Um intervalo inferior a 12 meses entre um parto e a concepção seguinte aumenta os riscos de parto pré-termo.

Um intervalo muito curto ou muito longo entre a gravidezes aumenta os riscos de parto pré-termo e de problemas de saúde para o bebé. Numa investigação recente de uma equipa da Universidade de Washington (mais concretamente do seu Centro de Investigação para o Parto Pré-termo) foram avaliadas mais de 156 mil mulheres que tiveram dois partos entre 1989 e 1997. Foram tidos em conta os intervalos entre as duas gravidezes, a forma como decorreu o segundo parto e a saúde dos segundos filhos. Os investigadores concluiram que:

- Um intervalo de menos de seis meses ente um parto e a concepção seguinte aumenta 41 por cento o risco de parto pré-termo (antes das 35 semanas de gestação).
- Um intervalo entre seis e 12 meses aumenta 14 por cento o risco de parto pré-termo.
- Um um intervalo entre 12 e 18 meses não implica risco aumentado de parto pré-termo.

Emily DeFranco, a médica que liderou a pesquisa, aconselha as mulheres a esperar pelo menos 12 meses ente um parto e a predisposição para engravidar novamente. Torna-se ainda mais importante seguir este conselho, no caso das mulheres que tiveram um parto pré-termo anteriormente. Para essas, os riscos são ainda mais elevados.

Engravidar com menos de um ano de intervalo aumenta os riscos de parto pré-termo pois não há tempo suficiente para o organismo da mãe recuperar, a nível, nutricional, da gravidez anterior.