O facto do líbio Abdelbaset Megrahi se encontrar em liberdade é uma afronta às vítimas do atentado de Lockerbie pelo qual foi condenado a prisão perpétua, antes de ser libertado por razões de saúde em 2009, afirmaram segunda-feira os Estados Unidos.
«Cada dia que vive como homem livre é uma afronta às famílias e às vítimas do voo Pan Am 103», considerou Philip Crowley, o porta-voz do departamento de Estado norte-americano.

Megrahi foi condenado em 2001 pelo atentado à bomba perpetrado em 1988 contra um Boeing 747 sobre a cidade escocesa de Lockerbie, que provocou 270 mortos.

A justiça escocesa provocou a cólera dos Estados Unidos libertando-o, pelo facto de sofrer de um cancro terminal, e para lhe permitir «morrer na Líbia». Mas o condenado pode viver dez anos ou mais, considerou, no principio de Julho, o oncologista que anteriormente lhe prognosticou apenas três meses de sobrevivência.

Quatro deputados norte-americanos escreveram à secretária de Estado norte-americana, Hillary Clinton, para questionar estas novas avaliações.

Diário Digital / Lusa