Bioinformática pode ser entendida como uma especialização da Informática, na medida em que aplica-se à informação originada pela/para Biologia . Uma definição ampla e tentativa é então: (Bio)Informática é o estudo da aplicação de técnicas computacionais e matemáticas à geração e gerenciamento de (bio)informação.

Alguns experts[1][2] brasileiros da área acreditam que a bioinformática, como se entende tradicionalmente no meio acadêmico e não pela análise da palavra, é circunscrita à Biologia Molecular as vezes ainda mais específicamente restrita à Genômica.[3] Outros acadêmicos, por outro lado, advogam a noção mais abrangente[4] do termo para algo na direção da definição envolvendo informação biológica de modo geral.

A Bioinformática combina conhecimentos de química, física, biologia, ciência da computação, informática e matemática/estatística para processar dados biológicos ou biomédicos.

Buscando tratar os dados, é necessário desenvolver softwares para, por exemplo: identificar genes, prever a configuração tridimensional de proteínas, identificar inibidores de enzimas, organizar e relacionar informação biológica, simular células, agrupar proteínas homólogas, montar árvores filogenéticas, analisar experimentos de expressão gênica entre outro sem número de aplicações.

fonte: wikipedia