Descobertas virtudes antioxidantes da planta vinca

Estudo realizado por investigadores portugueses e espanhóis valoriza as propriedades terapêuticas de uma vulgar planta de jardim.

Margarida Cardoso


A infusão de folhas de vinca é já usada no tratamento de várias doenças como diabetes, febre, reumatismo e hemorregias

O trabalho de um grupo de investigadores portugueses e espanhóis revela propriedades antioxidantes da vinca, uma planta originária de Madagáscar e vulgarmente plantada nos jardins.

A equipa coordenada por Mariana Sottomayor, do Instituto de Biologia Molecular e Celular (IBMC), encontrou 15 novos compostos fenólicos na vinca (Catharantus roseus) que poderão ser usados na indústria alimentar e cosmética.

A presença destes compostos tem maior incidência nas pétalas e sementes da flor e poderá aumentar a rentabilidada da sua cultura, indica o estudo publicado no 'Journal of Agricultural and Food Chemistry'.

A infusão de folhas de vinca é já usada no tratamento de várias doenças como diabetes, febre, reumatismo e hemorregias.

No currículo desta planta está, também, a descoberta da vincristina e vinblastina, os primeiros compostos anticancerígenos de origem natural com utilização clínica.

Na base do trabalho agora revelado pelo IBMC está, precisamente, uma pesquisa sobre o potencial da planta para produzir compostos até agora pouco investigados. O seu resultado vem, assim, valorizar as aplicações da vinca, já com vastas plantações em todo o mundo, em especial no hemisfério sul, desde que foi conhecido o seu poder anticancerígeno.

No entanto, são precisas várias toneladas da planta para produzir alguns miligramas dos alcaloides anticancerígenos.


Expresso