Uma adolescente ficou ferida num explosão de uma scooter, em frente a uma escola de Paris. Em Nanterre, nos arredores de Paris, um grupo de 200 jovens encapuzados envolveram-se de novo em confrontos com a polícia, em mais um dia de greve geral, este marcado com uma forte mobilização entre os estudantes.

Uma jovem de 15 anos foi hospitalizado na sequência da explosão de uma scooter, apanhada pelo fogo de um contentor de lixo, frente a uma escola de Paris. A estudante sofreu várias contusões.

Em Nanterre, a polícia francesa dispersou com gás lacrimogéneo estudantes que atiravam pedras e incendiaram um carro, durante os protestos contra a reforma das pensões proposta pelo governo.

Os jovens começaram a atirar pedras a partir de uma ponte e a polícia respondeu com granadas de gás lacrimogéneo e barricou a área. Até ao momento não há informação sobre a existência de feridos ou de detenções.

A polícia obrigou entre 200 a 300 estudantes a retirarem-se da Praça da República, em Paris, onde desde manhã cedo se concentraram, provocando o caos no trânsito na capital francesa.

Segundo dados do ministério da Educação francês, hoje de manhã registaram-se problemas em 379 escolas, contra as 261 que segunda-feira foram afectadas e as 306 na sexta-feira. O protesto de hoje, terça-feira, é o maior em termos de mobilização desde o início do protesto dos estudantes, na terça-feira da semana passada, durante o qual foram afectadas 350 escolas, escreve a edição online do "Le Figaro".

Os protestos contra os planos do governo francês de aumentar a idade mínima da reforma de 60 para 62 anos têm perturbado a rotina diária no país, desde as refinarias até ao transporte de passageiros.

JN