Boas Pessoal,

Existe uma grande confusão no mercado de informações quando se procura bons produtos para limpeza e protecção da pintura automotiva.
Regra geral, todas as actuais pinturas são “aquosas” pelo que não contêm na sua composição químicos considerados de risco ambiental ou humano. Essa pintura que afinal tem a dupla finalidade de embelezar e proteger poderá durar muito mais tempo se tiver bons cuidados com a mesma.

Note-se bem que muitos dos rótulos dos produtos em geral são medíocres em muitos casos e apenas fazem promessas e garantem ser os melhores do mercado ou durar mais que outros produtos concorrentes. Boa parte de muitos produtos de proveniência estrangeira e cujos rótulos são descritos noutras línguas e possuidores de rótulos de traduções rápidas, à parte, para o nosso português tem sido a causa resultante de muitos estragos involuntários na pintura que apesar de não serem visíveis de imediato e após prolongada utilização estão lentamente e invisivelmente a provocar o desaparecimento da camada protectora da pintura.

Este estrago, evitável em todos os sentidos, começa a ser feito de forma microscópica e apesar do “alto brilho” que a tinta apresenta após a aplicação dos produtos no fim e ao cabo estão a contribuir para o desgaste abrasivo da superfície.

Com a acção do próprio Sol (carregado de raios ultravioleta de várias espécies e o próprio calor que emite sobre as superfícies obrigando à dilatação) e a acção da Chuva (carregada de inúmeras impurezas e obrigando à contracção) a reacção dos químicos que compõem a maioria dos abrilhantadores faz com que a combinação dos componentes naturais do ambiente de quente e frio e a química destrua em conjunto e numa combinação a passos largos a pintura.

A ferrugem que aparece aqui e ali de forma dissimulada, a tinta opaca que começa a destoar e o visível desgaste são os factores que contribuem para a desvalorização do automóvel quando este é posto à venda pelos seus proprietários.

Mas quem sabe quanto custa nos tempos actuais repintar um automóvel acaba por descobrir que muitas acções praticadas sobre a pintura é que causaram a maioria dos estragos e que nem sempre tais estragos se devem ao tempo de uso nem à acção natural e climática.

Poucos produtos trazem informações úteis e totalmente objectivas e passam a ideia imediata de que o produto é bom para tudo e para todos tanto em usos internos quanto usos externos. Raramente as embalagens trazem todas informações precisas de quando o produto deve ser ou não usado e as quantidades nem sempre são respeitadas, pois, pelos seus utilizadores seja por falta dessa informação escrita nas embalagens ou seja porque há uma tendência pessoal de livre pensamento a ignorar a medida correcta nessas aplicações.

Note bem que o uso de ceras e polidores obedece a um segredo que muito raramente é mencionado em público e esse é o de que a mudança de uma marca para outra não é conveniente uma vez que cada um deles contêm, de fábrica, uma preparação química diferente e cujas fórmulas de medida, peso e efeitos finais pretendidos são, pois, totalmente desiguais de marca para marca.

Use uma só marca desde a primeira vez até ao fim e se tiver necessidade de mudar de produto por razões de não haver mais essa marca, escolha outra sempre com a mesma consistência que a primeira. Mas, para isso, terá que ter em atenção à embalagem inicial e tentar obter as restantes sob as mesmas designações de abrilhantador, massa de polir e as qualidades de fino e grosso. A mistura de podutos resultará no conjunto de químicos diferentes que contribuirão para agravar situações que se pretendiam fazer desaparecer.

Na minha profissão usa-se somente 3 qualidades para o tratamento garantido da pintura e contínuo uso ao longo da vida útil da pintura. A maioria dessas massas de polir que têm a função de corte (desaparecimento total dos riscos), recuperador (protecção geral da pintura) e, finalmente, função de abrilhantador (protecção estanque contra raios solares e a água) não se encontram, pois, à venda ao público.

Quem já observou de perto as viaturas de luxo e até mesmo os carros que pertencem à classe dos governantes não poderá deixar de se interrogar como é possível tal efeito e qual terão sido os produtos usados.

Mas o seu segredo é bem simples de entender e não reside só na qualidade das tintas em termos de elas serem de alto brilho, brilho directo e qualidades ou sobre camadas de verniz umas em cima das outras (o Jaguar contêm á superfície até 5 a mais camadas de verniz anti-risco). O seu segredo reside, pois, na resina que existe nesses produtos e cujo poder é o de não sair com a água porque aderem à superfície por longos períodos de tempo, não são abrasivos e por isso não atacam a superfície inicial e oferecem mais do que qualquer outra cera ou polidor.

A seguir – Tipos de Produtos