Paul McCartney poderá dentro de nove anos reclamar os direitos autorais das músicas dos Beatles, noticia a agência «Reuters».

Paul e John Lennon, que eram os principais compositores da banda, perderam os direitos de autor em 1985, quando Michael Jackson comprou o catálogo da banda de Liverpool. Os Beatles tinham 250 canções escritas na sua maioria por John Lennon e Paul McCartney.

Jackson vendeu metade dos seus direitos à Sony, em 1995, mas ainda facturava cerca de 40 milhões de euros por ano em direitos pela venda de CDs das músicas.

Na ocasião, ele superou outras ofertas num leilão, entre elas um lance do próprio McCartney para adquirir o catálogo dos «Fab Four».

O E.U. Copyright Act (Lei dos Direitos Autorais), datada de 1976, deu aos compositores a possibilidade de recuperar os direitos autorais sobre as obras gravadas depois de 1978 passados 56 anos da sua composição. Por isso, as composições dos Beatles registadas em 1962, serão elegíveis para a reversão nos Estados Unidos em 2018, enquanto as canções escritas em 1970, serão elegíveis em 2026. Ou seja, os compositores, neste caso apenas Paul, podem reclamar os direitos autorais sobre as obras.

Embora o grupo ainda tivesse junto, Lennon e McCartney começaram a perder o controlo dos direitos autorais em 1969. Foi a partir dessa altura que as músicas foram propriedade de várias editoras até serem compradas por Michael Jackson por cerca de 33 milhões de euros.

Com a morte do rei da «Pop», especulou-se se Michael deixaria em testamento os direitos autorais à McCartney. Mas, o ex-Beatle de 67 anos, vai ganhar o «jackpot» por lei.

Entretanto a Sony/ATV continua a explorar a imagem dos Beatles, mais recentemente com o videojogo baseado nas músicas dos «Fab Four».


iol