Estranho prazer de mudar

Numa compulsão sem pretexto algum

Mãos deslizam em contra-capa translúcida

Esvoaçam folhas espasmos

Na incerteza

Venha um espírito pranto

Apressadamente

Fundem-se setas numa só culpa

No lado de cá

O alvo sou eu.