As medidas aplicadas à advogada Teresa Cantanhede são mais gravosas do que as inicialmente anunciadas pelo advogado daquela arguida no processo "Rollerball", ligado ao BPN.

Ao que o JN apurou, Teresa Cantanhede, além do Termo de Identidade e Residência com que deixou, ontem o Tribunal, de regresso a casa , no Algarve, está, ainda, obrigada a providenciar, no prazo de 20 dias, uma caução económica de 500 mil euros.

Um montante, definido pelo tribunal, que se destina a cobrir indemnizações e custas judiciais que eventualmente venham a apurar-se caso a arguida seja condenada em tribunal. Teresa Cantanhede está, ainda no âmbito das medidas de coação, proibida de se ausentar do país e de contactar com os outros dois arguidos no processo: Carlos Marques e Diamantino Morais são sócios em várias empresas e estão acusados de crimes de burla e fraude fiscal.

O advogado José António Barreiros confirmou, ao JN, que vão ser ouvidos durante os dias de hoje, sexta-feira, os clientes que representa: Carlos Marques, ex-advogado e empresário, e Diamantino Morais, advogado.

Os detidos chegaram ao tribunal cerca das 9.30 da manhã, cerca de meia-hora depois da chegada de José António Barreiros, que chegou mais ou menos ao mesmo tempo que o procurador-geral adjunto, Rosário Teixeira, que lidera a acusação do Ministério Público.

JN