A Comissão de Trabalhadores e a direcção da empresa Faurecia, uma empresa de componentes automóveis fornecedora da Autoeuropa, chegaram hoje a acordo para reduzir dez dias de 'lay-off' na empresa.
"Chegámos a um acordo para reduzir de vinte para dez os dias de 'lay-off' na empresa, que serão aplicados até ao final do ano. A CT tem acesso aos resultados da empresa e tem que haver responsabilidade nas negociações, cedências de ambas as partes e este foi o acordo possível", disse à Lusa Daniel Bernardino, da CT da Faurecia.

Daniel Bernardino explicou que a decisão de suspensão de quatro dias de 'lay-off' na Autoeuropa acabou por se revelar importante no acordo conseguido entre ambas as partes, depois de várias reuniões.

"A Autoeuropa ter anunciado há alguns dias a suspensão de quatro dias de 'lay-off' ajudou na decisão, assim como a ligeira recuperação do mercado automóvel europeu", referiu.

Na terça-feira os trabalhadores da Faurecia decidiram dar luz verde à Comissão de Trabalhadores para avançar com um pré-aviso de greve, depois de terem feito uma votação onde 85,2 por cento dos trabalhadores votaram a favor.

"Já divulgámos um comunicado junto dos trabalhadores e parece-nos que, na generalidade, estão satisfeitos. Nesta altura está posta de parte a hipótese de se avançar para um pré-aviso de greve", cocnluiu.

A CT da Faurecia anunciou a 25 de Agosto que a administração da empresa iria avançar com 20 dias de 'lay-off' nos próximos seis meses.

A decisão de aplicar o 'lay-off' implica um corte salarial entre 18 a 20 por cento, o que pode representar, em média, entre 50 a 60 euros por dia.

Se forem aplicados entre três a quatro dias por mês de 'lay-off', cada trabalhador pode, em média, receber menos 180 a 240 euros mensais, referiu a CT.

Diário Digital / Lusa