GENEBRA - Pelo menos 2.185 pessoas morreram até agora no mundo após terem contraído a gripe A (H1N1), segundo dados divulgados neste domingo (30) pela Organização Mundial da Saúde (OMS). Mais de 209 mil pessoas já ficaram doentes. Entre os casos fatais, 1.876 foram registrados no continente americano, 139 no Sudeste Asiático, pelo menos 85 na Europa, 64 nos países do Pacífico ocidental, 11 na África e dez no Oriente Médio.

Em seu informe, a entidade faz um alerta aos países do Hemisfério Norte, que deverão se preparar para uma segunda onda de contágios, que chegará com o inverno.

Para a OMS, o novo surto pode afetar um alto número de pessoas e ter um impacto pior que o observado nos últimos meses, ainda na primeira fase de disseminação do vírus influenza.

Até o fim do ano, indica a organização, o vírus seguirá se espalhando em ritmo sustentável, e "um grande número de pessoas será suscetível à infecção", para as quais há o risco de que os sintomas se manifestem com mais força desta vez.

A boa notícia, porém, é que a composição genética do vírus parece não ter se modificado, segundo a OMS. "Não há sinais de que tenha ocorrido uma mutação para uma forma mais grave" da doença, afirma a entidade.


FONTE:
DCI