Medicamentos hospitalares em oncologia e sida
Pagamos mais pelos remédios

Medicamentos usados em Oncologia e no tratamento da sida em meio hospitalar custam mais em Portugal do que em países como a França ou a Espanha. Estas são contas feitas pelo Bloco de Esquerda, que ontem requereu a apreciação parlamentar do decreto-lei que revê o sistema de comparticipação do Estado nos medicamentos. O BE acredita que as novas regras resultarão em aumento da despesa, "colocando em causa a sustentabilidade do financiamento público de medicamentos".

Um dos exemplos de diferença de preço implica a capecitabina 500 mg, administrada a doentes com cancro, cuja apresentação em 120 comprimidos é vendida por 443,63 euros em Portugal, 348,18 em França e 344,04 em Espanha. Na área da sida, merece destaque uma associação de substâncias que, em 30 comprimidos, custa 801,33 euros em Portugal, 701,08 em Espanha e 700 em França.

Ao CM, fonte do Infarmed confirmou as diferenças detectadas, esclarecendo que "as decisões de preços e financiamento público de medicamentos são da responsabilidade de cada país, diferindo, de país para país, os critérios, procedimentos e regras em função da metodologia adoptada."


Correio da Manha