Margarida Bartolomeu encontrada morta em casa com sinais de estrangulamento
Bióloga portuguesa assassinada no Brasil

A luta pela preservação ambiental e denúncia de invasões de áreas preservadas podem ter estado na origem do homicídio da bióloga portuguesa Margarida Matos Bartolomeu, 49 anos, encontrada morta na sua casa em São Pedro da Aldeia, no litoral do estado do Rio de Janeiro, sexta-feira. Vivia ali há muitos anos e influenciava sectores da sociedade local contra especuladores que devastavam reservas ambientais, o que lhe causava inimizades.

Além de marcas de estrangulamento, evidenciava pancadas na cabeça. Os vizinhos chamaram a polícia, devido ao cheiro que saía da casa e pelo estado do corpo a morte deverá ter ocorrido dois dias antes da descoberta. O carro e a mota da bióloga desapareceram – o que pode indiciar uma tentativa de desviar o foco da investigação para o roubo. Margarida fazia pesquisas marinhas, tinha uma fábrica de gelo e fundou a organização não governamental Imar.


Correio da Manha