Principais ecografias a fazer durante a Gravidez!

Quais são os principais exames ecográficos durante uma gravidez:


O exame do primeiro trimestre
Este deve ser o primeiro exame ecográfico da gravidez.
Recomenda-se que seja realizado entre as 11 e as 13 semanas de gestação.


Objectivos:


1) Confirmar a idade da gravidez.
2) Saber quantos fetos existem.
3) Se existir mais do que um, saber quantos sacos e quantas placentas.
4) Contribuir para a determinação do risco para um tipo específico de doença no feto Síndroma de Down - causada normalmente por uma anomalia no número de cromossomas, trissomia 21.
5) Medir a prega da nuca - translucência nucal.
6) Verificar se o feto tem batimentos cardíacos.
7) Tentar excluir algumas anomalias que se podem identificar nesta altura.


O exame do segundo trimestre


O exame do segundo trimestre Idealmente, deve realizar-se entre as 20 e as 22 semanas. É um dos exames mais exigentes, em termos de capacidade técnica de quem o efectua, embora menos importante em termos de qualidade do equipamento usado.


Objectivos:
1) Avaliação detalhada da anatomia do feto para exclusão de um conjunto importante de defeitos que podem atingir qualquer gravidez. Pretende-se, com este exame, permitir aos pais a opção de evitar o nascimento de um bebé com alguma das doenças graves que se conseguem identificar. 2) Acessoriamente, é efectuada a verificação dos batimentos cardíacos com actividade normal, líquido amniótico em quantidade normal e da normalidade do crescimento fetal através da medição de algumas dimensões do feto.
3) Confirmação do sexo do bebé, se for esse o desejo dos pais.




O exame do terceiro trimestre


O terceiro exame ecográfico realiza-se entre as 28 e as 32 semanas de gravidez. O principal objectivo deste exame é avaliar aquilo que é secundário no exame do segundo trimestre.
Objectivos:
1) Avaliação do crescimento fetal através da medição de algumas dimensões do bebé. Se bem que a maioria dos fetos que parecem estar a crescer pouco sejam normais, alguns poderão necessitar de avaliações complementares.
2) Verificação da presença de sinais indirectos de viabilidade e bem-estar do feto (batimentos cardíacos, líquido amniótico normais).
3) Avaliação da posição da placenta;
4) Avaliação da posição do feto;
5) Reavaliação da anatomia do feto para identificar alguns defeitos de expressão tardia ou outros que não tenham sido diagnosticados no exame anterior. De recordar que, nesta fase, muitas estruturas são já de difícil avaliação dadas as dimensões do bebé.