Reino Unido: Mantém-se incerteza sobre futuro governo
Brown renuncia e atrai liberais

O primeiro-ministro britânico acabou por ceder às pressões dos seus correligionários críticos, que o acusam de estar apegado ao poder, e anunciou que vai renunciar à liderança do Partido Trabalhista. O anúncio de Gordon Brown tem um objectivo claro: facilitar um eventual acordo com os liberais-democratas, que ontem pareciam estar prestes a coligar-se com os conservadores de David Cameron.

"Não desejo manter-me no cargo por mais tempo do que o necessário para assegurar o crescimento económico e a reforma eleitoral. Enquanto líder do meu partido tenho de aceitar que os resultados eleitorais são um julgamento sobre a minha actuação. Pretendo por isso pedir ao Partido Trabalhista que dê início ao processo de eleição", afirmou Gordon Brown.

O líder trabalhista tentou resistir a este desfecho enquanto pôde, chegando a negociar em segredo com Nick Clegg, sem sucesso. Este já tinha deixado claro que enquanto Brown estivesse na chefia do governo não haveria acordo possível.

Quando, ao princípio da tarde de ontem, foi anunciado que conservadores e liberais estavam à beira de um acordo de coligação, as pressões sobre Brown tornaram-se insustentáveis, sobretudo quando se soube que havia divisões nos liberais, com alguns deputados a pedirem esclarecimentos adicionais sobre uma eventual aliança com os tories. Após a saída de Brown, os liberais mostraram-se de imediato disponíveis para dialogar com o Labour, levando os tories a contra--atacar com uma proposta de referendo à lei eleitoral, a principal bandeira política dos liberais.

Nick Clegg tem agora a última palavra.


Correio da Manha