A deputada do CDS-PP Cecília Meireles defendeu hoje, sábado, que os portugueses "devem analisar a dimensão" do aumento de impostos "que o PSD aceitou", afirmando que "por 500 milhões de euros", os sociais-democratas aceitaram dois mil milhões.

"Nós fizemos uma estimativa e chegamos à conclusão de que por estes 500 milhões euros o PSD aceitou um aumento de impostos e contribuições de mais de dois mil milhões de euros", afirmou.

Em declarações à Agência Lusa, a deputada democrata cristã considerou que "os portugueses devem fazer a análise da dimensão do que está em causa", frisando que "o PSD sempre afirmou que não aceitaria mais aumentos de impostos".

Pelas contas feitas pela deputada, o aumento de dois pontos percentuais do IVA dará 950 milhões de euros, a revisão das tabelas anexas ao código do IVA um aumento de 20 milhões de euros e o aumento das "tributações do rendimento dos reformados resultará em 105 milhões de euros".

A entrada em vigor do código contributo e consequente aumento das tributações soma 226 milhões de euros em 2011, o aumento das contribuições para a Caixa Geral de Aposentações constitui um aumento de 125,5 milhões de euros e estão previstos mais 140 milhões de euros relativos à "revisão dos incentivos fiscais das empresas", para além do aumento das custas judiciais que representa "50 milhões de euros".

O aumento da contribuição para o audiovisual constitui um aumento de receita na ordem dos 34 milhões de euros, a que acrescem 187 milhões resultantes do "aumento e criação de taxas do Ministério da Administração Interna", mais 106 milhões de euros de "aumento de várias taxas do Ministério da Justiça".

Ainda segundo as contas do CDS-PP, partido que já anunciou que vai votar contra a proposta orçamental para 2011, a contribuição do sistema financeiro representa 100 milhões de euros de receita" que se repercutirá nos depósitos dos clientes.

"A contribuição do sistema financeiro não é sobre os lucros, mas sobre os depósitos, devendo portanto repercutir-se sobre estes", afirma o CDS-PP, frisando que, "como anunciaram os bancos, será repercutida nos clientes".

"Tudo somado dá mais de 2043 milhões de euros de aumento de impostos que o PSD aceitou", disse.

O ministro das Finanças, Teixeira dos Santos, afirmou hoje que o acordo com PSD custa 500 milhões de euros, que serão compensados com medidas adicionais, que o Governo vai apresentar durante a discussão na especialidade.

JN