R. Dominicana: Virginia Owen chegou à ilha com 220 mil libras
Britânica morreu à fome nas Caraíbas

Uma britânica de 48 anos recém-divorciada procurou vida nova na República Dominicana, mas acabou reduzida a pele e osso na cama de um hotel barato. A autópsia revelou que Virginia Owen morreu à fome, em circunstâncias ainda por explicar.

Virginia trabalhava como gestora de loja da Vodafone e decidiu deixar a sua casa em Newbury, Berkshire, em 2006. O casamento fracassara, desgastado por anos de malsucedidos e dispendiosos tratamentos de fertilidade. Por isso, pegou em 200 mil libras de poupanças (229 mil euros) e rumou ao paraíso das Caraíbas.

Chegada a Sosúa, pequena vila no norte da ilha, conheceu o sueco de 54 anos Hans Michel Magnusson, e iniciou com ele uma relação.

A família de Virginia recebia notícias regulares por e-mail, até há cerca de cinco meses, altura em que as mensagens adquiriram um tom sinistro e ameaçador.

A mãe, Rosemary, suspeitando de que não eram da filha, pois estavam escritas num inglês muito rudimentar, telefonou para o apartamento dela e, quando Hans atendeu, garante ter escutado em fundo o choro de dor de Virginia. "Perguntei por que não a levava ao médico, e ele disse que não tinham dinheiro. Prometi enviar-lho, mas fiquei sem perceber como desapareceram 200 mil libras", afirmou Rosemary ao ‘The Daily Mail'.

O irmão, Daniel, de 40 anos, voou para a ilha e foi encontrar a irmã reduzida a cadáver vivo. Chamou uma ambulância, mas Virginia morreu horas depois, no hospital.

Interrogado pela polícia, Hans foi libertado devido a falta de provas da sua ligação à estranha morte de Virginia.


Correio da Manhã