Um novo balanço do Ministério do Interior eleva para 41 o número de mortos no ataque perpetrado por uma mulher-bomba contra peregrinos xiitas que seguiam a pé para a cidade sagrada de Kerbala.
O ataque no norte de Bagdad, capital do Iraque, deixou ainda 106 feridos.

«O balanço mais recente é de 41 mortos e 106 feridos no ataque, que foi executado por uma mulher-bomba», afirmou uma fonte do ministério, que destacou a presença de muitas crianças e mulheres entre as vítimas.

O ataque aconteceu durante uma das etapas da peregrinação, na qual os viajantes recebem bebidas.

Centenas de milhares de peregrinos xiitas chegam desde há vários dias à cidade sagrada xiita de Kerbala, 110 quilómetros a sul de Bagdad.

A 5 de fevereiro, celebrarão o 40º dia da morte de Hussein, neto de Maomé e filho de Ali, morto no ano 680 pelas tropas do califa Yazid numa batalha no deserto de Kerbala.

Segundo a tradição, os fiéis viajam a pé até esta cidade e flagelam-se em sinal de arrependimento por não terem ajudado o imã (ministro da religião muçulmana). Todos os anos, o Iraque reforça a segurança em Kerbala com dezenas de milhares de soldados e polícias. Os atentados terroristas, a maioria de autoria dos sunitas, ainda são comuns.

O Iraque tenta deixar para trás uma história de mortes e violência sectária com os avanços conquistados nos últimos dois anos e a recuperação do controlo da segurança com a saída das tropas norte-americanas.

As mortes violentas no Iraque em Janeiro chegaram a 196, praticamente a mesma quantidade registada em Janeiro de 2009 (191), segundo dados oficiais anunciados no domingo.

dd.