Os alegados membros da ETA detidos em Portugal foram identificados como Garikoitz García Arrieta e Iratxe Yáñez Ortiz de Barron, estando esta última numa lista de suspeitos de acções da organização levadas a cabo em Julho de 2009.
A segunda suspeita foi localizada pela GNR no município de Vila Nova de Foz quando viajava com documentação falsa Em comunicado, o Ministério do Interior espanhol explica os contornos da operação que, primeiro, levou ao controlo da viatura em que seguia um dos detidos, uma carrinha com explosivos e depois à detenção dos dois suspeitos em Portugal.

O governo afirma que a carrinha, que era conduzida por Garcia Arrieta, que estava carregada com explosivos e que levantou suspeitas por ter matrícula francesa, foi interceptada em Bermillo de Sayago (Zamora), num ponto de controlo da Guarda Civil.

Enquanto os agentes inspeccionavam a carrinha o condutor entrou no carro de patrulha policial e fugiu em direcção a Portugal. De imediato, foram accionados os protocolos de cooperação transfronteiriça tendo a GNR localizado a viatura cerca de 01:20 depois e detido o condutor.

A segunda suspeita foi localizada pela GNR no município de Vila Nova de Foz, quando viajava com documentação falsa num veículo também com matrícula francesa. Segundo o Ministério do Interior, Iratxe Yáñez Ortiz de Barron tem antecedentes por ter reunido informações sobre eventuais alvos políticos, militares ou policiais da ETA. A sua foto estava incluída na última lista de fotografias distribuídas pelo Departamento do Interior de alegados envolvidos nos atentados de Julho do ano passado em Burgos e Calviá.

Na carrinha interceptada, foram encontrados cerca de dez quilos de explosivos, bidões e material para fabrico de engenhos explosivos, três armas de vários calibres, documentação variada e matrículas francesas.

No veículo que conduzia Yáñez foram encontrados bilhetes de identidade, passaportes e documentação francesa, um computador portátil e uma câmara digital.

Diário Digital / Lusa