Ainda os incidentes no jogo com a sérvia

A Federação Italiana de Futebol (FIGC) poderá sofrer sanções por parte da UEFA por ser o organizador do jogo Itália-Sérvia, em Génova, interrompido aos seis minutos devido a distúrbios causados por adeptos sérvios, revelou hoje o porta-voz do organismo.

"Além da responsabilidade dos que provocam incidentes, os regulamentos da UEFA referem-se também à federação que organizar o encontro e que tem que garantir a segurança antes, durante e após o jogo", explicou Rob Faulkner à agência italiana ANSA.

A UEFA vai receber o relatório das mãos do georgiano David Petriashvili e ouvir o árbitro do encontro, o escocês Craig Thomson, antes de o comité disciplinar se reunir a 28 de outubro para tomar uma decisão, a qual poderá passar, entre outras deliberações, pela atribuição da vitória à seleção italiana por 3-0.

A Itália poderá ser multada e obrigada mesmo a disputar os seus jogos à porta fechada, enquanto a Sérvia arrisca a exclusão da fase de qualificação para o Euro'2012.

Entretanto, o presidente da UEFA mostrou-se "chocado" com os incidentes no Estádio Luigi Ferraris e pediu "tolerância zero" para a violência em recintos desportivos.

"De regresso de Holanda, vi as imagens do jogo Itália-Sérvia e fiquei chocado. Já tenho demasiadas más lembranças ligadas à violência no futebol", referiu Michel Platini em comunicado, aludindo ao "pesadelo" de Heysel, em Bruxelas, em 1985, quando era jogador da Juventus.

O responsável máximo da UEFA referiu que vai "esperar pelos resultados do inquérito" mas lembrou que a "colaboração das autoridades é a chave para combater esta calamidade".

Na terça-feira, o árbitro decidiu interromper o jogo aos seis minutos, depois de consultar os capitães das duas equipas, devido aos incidentes causados por adeptos radicais sérvios nas bancadas do Estádio Luigi Ferraris, em Génova.

Os fãs sérvios já tinham provocado distúrbios no centro da cidade (arremesso de pedras e foguetes), atos que repetiram à entrada e no interior do estádio. Estas ações levaram a um atraso de meia hora no início do jogo, o qual só durou seis minutos.

As autoridades policiais italianas detiveram 17 cidadãos sérvios, nos quais se incluiu o líder da claque "Tigres de Arkan" (nome de um conhecido criminoso de guerra no conflito na ex-Jugoslávia), Ivan Bogdanov, de 30 anos. Há ainda registo de 16 feridos, incluindo dois polícias. RC