O INE reportou hoje um défice de 9,4% do PIB referente a 2009, uma décima acima do valor estimado pelo Governo, uma diferença que o primeiro-ministro recusa ser um erro do Governo, pois resulta de uma revisão em baixa do valor do PIB do último trimestre de 2009.

A diferença de uma décima no valor do défice de 2009 deve-se ao facto de o valor do PIB no último trimestre do ano passado ter sido “revisto em baixa pelo INE”, respondeu José Sócrates, quando questionado pela SIC Notícias se tinha havido erro do Governo no apuramento do défice do ano passado.

Já depois de o Governo ter apresentado uma estimativa de défice de 2009 nos 9,3% do PIB – o INE reviu a estimativa para o comportamento da economia portuguesa no quarto trimestre, alterando a previsão de estagnação para uma queda de 0,1%.

Esta redução no valor do PIB do quarto trimestre fez com que o mesmo valor de défice representa uma maior percentagem do PIB.

O valor do défice hoje anunciado pelo INE, de 9,4% - o registo mais elevado de sempre – insere-se no âmbito do reporte do instituto a Bruxelas. No documento, o INE mantém o valor da estimativa para este ano, nos 8,3% do PIB.

O défice de 2009 mais do que triplicou face ao do ano anterior: foi, afinal, de 15.426 milhões de euros, o equivalente a 9,4% do PIB, e não a 9,3%. Também o défice orçamental estimado para 2008 já não é de 2,6%, como inicialmente reportado, nem de 2,7% para o qual tinha sido, entretanto, revisto, mas de 2,8% do PIB. No reporte hoje enviado a Bruxelas, o INE mantém como previsão um défice de 8,3% até ao fim de 2010, como consta do Orçamento do Estado.

Fonte: Jornal de Negócios