Corrige das quedas recentes

O petróleo seguia a negociar em leve alta nos mercados internacionais, a corrigir das quedas recentes. A animar a matéria-prima está a desvalorização do dólar, divisa em que é negociada, o que a torna mais atractiva para os investidores. Na sessão de hoje, a divulgação do relatório semanal das reservas petrolíferas americanas deverá condicionar a negociação do “ouro negro”.

O West Texas Intermediate, negociado em Nova Iorque, somava 0,74% para os 50,29 dólares, depois de ter desvalorizado mais de 3% nas últimas duas sessões. Já o Brent do Mar do Norte, transaccionado em Londres, avançava 0,42% para os 50,20 dólares. Nas primeiras duas sessões da semana, o crude de referência para a Europa caiu 3,25%.

A contribuir para esta evolução da matéria-prima estava o recuo do dólar face ao euro, que aumentava o apelo das matérias-primas como activo “refúgio”. O euro seguia a apreciar 0,25% para os 1,3182 dólares.

Hoje será divulgado o relatório semanal de reservas petrolíferas do Departamento de Energia norte-americano. Os analistas contactados pela agência Bloomberg esperam que os inventários de crude avançaram em 1,8 milhões de barris na semana passada. Estas reservas avançaram para 370,6 milhões de barris na semana terminada a 17 de Abril, o valor mais alto desde Setembro de 1990.

Os mesmos responsáveis esperam que os “stocks” de gasolina tenham crescido em 200 mil barris na última semana. Enquanto os inventários de destilados terão subido em um milhão de barris.

Jornal de Negócios