Pescadores espanhóis detidos com explosivos para apanhar sardinha


A Guarda civil espanhola realizou, ontem, terça-feira, uma busca nos porto de Vigo e Portonovo, durante qual foram detidos nove pescadores por posse de um total de dez quilos de explosivos e 400 detonadores. Os pescadores detidos planeavam pescar sardinhas junto a águas portuguesas, onde tradicionalmente se faina nos dias anteriores ao S. João.

Fontes ligadas à megaoperação da Guarda Civil confirmaram, ao jornal “Voz de Galicia” a suspeita de que os explosivos apreendidos seriam utilizados na pesca ilegal, devido ao aumento de procura por causa das festas do S. João, no Porto.

Os explosivos não se encontravam dentro dos barcos, mas em terra, escondidos em baixo das redes.

Os agentes da Guarda Civil notificaram quatro embarcações os “Nueva Herminia”, “Andreu Tres”, “Nuevo Diego David” e o “Loreto IV”, o único que saiu ontem para o mar. Os outros três foram apreendidos pelas autoridades, por apresentarem diversas irregularidades detectadas pela Guarda civil na operação.

Um dos tripulantes do“Nuevo Diego David” foi apanhado a tentar atirar o colete com vários cartuchos ao mar, quando foi surpreendido pelas autoridades.

O barco “Andreu Tres” estava já referenciado, por já ter sido apanhado a pescar ilegalmente em águas portuguesas.

"A dinamite usava-se anteriormente em todo Mundo, uma vez deixa as sardinhas desorientadas e as impossibilita de fugir do cerco", explicou um pescador, citado pela “La Voz de Galicia”.

Os detidos incorrem nos crimes de posse ilícita de explosivos e atentado contra o meio ambiente.

A Guarda Civil espanhola utilizou na operação sete veículos, 45 agentes fardados e 45 à paisana, no porto de pesca O Berbés, antes dos barcos saírem ao mar.

J.Noticias