Já tinha sido prometido em 2009, mas agora a HTC abriu finalmente um escritório em Portugal, procurando melhorar as relações de parceria com operadores e retalhistas e aumentar a sua quota de mercado nos smartphones, apostando especialmente no consumo.

Pedro Abad, country manager da HTC Ibéria, que há cerca de ano e meio tinha adiantado ao TeK a sua intenção de criar uma presença directa em Portugal, confirma que este parece à empresa ser o momento certo para investir. "Estamos na segunda onda de penetração dos smartphones (...) é um grande momento para estar perto dos parceiros e dos clientes", explicou em conferência de imprensa, esta manhã, em Lisboa.

As previsões da consultora de mercado Canalys apontam para que o mercado de smartphones represente, em 2010, 16% das vendas de telemóveis, um número que quase duplica em 2011, subindo para os 24%. E nos próximos anos os especialistas acreditam que pelo menos 50% dos utilizadores de terminais móveis vão usar smartphones, o mercado onde a HTC aposta desde o início.

O country manager da HTC Ibéria acredita que a presença directa em Portugal é muito importante pelo relacionamento de proximidade com os operadores e os retalhistas, e em apenas um mês o investimento já está a dar resultados.

O novo responsável de vendas da HTC em Portugal é agora Nuno Bandeira, que já acumula uma experiência de mais de uma década no mercado de telecomunicações e que tem previsões muito positivas para o crescimento da marca.

Para 2011 a HTC quer "no mínimo queremos duplicar os números que fez em 2010", adiantou aos jornalistas, sendo que não foram divulgados números de vendas em Portugal e apenas uma taxa de crescimento de facturação em termos europeus de 200%.

O novo portfólio de smartphones Android - com o Desire e o Desire Z - e Windows Phone 7 - com três modelos de que o TeK já falou - dão à marca argumentos para liderar nestas duas áreas, garante Nuno Bandeira. Na Europa a HTC quer estar entre os três primeiros lugares, sendo que no mercado Ibérico os objectivos são mais modestos e apontam para uma posição entre os 5 primeiros nos smartphones.

Reconhecendo que a HTC tem estado muito associada ao mercado empresarial, Nuno Bandeira garante que a empresa quer alargar a sua presença no consumo, planeando investir em marketing e formação de produtos. Já este trimestre a aposta no consumo deverá começar a reflectir-se nas vendas da empresa, até por causa dos contratos de exclusividade assinados com a Vodafone e a Optimus para os modelos Windows Phone 7.


sapo.pt
_______