Alterações Climáticas: há que potenciar a Absorção Natural de Carbono

Filipa Alves



De acordo com os resultados de um relatório do Programa de Ambiente das Nações Unidas apresentado na sexta-feira, dia Mundial do Ambiente para além da redução das emissões de gases de efeito de estufa é necessário potenciar a capacidade natural de absorção de carbono para lutar contra as Alterações Climáticas.

“A salvaguarda e a restauração do carbono em 3 ecossistemas – florestas, turfeiras e sistemas agrícolas pode ao longo das próximas décadas ser responsável pela absorção de 50 biliões de toneladas de emissões de carbono que de outro modo entrariam na atmosfera: outros habitats como as pastagens e ecossistemas costeiros como os mangais podem também ser importantes” afirmou o director executivo do Programa de Ambiente da Nações Unidas (UNEP), Adam Steiner. O relatório acrescenta que a redução das emissões de carbono “será impossível sem abordar as perdas de carbono por parte dos ecossistemas como florestas e turfeiras. A gestão dos ecossistemas relativamente ao carbono pode não só reduzir as emissões mas também remover de forma activa dióxido de carbono da atmosfera”.

“Os múltiplos benefícios de tais investimentos vão desde a melhoria da qualidade de vida e criação de emprego nas áreas da Conservação, Gestão e Recuperação até à inversão da tendência de perda da biodiversidade e aumento das reservas de água e estabilização dos solos” de acordo com Steiner.

No entanto a Greenpeace alerta que a capacidade natural dos ecossistemas de absorver carbono não é uma prioridade durante as negociações entre governos prévias à Conferência Internacional sobre Alterações Climáticas de Dezembro em Copenhaga.

Fonte: Inter Press Service
Naturlink