das dunas.

    A protecção do ambiente começa em cada um de nós pela adopção de comportamentos correctos e educando os outros!



    Dunas
    António Jorge Gabriel
    Maria Carolina Farias

  3. #3

    Registo
    Apr 2008
    Idade
    33
    Posts
    3.080

    Padrão Dunas: Como se formam, os seus valores e sensibilidade


    Como se formam?



    As dunas formam-se com quatro componentes. Areia seca, vento, uma superfície de deposição e um pequeno obstáculo (como uma pedra ou uma planta).

    O pequeno obstáculo é indispensável para criar condições de adesão a barlavento (donde o vento entra) e de protecção a sotavento (donde o vento sai), permitindo assim que a areia transportada pelo vento comece a juntar-se, criando um "montinho".


    Com a continuação do processo esta pequena acumulação de areia começa ela própria a tornar-se um obstáculo, pelo que, se continuar a haver vento na mesma direcção e areia suficiente, a continuação do processo criará uma duna.

    À medida que a duna cresce, começa também uma migração da mesma para sotavento, provocada pelos movimentos dos grãos de areia empurrados pelo vento da face exposta, caindo depois para a face protegida. É por isso que elas têm ângulos diferentes, mais suave na face a barlavento, mais inclinada a sotavento.




    Existem vários tipos de dunas, mas todas têm estes princípios de formação e evolução. Normalmente as dunas junto ao mar, dada a direcção mais ou menos constante do vento, formam zonas de dunas transversas, quer dizer compridas e transversais ao sentido do vento, paralelas entre si.





    As dunas formam-se, como visto atrás, essencialmente onde houver areia e vento, ou seja, junto a zonas litorais e nas zonas interiores, nos desertos. Em Portugal existem apenas dunas com extensão considerável na zona litoral, como é o caso das dunas da Costa da Caparica.


    2. O que são e como se formam os sistemas dunares?

    Os sistemas dunares são conjuntos de dunas organizados principalmente de acordo com as condições de vento de um dado local e, visto que estas raramente aparecem isoladas, constituem a forma mais comum de ocorrência das dunas.

    Nas zonas litorais, o sistema dunar forma-se com o aparecimento de uma acumulação de areia, de acordo com o descrito no ponto 3., na zona mais próxima à água, mas fora da zona de rebentação. Esta duna vai aumentando e movimentando-se no sentido do vento - em Portugal normalmente do litoral para o interior - da forma referida.




    O afastamento assim feito da zona mais próxima ao mar, pode deixar espaço para aparecimento de outras acumulações de areia nesse mesmo local, que começam a “bloquear” o vento que empurra a duna inicial. Esta diminuição do vento pode criar as condições para que uma duna inicial, mais afastada agora do mar, comece a estabilizar e a ser recoberta com vegetação, fixando-se.

    Este processo pode ir acontecendo até que todo um sistema dunar esteja fixo, quer por razões naturais, quer por intervenção humana através de plantações de espécies vegetais fixadoras (o que aconteceu nas dunas da Costa da Caparica durante o século XX).

    Dada a fixação das dunas mais em terra, a duna mais junto ao mar adquire o seu perfil de equilíbrio, que embora variando ao longo do ano face à proximidade da rebentação e como tal à disponibilidade de areia na praia, mantêm-se também mais ou menos constante num dado local e permitindo assim o início da sua fixação pelas plantas.

    Neste sistema dunar assim criado, à duna mais próxima ao mar chama-se “duna primária”, à duna seguinte “duna secundária” e à zona entre elas “espaço inter-dunar”.




    Os sistemas dunares podem ser muito complexos e extensos, como é o caso da Costa da Caparica onde o mesmo se desenvolve desde o mar até ao topo da arriba fóssil, numa extensão que chega a ser de quase 1,5 quilómetros e que ronda em média cerca de 1 quilómetro. Este sistema dunar tem (ou teve quando todo existia) um comprimento de cerca 13 quilómetros, desde a Cova do Vapor até à Mina do Ouro, a sul da Fonte da Telha.


    3. Como deve ser ordenado um sistema dunar?

    Com os conhecimentos anteriores sobre a criação das dunas, da sua relação dinâmica com o vento e a fragilidade das plantas estabelecidas dadas as difíceis condições de sobrevivência das mesmas nas dunas, podemos estruturar o uso potencial dos sistemas dunares fixos da seguinte forma:

    • Praia – tolerante ao recreio
    • Duna primária – muito sensível; intolerante ao recreio, à construção e as passagens só podem ser pedonais e se intensas sobrelevadas
    • Espaço interdunar – sensível, mas tolerante a certos usos recreativos e instalação de construções leves
    • Duna secundária – muito sensível; intolerante ao recreio, à construção e as passagens só podem ser pedonais e se intensas sobrelevadas
    • Zona pós-dunar – tolerante ao recreio e construção, tendo em conta as capacidades de carga, níveis freáticos e outros parâmetros biofísicos.

    Esta é a distribuição natural das ocupações em função do valor e sensibilidade do sistema dunar. Qualquer outra situação implica sempre impactes significativos ao nível da utilização do património colectivo que esses sistemas constituem.

    São por isso sempre indicados esquemas de ordenamento que afastem edificações das dunas, como é o caso da Carta Europeia do Litoral, Decreto-Lei nº 302/90 de 26 de Setembro (princípios a que deve obedecer a ocupação, uso e transformação da faixa costeira) e dos modelos de ocupação do território, de que aqui se transpõe um exemplo.


    É preciso não esquecer a importância cada vez maior que as dunas, principalmente as dunas primárias, têm como “tampão natural” à violência das ondas, criando com elas um equilíbrio dinâmico – recebendo, armazenando e largando areia - que protege os usos do solo a sotavento e que implica sempre a sua conservação, bem como da duna secundária associada.

    Sem este sistema e em situações de litoral “agressivo” e níveis de subida médios do mar inquestionáveis, a preservação das dunas ganha dimensões tanto estratégicas na defesa de pessoas e bens como ecológicas de defesa de um sistema sensível ás alterações que o Homem faz.


    4. Como é que os sistemas dunares são destruídos?

    As dunas são sistemas instáveis, mesmo quando estabilizadas pela vegetação, pois essa estabilização constitui um “fio-de-navalha”, que qualquer perturbação altera.

    Por exemplo, quando a vegetação é continuamente pisada a ponto de desaparecer, a areia solta não oferece resistência e o vento é rápido a explorar um caminho preferencial, que inicia um chamado “blow-out” ou “duna em ferradura”, que avança rapidamente e que em casos extremos pode por em risco todo o sistema dunar e os usos a ele associados.

    Se o simples pisoteio pode ter estas consequências, o que dizer da instalação artificial permanente? A destruição total da vegetação em grandes áreas transforma uma duna fixa numa duna móvel, sendo assim os processos de novo dominados pela presença da areia e do vento e da relação entre eles e as estruturas ocorrentes na duna. O desfecho deste encontro de factores traduz-se quase sempre na destruição da duna e/ ou da estrutura artificial (por exemplo, por ficar enterrada na areia), com riscos de recuo da linha de costa significativos.




    5. Como é que os sistemas dunares podem ser recuperados?

    Essencialmente nas dunas mais próximas ao mar, por repor estruturas de vegetação pioneira como o estorno associadas a linhas de canas enterradas, que constituem os “obstáculos” à volta dos quais a duna se começa a criar (acção das canas) e a fixar (acção das plantas).

    Este processo de recuperação pode ser lento e obriga a uma acção de gestão e manutenção constante.

    A recuperação implica também naturalmente a retirada das estruturas construídas que provocam a destruição da duna, bem como o controlo dos acessos, que deverá ser feito por estruturas aéreas, apenas com apoios pontuais na duna (passadiços sobrelevados em madeira, por exemplo).




    Naturlink

Tópicos Similares

  1. O que são Dunas?
    Por xicca no fórum Biodiversidade
    Respostas: 1
    Último Post: 28-08-2008, 22:30
  2. Cientistas do Ceará explicam as dunas marcianas
    Por Mr.T @ no fórum Ciência
    Respostas: 0
    Último Post: 20-07-2008, 00:38
  3. A importância do cafezinho !!!
    Por v76 no fórum Arquivos
    Respostas: 2
    Último Post: 28-06-2008, 20:01
  4. Gaia: Ambientalistas denunciam apoios de praia sobre dunas
    Por Satpa no fórum Aquecimento global/Mudanças climáticas
    Respostas: 0
    Último Post: 04-06-2008, 22:53
  5. A importância dos materiais
    Por helldanger1 no fórum Corrico/Buldo
    Respostas: 0
    Último Post: 13-01-2008, 20:24

Tags para este Tópico

Permissões de Postagem

  • Você não pode iniciar novos tópicos
  • Você não pode enviar respostas
  • Você não pode enviar anexos
  • Você não pode editar suas mensagens
  •  

Conectar

Conectar