O deserto avança em direcção às estepes da Mongólia, situação que preocupa o Governo. Mas não só. Ban Ki-moon, secretário-geral da ONU que está de visita de dois dias ao país, falou hoje das alterações climáticas e mostrou vontade em ajudar as autoridades a enfrentar os seus efeitos.

Na capital Ulan Bator, Ban Ki-moon esteve reunido com o primeiro-ministro Sanj Bayar e com o Presidente recentemente eleito Tsakhiagiin Elbegdorj.

“Nenhum país é poupado” às alterações climáticas, considerou Ban, depois daquela reunião. “Vocês fazem parte de um terço da população mundial – dois mil milhões de pessoas – que são vítimas potenciais da desertificação”, acrescentou.

O principal objectivo da visita de Ban à Mongólia é ajudar as comunidades locais a adaptarem-se aos efeitos das alterações climáticas, para que possam enfrentar condições meteorológicas extremas e outras consequências. Mais concretamente, Ban falou com Bayar e Elbegdorj sobre formas para garantir a continuidade do abastecimento de alimentos nas zonas mais vulneráveis.

Actualmente, as estepes – planícies cobertas de vegetação rasteira – estão a recuar em três quartos do país. Sete por cento da sua superfície já foram tomados pelo avanço do deserto de Gobi.

Ontem, Ban visitou as estepes mongóis e foi ao encontro de pastores nómadas na região de Bayansonginot que sofrem, cada vez mais, com a desertificação e a falta de água. “É preciso aprender com as pessoas que já estão a ser vítimas das alterações climáticas”, comentou Michele Mintas, porta-voz de Ban. Esta comunidade está a ser ajudada, no âmbito de um programa financiado pela Holanda, para desenvolver novas fontes de receitas, como o artesanato ou a cultura de legumes.

“Ouvi os muitos problemas destas comunidades que lutam para se adaptar às alterações ambientais. Admiramos a sua resiliência e a sua força moral”, contou Ban em conferência de imprensa.

A comunidade internacional quer encontrar o sucessor do Protocolo de Quioto, que expira em 2012, durante uma conferência da ONU a realizar no final do ano em Copenhaga.
publico