Vice espanhola diz que negar mudança climática é "insensato"

A primeira vice-presidente do Governo espanhol, María Teresa Fernández de la Vega, chamou nesta terça-feira de "insensatos" os que negam ou ridicularizam a mudança climática e pediu que este desafio seja enfrentado com atitudes distantes do "fundamentalismo neoliberal". Fernández de la Vega falou hoje sobre o assunto no Palácio Itamaraty, em Brasília, onde destacou que a ameaça representada pela mudança climática é uma realidade cientificamente comprovada.

"Os que ainda se empenham em negá-la, ridicularizá-la ou minimizá-la incorrem na mesma insensatez dos que rejeitavam a validade da teoria heliocêntrica no século XVI", insistiu. A primeira vice-presidente espanhola considerou que a mudança climática não é a causa da atual crise econômica e nem vice-versa, mas disse que há semelhanças entre suas causas e suas consequências.

Para ela, "a depredação do capital econômico tem a mesma base que a depredação do capital ecológico, construída sobre o individualismo extremo, o egoísmo e a irresponsabilidade elevadas à categoria de virtudes sociais e econômicas". Essa visão do mundo, disse Fernández de la Vega, reduz os cidadãos a consumidores, o meio ambiente a mercadoria e as vidas humanas a números em uma estatística ou em um balanço de custo-benefício.

Segundo a primeira vice-presidente espanhola, essa "concepção depredadora do mundo, da vida e da sociedade" é o dogma imposto durante anos pela ortodoxia do fundamentalismo neoliberal. Por isso, Fernández de la Vega considerou que responder à crise ecológica, assim como à crise econômica, exige olhar para o mundo, compreendê-lo e relacionar-se com ele de uma forma muito diferente da proposta pelo neoliberalismo.

A vice-presidente espanhola alertou que qualquer solução da crise econômica que não incorporar a luta contra a mudança climática será inválida e defendeu uma estratégia em comum de União Europeia, América Latina e Caribe, diante da questão. Nesse contexto, atribuiu ao Brasil e à Espanha um papel de destaque na tarefa de aproximar posições e expressou sua esperança quanto aos resultados da cúpula da ONU sobre o clima, marcada para dezembro em Copenhague, apesar das diferenças entre alguns países.

Para Fernández de la Vega, os países avançados devem ser os primeiros a dar o exemplo, reduzindo drasticamente suas emissões e apostando pelas energias limpas.


EFE