O Keefe, Bruyette & Woods (KBW) reviu em baixa o preço-alvo do Banco Comercial Português (BCP) em 6,6% para 0,85 euros, depois de ter feito ajustes à avaliação do banco.

De acordo com uma nota de análise, a que o Negócios teve acesso, a casa de investimento cortou de 0,91 euros para 0,85 euros o preço-alvo do BCP para o final de 2011, mantendo a recomendação em “market perform”. O novo “target” confere às acções do banco um potencial de valorização de 37,5% face ao valor a que as acções fecharam a negociar na sessão de hoje.

Os analistas explicam que a avaliação do maior banco privado nacional “é baseada na avaliação da soma das partes usando as médias da indústria das principais geografias do grupo”.

Na nota de “research”, é explicado que, entre outros factores, a casa de investimento “ajustou as perdas do fundo de pensões e os ganhos latentes no ‘portfolio’ da acção”.

Os analistas realçam que “os principais riscos para a avaliação são: a pressão significativa das margens, um abrandamento económico impetuoso em Portugal ou um impacto negativo nas actividades de negociação do banco devido ao aumento da volatilidade nos mercados de capitais”.

Além destes factores, uma “erosão adicional das finanças públicas portuguesas e o risco para o capital dos investimentos” são outros dos riscos para avaliação do banco.

As acções do BCP fecharam a sessão de hoje a perder 3,29% para 0,618 euros.


Fonte: Jornal de Negócios