São de poucas falas e quando entram para assaltar agridem logo com um pé-de-cabra. Foi assim em Janeiro de 2008, quando o dono de uma ourivesaria em Coruche ficou sem parte da massa encefálica depois de ter sido golpeado na cabeça. E, acreditam as polícias, voltou a ser assim na quarta-feira, com o ataque ao proprietário e funcionária de uma ourivesaria em Aveiras de Cima, Alenquer.



A pronúncia estrangeira dos dois assaltantes, a forte envergadura física de um deles (mais de 1,90m) e a violência do ataque de quarta-feira à tarde são todos comuns à acção do gang de romenos que o CM denunciou em Novembro passado.

Responsáveis, entre Novembro de 2007 e Abril de 2008, por uma vaga de assaltos a ourivesarias de Lisboa, Santarém, Leiria e Setúbal, os seis romenos foram detidos pela PSP de Lisboa, que os surpreendeu após um furto numa loja de roupa de noiva, tendo todos ficado então detidos. O Ministério Público acusou-os somente por este crime, e como resultado foram todos condenados a penas suspensas.

O grupo aproveitou para voltar aos assaltos e, desde Outubro de 2008 (data do último roubo, numa ourivesaria do Pinhal Novo), que não davam sinais de vida. A GNR acredita agora que o grupo terá reentrado em Portugal e os seis assaltantes romenos contam já com mandados de detenção.
Miguel Curado